<img height="1" width="1" alt="" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=408815549258573&amp;ev=PixelInitialized">

    Álcool ou gasolina: qual a melhor opção para um carro flex?

    Posted by Rodobens on Dezembro 2016

    alcool-ou-gasolina-qual-a-melhor-opcao-para-um-carro-flex.jpg

    A tecnologia flex, que permite que os carros rodem abastecidos com gasolina ou álcool, veio mesmo para ficar. A combinação do combustível derivado do petróleo com o proveniente da cana-de-açúcar movimenta diversos setores da economia, desde a origem dos produtos até seu ponto final, na venda ao consumidor. Mas os motoristas se preocupam com outras questões, levando em conta como a opção feita no posto de combustível pode afetar o carro que dirigem.

    Como guiar o veículo logo após abastecer? Qual é o desempenho esperado em longo prazo com cada combustível? Você está certo de como fazer a melhor escolha? Então confira no post de hoje nossas dicas para saber quando (e por que) é melhor abastecer seu carro com álcool ou gasolina!

    Qual é a história por trás do carro flex?

    Atualmente, a grande maioria dos veículos de passeio no Brasil é equipada com o chamado motor flex ou bicombustível. No início dos anos 2000, os modelos a gasolina eram os mais populares por aqui, mas a história do álcool (ou etanol) como combustível é muito mais antiga.

    O grande responsável pela popularização do uso do automóvel, lá no começo do século XX, foi o simpático Ford Model T, fabricado nos EUA, que seguia os princípios de otimização das linhas de produção de seu criador, Henry Ford. E, acredite, esse carro já era capaz de rodar tanto com álcool como com gasolina.

    Naquela época, o preço extremamente baixo do petróleo fez com que a gasolina prevalecesse como combustível principal para a grande explosão do setor automotivo nas décadas que se seguiram. Já a partir da década de 1970, com 2 crises envolvendo o petróleo mundial, os incentivos ao uso do etanol aumentaram bastante.

    Nas décadas seguintes, os 2 tipos de motores coexistiram, com os movidos a gasolina levando vantagens na preferência dos consumidores. Isso acontecia muito em função das peculiaridades dos carros a álcool, que apresentavam funcionamento irregular quando em baixas temperaturas, assim como um consumo ligeiramente superior.

    A situação mudou quando, com o fomento às pesquisas e ao desenvolvimento das tecnologias do setor automotivo, surgiram os motores que aceitam ambos os combustíveis. Na prática, o álcool é o combustível mais usado no Brasil, já que toda gasolina comercializada por aqui o recebe em sua mistura (na proporção de 27%) e ele ainda é vendido puro nas bombas dos postos de serviços.

    O que escolher no primeiro abastecimento de um flex zero?

    A verdade é que, ao sair com um carro flex da concessionária, não existe uma recomendação específica sobre qual opção colocar no tanque. É comum ouvir que um ou outro deve ser o escolhido no primeiro abastecimento ou até mesmo pelas primeiras centenas de quilômetros, mas não existe uma regra baseada apenas nessa condição.

    Mesmo que seja dito que apenas um combustível foi usado desde o período que o veículo passou na fábrica, você não precisa se preocupar. Nesse caso, até existe um fundamento para optar por álcool ou gasolina no primeiro abastecimento, mas basta respeitar algumas condições que são gerais para o caso de o combustível ser trocado — conforme explicaremos a seguir.

    É preciso esperar um tempo ao trocar de combustível?

    São muitos os motoristas que acham que essa recomendação é mito, mas ela tem sim um fundo de verdade. Por isso, quando trocar de combustível, é recomendável rodar com o carro por pelo menos 5 quilômetros (ou 10 minutos) após o abastecimento para ele se acostumar com a mudança.

    Esse tempo é fundamental para que a central eletrônica do veículo faça a leitura da mistura dos combustíveis no tanque. Afinal, é com o resultado dos cálculos feitos por ela que o sistema de injeção define suas configurações, o que afeta diretamente o desempenho do motor conforme a proporção de álcool e gasolina.

    Por isso, se você não sabe qual combustível foi usado pela última vez para abastecer o veículo, tente não desligar o motor antes de cumprir os requisitos de tempo e quilometragem para aprendizado do próprio carro.

    E um detalhe final: essa situação pode ocorrer não apenas ao comprar um automóvel zero, mas também ao sair com um usado de uma agência, ao alugar um veículo em outra cidade ou até mesmo ao tomar emprestado por alguns dias o carro de um parente ou um amigo. Então fique atento!

    A gasolina é mesmo um combustível superior?

    Nem mesmo em países com a gasolina de qualidade melhor que a nossa é possível afirmar que um combustível é superior ao outro. De fato, a gasolina oferece um menor consumo e, consequentemente, uma maior autonomia, além de melhor desempenho em partidas a frio. Mas não se pode ignorar que são os ajustes feitos nos motores que determinam seu comportamento em geral.

    Existe gasolina pura no Brasil?

    Nem mesmo as gasolinas aditivadas ou premium estão isentas de acrescentar álcool a suas composições. Atualmente, a legislação brasileira prevê que 27% da composição de toda e qualquer gasolina comercializada por aqui seja de etanol anidro, nosso popular álcool combustível. E isso vale para todas, inclusive as aditivadas e as premium, cujas vantagens são quase imperceptíveis quando usadas em carros de passeio comuns.

    Quais as vantagens do álcool?

    Por ser um combustível de fontes renováveis, o álcool é mais amigável ao meio ambiente. Além disso, seu comportamento nas queimas permite que ele forneça um melhor desempenho ao motor, equilibrando assim seu alto consumo.

    É possível misturar álcool e gasolina?

    O grande trunfo do desenvolvimento da tecnologia flex é permitir que qualquer proporção de álcool e gasolina seja usada pelos motores com o máximo de eficiência. Os parâmetros observados pela central eletrônica são ajustados para tirar o máximo de proveito da mistura, obtendo a melhor combustão a partir da menor quantidade de combustível.

    Por isso, se você dirigir da mesma maneira e pelo mesmo trajeto com um tanque cheio de gasolina, depois com um tanque meio a meio e, por fim, com um tanque cheio de etanol, certamente perceberá 3 desempenhos e 3 níveis de economia de combustível distintos. Essa é a indicação de que o carro flex se adapta ao que você usa para alimentá-lo, dando sempre o melhor retorno possível.

    Agora você já sabe o que levar em conta ao escolher entre álcool e gasolina, certo? Então aproveite para assinar a nossa newsletter e ficar sempre por dentro dos conteúdos que publicamos por aqui!

    Consórcio, investimento seguro e programado para aquisição de bens e serviços.

    • Sem Juros
    • Diversos planos e créditos
    • Sem Taxa de Inscrição
    Simular
    Consórcio!
    New Call-to-action

    Newsletter

    Categorias

    todos
    guia de compra do seu primeiro imovel