<img height="1" width="1" alt="" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=408815549258573&amp;ev=PixelInitialized">

    Seguro obrigatório: por que você precisa ir além?

    dicas, dicas-seguro, seguro-automoveis, seguro-carro, cuidados-veiculos, cuidados-automoveis, seguro-moto, cuidados-carro

    Por mais que os motoristas não saibam exatamente o que significa e o que cobre, o DPVAT continua sendo um velho companheiro de estrada. Você sabia, por exemplo, que a cobrança do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres tem por trás um motivo nobre? A proposta é proteger todo cidadão brasileiro em caso de acidentes que causem morte, invalidez ou despesas médicas.

    O problema é que, embora obrigatório, o DPVAT não cobre todas as necessidades de quem deseja proteger seu patrimônio e sua vida. Para tirar suas dúvidas sobre esse assunto, resolvemos produzir este post. Pronto para entender por que é necessário complementar o seguro obrigatório com outras soluções? Confira!

    A cobertura do seguro obrigatório

    Embora possa ser acionado para a indenização de motoristas, passageiros e pedestres, a verdade é que o DPVAT é um seguro bem específico, que cobre basicamente 3 casos: morte, invalidez e despesas médicas oriundas de um acidente. Como toda ajuda é mais que bem-vinda nesses momentos de necessidade, o DPVAT consegue sim dar um pequeno alívio. Contudo, vale lembrar que ele possui tetos de indenização. Veja só:

    • no caso de morte ou invalidez, o limite é de até 13.500 reais;
    • no caso de despesas médicas em geral, o limite é de até 2.700 reais.

    O que o DPVAT não cobre

    A ausência mais evidente na cobertura do DPVAT diz respeito à proteção de patrimônio. O seguro obrigatório não prevê nenhum ressarcimento a danos materiais causados por um acidente, o que envolve tanto o veículo quanto sua carga. Além disso, o DPVAT também não cobre qualquer despesa relativa a roubo, furto ou mesmo incêndio de patrimônio. É importante, assim, que o motorista conte com proteções adicionais — especialmente quem faz do veículo seu meio de vida, como o caminhoneiro ou o taxista.

    Por essas e tantas outras razões, definitivamente vale contar com um seguro automotivo particular. Afinal, essa solução pode prever uma série de vantagens, desde o ressarcimento de danos materiais, disponibilização de um carro reserva e serviços 24 horas de guincho a um complemento considerável no que se refere à cobertura médica.

    É preciso ressaltar que existem seguros específicos para motoristas profissionais, como aqueles que preveem ressarcimento no caso de roubos ou avarias de cargas, seguro para passageiros de táxi e até mesmo o pagamento de lucros cessantes. Nesse caso, se você ficar impedido de trabalhar devido a um acidente, a seguradora cobre o lucro que ganharia em condições normais.

    A burocracia do seguro obrigatório

    O seguro DPVAT é um instrumento de Estado. Isso significa que todos os seus procedimentos ficam sob a responsabilidade do poder público, que, infelizmente, não é tão rápido na liberação de recursos quanto gostaríamos. E isso também vale para as indenizações!

    Casos em que as indenizações demoram até 60 dias para serem liberadas após um acidente são relativamente comuns. Por isso, reforçamos: é importante contar com uma solução de seguro que atenda às suas necessidades de maneira mais ágil, fazendo com que sua família conte com o apoio adequado em um momento de necessidade.

    No fim das contas, por mais que o seguro obrigatório seja uma ferramenta interessante para proteger os atores do trânsito em caso de problemas, ele está longe de ser suficientemente amplo ou eficiente. Portanto, em caso de problemas, busque sim seus direitos na esfera pública, mas também garanta sua segurança financeira e de saúde investindo em um bom seguro automotivo!

    Quer receber mais informações para proteger sua vida e seu patrimônio? Então assine agora mesmo a nossa newsletter!