análise de crédito em consórcio

Entenda como funciona a análise de crédito em consórcio

Junho 2019

2 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Os consórcios são uma ótima maneira de adquirir bens de maneira planejada e sem precisar pagar altas taxas de juros, comuns aos financiamentos. Por meio do pagamento de parcelas mensais, o consorciado recebe no momento da contemplação a carta de crédito, instrumento financeiro que permite a compra do bem desejado.

Todavia, após a contemplação é preciso uma avaliação cadastral para que a carta de crédito seja liberada. Por isso, o objetivo deste post é explicar para que serve e como funciona a análise de crédito em consórcio. Acompanhe!

Para que serve e como funciona a análise de crédito em consórcio?

Para aderir a um consórcio e fazer parte de um grupo, não é necessário passar por nenhuma avaliação prévia. Basta seguir o que pede a administradora para começar a pagar as prestações mensais, que no futuro darão direito a carta de crédito.

A concessão da carta de crédito depende da contemplação, que pode se dar tanto por sorteio quanto por lances, que funcionam como uma espécie de antecipação do pagamento das parcelas que ainda não venceram. Esses procedimentos acontecem nas assembleias, nas quais todos os consorciados com as suas obrigações em dia participam.

A partir do momento em que é contemplado, o consorciado tem direito a usar sua carta de crédito, de acordo com o valor estipulado e a categoria do bem a qual o consórcio de que ele faz parte pertence. Além disso, é preciso passar por uma análise de crédito.

Essa análise ajuda a garantir a segurança jurídica da operação a manutenção da saúde financeira do grupo do consórcio. Como mesmo de contemplado o consorciado deve continuar pagando as prestações, a administradora tem que ter certeza de que ele tem a capacidade de honrar os compromissos até o final. 

Quais são os documentos exigidos?

Os documentos exigidos podem variar de acordo com a política da empresa e a categoria do consórcio. Contudo, são necessários aqueles que servem para a verificação de dados pessoais do contemplado, comprovante de renda e a eventual apresentação de garantias. Listamos abaixo os principais documentos exigidos:

  • Documentos de identificação pessoal, como RG, CNH, CPF;
  • comprovantes de residência;
  • comprovantes de renda, como holerites, extratos bancários ou declaração do imposto de renda;

O ideal é que o consorciado envie todos os documentos de uma vez, para acelerar a análise. No entanto, nada impede que a administradora exija outros documentos, para complementar a avaliação. 

O que acontece se o consorciado for reprovado?

No caso de reprovação de análise de crédito, o consorciado não perde o direito à carta de crédito. Por outro lado, ele precisa verificar o que levou à reprovação, regularizar a sua situação e solicitar uma nova análise dentro do prazo estipulado, o que muda de acordo com os regulamentos da administradora. Além disso, é comum que as empresas ofereçam alternativas para clientes que esbarrarem com esse problema.

Embora pareça apenas um processo burocrático, a análise de crédito em consórcio é um passo essencial, para que todos os envolvidos no negócio estejam respaldados e não tenham problemas futuros.

Quer saber mais sobre consórcios? Entre em contato com a Rodobens. Nossa equipe está preparada para responder suas dúvidas e apresentar as melhores opções.

Comentários