<img height="1" width="1" alt="" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=408815549258573&amp;ev=PixelInitialized">

    8 dicas de economia para quem quer fazer um intercâmbio

    dicas, dicas-para-poupar, educacao-financeira, conquista-sonhos

    Se você pretende fazer um intercâmbio, deve logo saber que terá que arcar com diversos gastos, que vão desde a compra das passagens aéreas e da moeda estrangeira, passando pela contratação de um seguro saúde e pelo aluguel da sua moradia no exterior até chegar à matrícula e às mensalidades de um cursinho de idioma lá fora. Por isso é tão importante economizar e manter as finanças em dia para não passar nenhum tipo de aperto! Mas como colocar isso em prática? Confira nossas dicas de economia e se prepare para seu intercâmbio!

    1. Escolha um país com bom custo-benefício

    Você pode até querer morar em algum país nórdico para aproveitar todos os benefícios daquele estilo de vida, mas será que esse tipo de intercâmbio realmente cabe no seu bolso? Será que os benefícios compensam os custos?

    Se você está economizando para fazer um intercâmbio, a dica mais importante de todas diz respeito justamente à escolha de onde você pretende morar, estudar e visitar. Afinal, existem países com um custo de vida muito mais alto que o do Brasil. Ao mesmo tempo, há outros bem mais em conta, por vezes até mais baratos. Para saber essas informações, é preciso pesquisar muito antes de definir para onde pretende ir.

    Em sites como o The Economist, Numbeo e Time, você consegue ter uma estimativa do custo de vida em diferentes lugares do mundo. Lembrando que esses gastos variam muito de acordo com cada região, cidade e estado, mas também em relação a seus próprios hábitos de consumo e de vida. Vale a pena fazer um planejamento financeiro e colocar na ponta do lápis seus principais gastos diários para fazer uma avaliação mais precisa.

    2. Conte com a ajuda de uma agência especializada

    Procure a ajuda de algum profissional especializado em orientar intercambistas. Se você acha que esse gasto não vale a pena e que, na verdade, o auxílio de um agente de viagem pode encarecer o processo, chegou a hora de rever seus conceitos. As dicas, sugestões e informações de um profissional experiente da área são extremamente valiosas, podendo representar uma grande economia para quem vai viajar.

    Esses profissionais sabem, por exemplo, qual é a melhor época para comprar passagem, podem oferecer opções de seguro saúde mais em conta, possuem indicações de estadia e de cursos, além de conhecer as melhores formas de se locomover em cada país. Suas dicas podem, assim, ajudar na economia para a viagem!

    3. Aproveite para fazer um estágio

    Quem está preocupado em conciliar o intercâmbio com uma oportunidade de agregar valor ao próprio currículo pode buscar opções de estágio como experiência profissional. Essa é uma ótima maneira de passar por um intercâmbio e também ter uma fonte de renda extra durante a viagem, que cubra ao menos alguns dos custos de vida por lá.

    É importante lembrar que muitos dos programas de estágio profissional no exterior são indicados para quem já tem um domínio intermediário ou avançado da língua estrangeira. Além disso, é possível buscar oportunidades que se encaixem especificamente em seus planos profissionais depois do intercâmbio, já que essa experiência vai alavancar sua competitividade.

    Não se esqueça que, em muitos países, é preciso ter um tipo de visto específico para trabalhar, o que pode aumentar os custos iniciais da viagem e te sujeitar a algumas regulações mais estritas durante o intercâmbio — como em relação ao número de horas trabalhadas e ao tempo de permanência no país.

    4. Comece a se preparar com o máximo de antecedência

    Se você quer mesmo economizar para garantir seu intercâmbio, não deixe para se preparar na última hora! Planeje-se para prever os gastos totais da viagem com maior antecedência, podendo assim fazer opções mais baratas, esperar por promoções de passagem, escolher bem a estadia, entre outras formas de economizar. Quanto maior for a antecedência, mais tempo de preparo e chances de escolha você terá.

    5. Controle os gastos antes da viagem

    Já tendo se decidido pelo intercâmbio e sabendo que terá muitos gastos durante a viagem, por que não controlar melhor as despesas pessoais aqui no Brasil? Assim, evite gastos extravagantes, diminua as saídas com os amigos e faça opções conscientes quando estiver prestes a comprar algo. Aproveite também para deixar a compra de supérfluos (como roupas, calçados e eletrônicos) para a viagem, já que você terá a oportunidade de conhecer lojas novas que, muitas vezes, oferecem preços bem mais baratos que as opções daqui.

    6. Invista em um seguro saúde realmente confiável

    Um dos maiores gastos que um intercambista pode ter lá fora é com despesas médicas inesperadas. Saiba desde já: em geral, é muito caro ser atendido no exterior. Por isso, é essencial sair do Brasil já tendo contratado um bom seguro para sua viagem. O ideal é que ele não precise ser acionado, claro, mas, no caso de algum imprevisto, com certeza será mais econômico contar com um seguro saúde.

    7. Confie nas dicas de quem já fez intercâmbio

    Pouca gente efetivamente coloca isso em prática, mas ajuda muito se você procurar informações diretas de quem já fez um intercâmbio na cidade do seu interesse. Essas pessoas podem dar opiniões sinceras a respeito de locais estratégicos para viver, dar dicas de economia com alimentação e lazer, contar sobre a vida cultural na cidade, entre outros inúmeros detalhes. Vale a pena fazer essa consulta!

    8. Busque formas alternativas para pagar pela viagem

    Não sabe como economizar para a viagem? Pois existem diversas formas de se forçar a economizar. Se você não tem muita disciplina, pode contratar um consórcio de serviços com antecedência, por exemplo. Há quem recorra a empréstimos e outras formas de financiamento, mas o ideal é que você já saia do Brasil com boa parte dos gastos quitada.

    Também é possível estabelecer metas de economia, como guardando uma porcentagem de seu salário pelo menos nos meses que antecedem a viagem. Dependendo da antecedência com que você começa a se preparar para a viagem, esse dinheiro pode ser aplicado de forma a render mais que a poupança, ajudando a custear as despesas com o intercâmbio.

    E então, o que achou das nossas dicas de economia para seu intercâmbio? Tem amigos que poderiam aproveitar essas sugestões? Compartilhe este post em suas redes sociais e os ajude!