Afinal, vale a pena comprar um imóvel na planta?

Junho 2017

4 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Muitas pessoas consideram optar por um imóvel na planta quando tomam a decisão de comprar a casa própria. Um dos principais motivos para escolherem essa alternativa é o fato de o valor ser mais em conta que o do imóvel novo já pronto para mudar. Realmente, é uma questão que deve ser levada em conta, não acha?

E se você está aí se perguntando sobre como comprar um imóvel na planta, chegou ao post certo! Vamos apresentar aqui algumas das principais características dessa modalidade de compra para ajudá-lo a se decidir. Confira!

Quais as principais vantagens de comprar na planta?

Comprar um imóvel na planta tem vantagens que podem ser muito boas comparadas à compra de um imóvel pronto. Conheça agora mesmo algumas delas!

Valor

Como dissemos agorinha mesmo, ali na introdução, esse costuma ser o principal ponto considerado ao analisar a compra de um apartamento ainda na planta. Isso porque, quando comparamos o valor de um imóvel pronto com um que ainda será construído, fica claro que os valores tendem a ser menores quando o projeto ainda precisa sair do papel.

Personalização

Uma das grandes vantagens dessa opção é conseguir adaptar o imóvel a seus gostos e a suas necessidades. Você pode optar por colocar um piso ou azulejo diferente, incluir ou retirar bancadas e muito mais. Às vezes, é possível até mudar a configuração dos cômodos! Comprando um imóvel pronto, por outro lado, caso deseje fazer essas adaptações, precisará fazer uma reforma — o que pode levar mais tempo e custar mais caro.

Instalações

Ao comprar um apartamento na planta, você tem a certeza de que as instalações são novas e os produtos usados também. Isso, por si só, já é uma excelente vantagem! Em alguns casos, dependendo da construtora, você pode até conseguir uma garantia para casos de vazamentos ou problemas nas instalações elétricas.

Como comprar um imóvel na planta?

Comprar um imóvel na planta realmente é um ótimo negócio se analisarmos algumas questões, como o valor a ser pago, a disponibilidade de recursos e de tempo para reformas, o desejo de possuir um imóvel que nunca foi habitado e por aí vai. São diversas as questões que devem ser avaliadas de acordo com suas necessidades. No entanto, para realmente acertar na escolha, vale a pena ficar atento a algumas dicas. Veja só!

Conheça a região onde o imóvel está localizado

Acredite: o reconhecimento da vizinhança pode te dar a tranquilidade necessária na hora de fechar o contrato. Visite o local da obra em horários diferentes para avaliar a movimentação do bairro em diversos períodos. Essa é uma boa hora para analisar, por exemplo, possíveis problemas com barulho ou trânsito em excesso.

Se possível, pergunte aos moradores da região sobre violência por ali e avalie a quantidade de serviços disponíveis nos entornos, como agências bancárias, pontos de transporte coletivo, farmácias e padarias. Por fim, faça uma pesquisa sobre a perspectiva de valorização da área. A construção de novas avenidas ou a instalação de grandes empresas no bairro, por exemplo, podem impactar (positiva ou negativamente) o valor do seu patrimônio no futuro.

Cheque a confiabilidade da construtora

Um dos maiores receios de quem compra imóveis na planta é ter que lidar com construtoras mal-intencionadas ou incompetentes, que acabarão atrasando a obra. Para evitar essa dor de cabeça, consulte órgãos de proteção do consumidor para checar reclamações passadas sobre a empresa e faça também uma consulta jurídica para descobrir se há processos em andamento contra ela.

Ainda vale a pena procurar moradores de outros empreendimentos construídos pela empresa, perguntando se tiveram que enfrentar problemas de atrasos ou cobranças indevidas, por exemplo. Essa é uma oportunidade de ouro para receber impressões sobre a qualidade de construção e da entrega diretamente de quem já passou por essa fase.

Registre cada etapa da transação

Tenha documentada cada etapa de compra do imóvel na planta. Guarde até os panfletos de divulgação do empreendimento, aqueles que mostram o número de quartos e a estrutura geral do edifício. Também tenha registradas as tratativas com a construtora ou com corretores. A recomendação aqui é uma só: seja em uma pasta física ou em um arquivo virtual, guarde toda e qualquer movimentação relativa às etapas da negociação.

Por fim, lembre-se de só assinar o contrato depois do aval de um consultor especializado — de preferência, um advogado de sua confiança. Afinal de contas, como o contrato é sua principal fonte de garantias, deve ser muito bem analisado e, claro, arquivado!

Que cuidados tomar ao comprar um imóvel na planta?

Assim como existem vantagens em comprar um imóvel na planta, existem também alguns pontos que devem ser observados para evitar dores de cabeça posteriores. Entre os principais, podemos citar os seguintes:

Entrada

Quando você escolhe comprar um imóvel na planta, as construtoras normalmente pedem que até 30% do valor total seja pago como entrada. Esse montante pode ser parcelado durante o período de construção, enquanto o restante é financiado ou até mesmo quitado no ato da entrega das chaves.

Reajuste

Você precisa estar ciente de que as parcelas durante o período de construção sofrerão reajustes com base no Índice Nacional do Custo da Construção (INCC). Além disso, se optar por um financiamento, ainda precisará lidar com juros.

Atrasos

A entrega das chaves pode sim atrasar. Mas não se preocupe! Existem alguns direitos que você pode requerer caso isso realmente aconteça. É possível, inclusive, redigir um contrato que preveja multas à construtora em caso de descumprimento do prazo combinado ou, por outro lado, incluir situações em que o adiamento da entrega pode ser aceitável.

A própria legislação brasileira protege quem compra um imóvel na planta contra atrasos. Além da multa contratual, é possível mover um processo por danos morais e materiais. Ainda dá para pedir a correção monetária do preço do imóvel, que, em vez de ser ajustado pelo INCC, passa a ser corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que é mais amigável.

Por fim, vale lembrar que problemas com entradas, correções e juros excessivos podem ser evitados caso você opte por um consórcio. Nessa modalidade, você pode escolher um crédito menor, com parcelas que caibam no seu bolso, e só realizar a assinatura do contrato quando já tiver a carta de crédito em mãos. É possível, assim, comprar um imóvel na planta sem criar novas dívidas!

Só não se esqueça de consultar a administradora do consórcio no caso de aquisição de um imóvel na planta usando a carta de crédito, já que existem regras específicas para cada tipo de compra no consórcio de imóveis, ok?

Agora que você já sabe como comprar um imóvel na planta, aproveite para conhecer 5 situações em que contratar um consórcio vale a pena!

 

Comentários