<img height="1" width="1" alt="" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=408815549258573&amp;ev=PixelInitialized">

    Pneus usados: 5 dicas de conservação para aumentar sua vida útil

    Posted by Rodobens on Fevereiro 2017

    38525-pneus-usados-5-dicas-de-conservacao-para-aumentar-sua-vida-util.jpg

    Acredite: os pneus são tão importantes para seu carro quanto o motor, o câmbio e a direção. Afinal, são eles que fazem o contato com o solo, transformando toda a energia produzida pelo veículo em movimento efetivo. Por isso, quanto mais eficaz, constante e seguro for esse contato, mais eficiente é o movimento.

    Um carro que roda de maneira eficiente tem melhor desempenho em acelerações e frenagens, além de ainda consumir menos combustível e até muito menos borracha dos próprios pneus, aumentando assim sua durabilidade. Quer saber como conservar seus pneus usados por mais tempo? Então confira nossas dicas a seguir!

    Conheça o pneu adequado para seu carro

    Todo carro sai da fábrica com rodas e pneus especificamente dimensionados para proporcionar o melhor rendimento possível. São feitos inúmeros testes para conferir se os diversos sistemas realmente funcionam perfeitamente em conjunto. Parâmetros de economia de combustível, velocidade máxima, frenagem de emergência e desempenho em curvas são apenas alguns dos fatores que dependem diretamente dos pneus.

    Por essas e outras, é fundamental observar atentamente os dados descritivos dos pneus, contidos no manual de uso e manutenção do carro e nos próprios pneus. No caso do pneu 185/70 R14 80P, por exemplo, tem-se que:

    • 185 é a largura nominal do pneu, em milímetros;

    • 70 corresponde à relação entre altura e largura, em percentual;

    • R é o tipo de construção — radial ou diagonal;

    • 14 é a medida do diâmetro, em polegadas;

    • 80 é o índice de capacidade de carga;

    • P é o índice de velocidade máxima.

    Ao conduzir respeitando as limitações das características dos pneus, sem ultrapassar os valores máximos de carga e velocidade, você automaticamente evita riscos de acidentes e garante que seus pneus durem bastante!

    Inspecione visualmente os pneus

    É mais que comum entrarmos no carro com pressa, atrasados para compromissos ou já pensando se vamos encontrar uma vaga para estacionar no centro da cidade, não é verdade? Por isso, mesmo que não consiga fazer uma inspeção toda vez que for pegar o volante, tente não ficar muitos dias sem gastar esses preciosos minutos observando o aspecto dos pneus do seu carro.

    Se qualquer deles estiver com uma aparência de murcho, você vai precisar dar uma paradinha em um posto para calibragem ou em um borracheiro para o conserto de um furo ou rasgo. Se a aparência for de altura maior que a normal, o mais provável é que a última calibragem tenha sido feita com um valor mais elevado que o indicado, o que também deve levá-lo ao posto mais próximo para fazer o ajuste — questão vamos abordar no próximo tópico.

    Mantenha os pneus constantemente calibrados

    Os pneus trabalham de maneira otimizada quando a pressão do ar interno está dentro dos valores recomendados pelo fabricante. Pouca pressão faz o consumo de combustível aumentar bastante e ainda gasta mais as bordas do pneu, enquanto pressão em excesso diminui a aderência com o chão, aumenta as possibilidades de estouro, o aparecimento de calos e gasta mais a banda de rodagem central do pneu.

    A calibragem deve ser feita sempre com os pneus frios, pois o valor da pressão se altera conforme a temperatura aumenta. Assim, é bom aproveitar o posto mais próximo de casa para dar aquela conferida antes de rodar os primeiros 5 quilômetros do trajeto. Procure sempre lugares de confiança para realizar a manutenção da pressão, já que compressores fora das especificações podem mostrar valores desviados, prejudicando seu controle.

    E não se esqueça de que todo pneu vai perdendo pressão à medida que roda. Mas isso acontece bem aos poucos. Sabendo disso, qualquer queda brusca no valor de costume pode indicar um prego, um arame ou mesmo um rasgo. Por isso, é importantíssimo fazer a conferência semanalmente ou, no máximo, a cada 15 dias. Lembre-se do pneu reserva nessas horas, pois você não vai querer encontrar seu estepe vazio quando precisar fazer uma troca de emergência!

    Coloque alinhamento e balanceamento em dia

    Além de indicar que seu controle da pressão não está sendo feito da maneira ideal, as regiões em que os pneus mais se desgastam podem apontar um comportamento anormal da suspensão, um estilo de direção muito agressivo (principalmente em curvas) ou a causa mais comum para esse sintoma: rodas desalinhadas e/ou desbalanceadas. Na maioria das oficinas, se um dos serviços é oferecido, o outro também é. Vale a pena (até financeiramente) aproveitar um mesmo intervalo para pedir o pacote completo.

    E atenção: não são apenas os pneus que indicam a hora de fazer esse controle. A direção costuma puxar para um dos lados na falta de alinhamento e trepidar na falta do balanceamento. Sempre que um desses sintomas aparece, faça uma visita à oficina para a devida manutenção ou revisão. E se qualquer dos pneus sofre um impacto, mesmo sem danos aparentes, também é indispensável alinhar e balancear as rodas.

    Faça o rodízio dos pneus

    Como os pneus ficam sujeitos a diferentes tipos de esforço em cada uma das 4 rodas do veículo, graças a tração, frenagem e manobras feitas quilômetro após quilômetro, o ideal é lançar mão do rodízio, mais um procedimento para proporcionar equilíbrio ao desgaste natural dos pneus.

    Na maioria dos carros de passeio, as rodas dianteiras são responsáveis pela tração do carro, transmitindo a força do motor para o chão, passando pelos pneus. Nesse caso, o tipo de rodízio indicado é conhecido como cruzado atrás, com os pneus traseiros sendo deslocados para as rodas dianteiras do lado oposto, enquanto os que saem das rodas da frente mantêm o mesmo lado nas de trás.

    Em carros com tração nas 4 rodas, especialmente utilitários e caminhonetes pesadas, a exigência dos pneus muda bastante. Com isso, o rodízio segue o caminho oposto: nesses veículos, os pneus dianteiros vão para trás, cruzando-se, enquanto os traseiros vão para frente, mas sem mudar de lado.

    Existem ainda tipos específicos de pneus, como os unidirecionais, que não seguem essas regras de rodízio, mas também podem (e devem) ser avaliados por um profissional confiável regularmente. Assim você assegura sua tranquilidade para dirigir o carro, qualquer que seja sua configuração.

    Não é difícil entender a importância de manter hábitos adequados para a conservação dos pneus, já que são itens fundamentais para sua segurança, além de influenciarem diretamente o desempenho e o consumo de combustível do carro. Estender o uso dos pneus usados, mantendo a qualidade e um perfeito comportamento da borracha e de toda a estrutura desse componente é garantia de tranquilidade, conforto e economia!

    Gostou de saber como aumentar a vida útil dos seus pneus usados? Ficou com alguma dúvida sobre nossas dicas de conservação? Deixe um comentário aqui no post e compartilhe suas impressões conosco!

    Consórcio, investimento seguro e programado para aquisição de bens e serviços.

    • Sem Juros
    • Diversos planos e créditos
    • Sem Taxa de Inscrição
    Simular
    Consórcio!
    New Call-to-action

    Newsletter

    Categorias

    todos
    Como funciona o consórcio de imóveis