<img height="1" width="1" alt="" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=408815549258573&amp;ev=PixelInitialized">

    9 estratégias para escolher o consórcio certo para você

    dicas, dicas-para-poupar, educacao-financeira, dicas-consorcio, dicas-para-investir

    Ao contrário do que muita gente pode pensar, os consórcios definitivamente não são todos iguais. Diferentes fatores podem ter pesos completamente distintos para cada pessoa. Por isso, é preciso não apenas pesquisar bastante como fazer um cuidadoso planejamento financeiro para conseguir escolher o consórcio ideal. E ainda tem mais! Além dos critérios específicos que certamente farão diferença para sua tomada de decisão, há outros, mais gerais, que você também deve considerar.

    Para ajudá-lo nessa empreitada, resolvemos trazer para o post de hoje 9 estratégias infalíveis. Acompanhe os próximos tópicos e se prepare para fechar o melhor negócio!

    1. Verifique o histórico da administradora

    Não se deixe iludir por promessas mirabolantes de ótimos negócios ou condições tidas como imperdíveis. Afinal, ainda que sejam verdadeiras, o problema pode aparecer depois da contratação e da efetivação de alguns pagamentos. Imagine, por exemplo, se a administradora dificulta a liberação da carta de crédito!

    Para não cair em nenhuma armadilha desse tipo, o mais recomendado é pesquisar sobre possíveis reclamações de clientes atuais e passados. A boa notícia é que, hoje em dia, é bem fácil ter acesso a informações sobre as empresas.

    O Reclame Aqui, por exemplo, é um site especializado em receber reclamações e até mediá-las. Só não vale interpretar os dados lá expostos equivocadamente. Então entenda: não é um problema se a empresa tem um número relativamente alto de demandas, desde que essas reclamações tenham sido atendidas e as pessoas tenham, no fim das contas, ficado satisfeitas. Já se os transtornos elencados são graves e a instituição não se empenha em ajudar os clientes, o histórico é ruim e não convém arriscar seu dinheiro.

    2. Avalie as credenciais da empresa

    Assim como no caso dos bancos, as administradoras de consórcio têm que ser autorizadas pelo Banco Central do Brasil a operar com esse tipo de produto. Sabendo disso, uma instituição que não é devidamente registrada já pode ser automaticamente riscada da sua listinha de possibilidades. Além disso, pesquise também pelo nome da empresa no site da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC), pois toda boa administradora estará associada a ela.

    Mas atenção: se estiver propenso a fechar negócio com uma empresa que é correspondente de uma administradora, pode não encontrar os dados da instituição em nenhuma das entidades citadas. Contudo, as informações da administradora correspondida terá que aparecer sim! Fique de olho!

    3. Abra os olhos para os reajustes

    Quando for comparar opções para escolher o consórcio ideal para suas necessidades, vale ficar atento ao reajuste dos pagamentos. Mesmo que consórcios não tenham juros embutidos, existe sim um reajuste que tem o valor do bem pretendido como base. Essa correção tem como objetivo impedir que a carta fique desvalorizada após algum tempo.

    O detalhe é que podem haver diferenças no reajuste das administradoras para o mesmo bem. Com isso em mente, analise se alguma das empresas que você vem considerando aplica uma porcentagem alta demais, acima do que deveria ser adicionado levando em conta o valor do bem.

    4. Fique atento à taxa de administração

    Esse é outro adicional cobrado por todos os consórcios, servindo para cobrir os custos da instituição na gestão dos produtos e dos grupos de consorciados. E acredite: a variação pode ser significativa entre uma empresa e outra. Por isso, ainda que não seja o único fator decisivo, essa taxa tem que ser levada em conta por ter peso considerável para o consorciado.

    5. Pergunte sobre as possibilidades de escolha

    O ideal é que a administradora venda uma carta de crédito no valor do bem que você deseja. E por mais que essa realmente seja a prática de muitas empresas, algumas ainda trabalham com o produto em si e não com o crédito correspondente. Nesse caso, se for o bem que você quer, não há problema. Por outro lado, se o bem em questão não for o pretendido e não houver alternativa, melhor descartar essa administradora, não concorda?

    6. Coloque as promessas no contrato

    Imagine: você pesquisou muito para escolher o consórcio perfeito e parece que conseguiu encontrar. A administradora trabalha com carta de crédito ou com o bem que você tanto deseja, as campanhas de marketing e o site da instituição mostraram que as condições estão entre as melhores do mercado e você conversou com um consultor da empresa para se certificar de que aquele consórcio é o que melhor atende a suas necessidades e expectativas. Então, só falta assinar, certo? Bem, quase isso.

    Nessa fase, procure o profissional que será responsável pelo fechamento da compra para pedir que todos esses pontos estejam descritos em contrato. Se ele por acaso disser que qualquer um dos fatores aprovados por você não pode ser especificado no documento, reavalie.

    7. Procure saber sobre pagamentos acessórios

    Além das parcelas em si e do reajuste periódico sobre o qual já falamos, ainda podem existir cobranças adicionais para o consorciado, viu? Mas não entenda errado, porque isso nem sempre é ruim! Afinal, esses pagamentos extras geralmente servem para oferecer garantias aos consorciados do grupo. O cuidado aqui diz respeito a valores e percentuais muito altos ou excesso de cobranças adicionais.

    Um percentual pode ser cobrado para formar um fundo de segurança usado para cobrir as prestações de possíveis inadimplentes, por exemplo. Nesse caso, portanto, a falta de pagamento de alguns consorciados não afeta os demais. Outro possível adicional é o seguro de vida para cobrir a dívida de alguém que faleça durante o período dos pagamentos.

    8. Esclareça suas dúvidas envolvendo os lances

    Além da contemplação por sorteio, você também pode dar lances em valores acima das parcelas para tentar antecipar a retirada da sua carta de crédito. Só verifique se a administradora pesquisada não dificulta esse processo, exigindo valores mínimos absurdamente altos ou apenas em períodos específicos, com espaços de tempo muito grandes entre um e outro.

    9. Cheque se as parcelas são adequadas

    Essa dica veio por último propositalmente, para você não correr o risco de esquecer: antes mesmo de pesquisar por empresas e condições, elabore um planejamento financeiro. Lembre-se de que as empresas pesquisadas é que têm de se adequar a ele e não o contrário!

    Por isso, veja se as administradoras procuradas possuem produtos que caibam no orçamento da sua família. Também não esqueça de simular os ajustes para ter a tranquilidade de que, após sua ocorrência, as prestações continuarão sendo quitadas sem sufoco.

    Está buscando escolher o consórcio ideal para adquirir aquele bem dos seus sonhos? Siga nossos perfis nas redes sociais para acompanhar mais dicas, entender mais sobre o assunto e fazer seu planejamento! Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram.