<img height="1" width="1" alt="" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=408815549258573&amp;ev=PixelInitialized">

    Vale a pena morar em uma casa pequena?

    consorcio, consórcio de imóveis, imóveis, casa, conquista-sonhos, primeiro-imovel, consorcio-casa, consorcio-imoveis

    vale-a-pena-morar-em-uma-casa-pequena16926.jpg

    Na nossa sociedade, aprender a viver com menos bens materiais e com mais qualidade é um desafio constante, que pode ser iniciado com a experiência de morar em uma casa pequena. Cada vez mais variados, os empreendimentos menores prometem agradar diferentes públicos e seus objetivos, e aliam essa característica à condições de pagamento compatíveis com o orçamento do comprador. A fim de ajudá-lo na avaliação das opções, listamos hoje os motivos para morar em uma casa pequena e como você pode adquiri-la por meio de um consórcio! Saiba mais!

    Por que morar em uma casa pequena?

    Se você está pensando em comprar uma nova casa, é bem provável que já tenha feito um levantamento do orçamento disponível e, minimamente, tem condições de arcar com o investimento. Hoje, boa parte das pessoas que alcançam certa estabilidade na vida têm esse objetivo, e associam as boas condições à possibilidade de adquirir somente os maiores e melhores produtos. Ter esse pensamento é bom na maioria das vezes, afinal, todo mundo quer desfrutar do dinheiro batalhado.

    Em uma situação financeira equilibrada, o problema aparece quando as pessoas confundem qualidade com quantidade, e isso pode se refletir também na escolha do imóvel. Quem é que nunca quis uma casa enorme e cheia de cômodos amplos para viver sozinho ou com a família? Esse pensamento é bem comum, mas faz parte de um desejo momentâneo que, na realidade, talvez nem atenda as necessidades do morador. Sabendo disso, é hora de reavaliar vontades e considerar opções que agradem você e o seu bolso. Acompanhe as vantagens de morar em uma casa pequena e repense!

    1. Preço e despesas menores

    Comprar uma casa pequena é mais saudável para sua situação financeira, visto que esse tipo de empreendimento possui um preço menor no mercado. Os custos com imposto de transmissão do bem e registro de escritura também são menores, já que costumam ser calculados com base no tamanho do imóvel. Desconsiderando os desejos supérfluos, entenda que alguns metros quadrados a mais não vão te tornar uma pessoa mais feliz ou realizada, sendo assim, reflita sobre as reais necessidades com o novo espaço e escolha um imóvel que englobe essas características.

    Uma casa pequena também gera menos despesas com contas e taxas mensais. Sem tantos cômodos para manter limpos, ventilados e iluminados, é provável que suas contas de luz e água venham mais baixas que o normal. Se o novo lar for um apartamento, atente para os valores cobrados com condomínio e manutenção de espaços comuns. Dependendo do custo, escolha um prédio mais simples para morar.

    2. Valorização futura e facilidade de venda

    Pequenos imóveis sempre são mais fáceis de vender, sendo assim uma boa opção para quem tem a possibilidade de mudar de cidade futuramente. Na hora de divulgar o imóvel para a venda, a chance de acertar na decoração para criar uma composição atrativa aos interessados também é maior.

    Com essa garantia você tem mais segurança para comprar a casa própria, sabendo que para frente poderá contar com o mesmo dinheiro nela investido. No Brasil, a quantidade de pessoas que optam por morar sozinhas aumentou consideravelmente nos últimos anos, o que representa maior procura por empreendimentos residenciais menores, sejam eles novos ou usados.

    3. Simplicidade com mobília de qualidade

    Uma casa composta de espaços pequenos incentiva o proprietário a comprar somente o que é necessário dentro do lar, evitando assim o acúmulo de quinquilharias e bagunça. Nessa situação, cada cômodo pode ser planejado de maneira simples, gerando uma composição agradável e minimalista. Economizando em quantidade de itens, você tem maior liberdade para investir na qualidade dos materiais e acabamentos presentes.

    Com o dinheirinho economizado e sobrando, presenteie a si mesmo com móveis planejados e estofados, trazendo o conforto e a funcionalidade nos elementos de apoio - poltronas, mesas, armários. Na decoração, as peças, objetos e acessórios ganham maior destaque dentro de espaços menores, garantindo a você um lar simples e focado no bem estar humano.

    4. Limpeza e manutenção facilitadas

    Toda casa precisa de limpeza e cuidados frequentes, mas o tempo gasto nessas tarefas é totalmente influenciado pelo tamanho das suas áreas. Logo, uma casa pequena demanda menos custo e trabalho com faxina e serviços de manutenção. Nesse tipo de imóvel, é possível que o morador até valorize mais o cuidado com o próprio lar, já que em praticamente poucas horas terá condições de deixar os cômodos brilhando. A outra vantagem é que, depois de limpo, o lar se mantém organizado por mais tempo, já que os espaços disponíveis para a realização das tarefas diárias são menores. 

    Se a opção for por um apartamento, a economia de tempo e recursos com serviços básicos é ainda menor. Isso porque nesse tipo de empreendimento o proprietário não tem que lidar com manutenção de jardins e de outros espaços externos que geralmente existem em uma casa. Nesse caso, vale a pena pesar se o custo com condomínio compensa o gasto em produtos de limpeza e tempo dedicado aos afazeres domésticos.

    5. Aconchego e maior convivência

    Viver com menos espaço pode ser uma boa forma de se aproximar de pessoas queridas. Em famílias com filhos, é cada vez mais comum que cada um encontre o seu canto - geralmente o quarto - e nele passe boa parte do tempo, isolado. Em casas pequenas isso dificilmente acontece, já que a convivência diária é incentivada. Nessas condições, até mesmo casais sem filhos tendem a compartilhar mais o seu tempo juntos, dividindo experiências e diálogos. A aproximação com o limite de espaços permite momentos intimistas e maior interação, tornando o novo lar mais aconchegante e convidativa para os moradores e também para seus visitantes.

    Como comprar por meio Do ConsóRCIO?

    Agora que já conferiu todos os benefícios de uma casa pequena, que tal contar com um sistema de aquisição que não cobra juros nem entrada e ainda oferece parcelas mais acessíveis ao seu bolso? Estamos falando do consórcio imobiliário, um financiamento feito por meio de um grupo de pessoas físicas ou jurídicas, com a finalidade de obter um bem ou serviço. Para participar, você precisa adquirir a cota de consórcio e pagar mensalmente as parcelas.

    Ao ser contemplado por sorteio ou por lance, o consorciado recebe a carta de crédito- que representa o valor para a compra do imóvel. Se em algum momento você receber um bom montante - FGTS, bônus no emprego, herança - para investir, poderá oferecer a antecipação de parcelas (lance) e garantir prioridade no alcance da carta de crédito. Aproveite para evitar a burocracia e poupar recursos enquanto investe no imóvel próprio.

    E você, o que acha de morar em uma casa pequena? Já pensou na possibilidade de fazer um consórcio? Comente!