As vantagens e desvantagens de comprar uma carta contemplada

Junho 2017

5 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

A princípio, a ideia de ingressar em um consórcio já contemplado pode parecer bastante atrativa para muitas pessoas. Afinal, além de contar com vantagens na hora da negociação, não é necessário esperar até o sorteio nem dar lances para adquirir o bem desejado!

Mas você já parou para pensar nas desvantagens e até mesmo nos riscos que esse negócio pode representar? Se isso nunca passou por sua cabeça, continue lendo este post e conheça tanto o lado bom como o lado ruim de se comprar uma carta contemplada!

Antes de mais nada, o que é uma carta contemplada?

Uma carta contemplada nada mais é que o documento que o consorciado recebe quando é sorteado ou dá um lance vencedor em seu grupo de consórcio. Também chamado de carta de crédito, esse papel aparentemente simples é de extrema importância, pois é o que permite realizar a compra do bem ou a contratação do serviço desejado. Comprar uma carta nessas condições equivale, portanto, a pagar para entrar em um consórcio já no status de membro contemplado.

Na prática, é bem comum encontrar ofertas de carta contemplada por aí. E isso pode acontecer pelos mais diversos motivos, desde perda de interesse pelo bem durante o plano até uma mudança na situação financeira do consorciado. Existem ainda aquelas empresas que negociam cartas de crédito contempladas, lucrando em cima do ágio.

Ficou perdido quando falamos em ágio? Vamos explicar. Suponha que um consorciado pagou, por exemplo, 20 parcelas de mil reais até a contemplação e recebeu uma carta de crédito no valor de 200 mil reais. Quando resolve vender sua carta contemplada, cobra um preço maior que o que pagou. Essa diferença é chamada de ágio. Assim, como já há 20 mil reais pagos, se a carta for vendida por 25 mil, o ágio será de 5 mil.

Vale ressaltar aqui que, além de pagar o valor pedido pelo vendedor, quem compra uma carta de crédito contemplada ainda deve assumir seu lugar no grupo, dando seguimento ao pagamento das parcelas restantes.

Quais as vantagens de entrar em um consórcio contemplado?

Muita gente paga mais caro por um financiamento ou empréstimo por precisar do bem com certa urgência, já que, no consórcio, é preciso esperar pela contemplação. Assim, como dissemos lá no começo, a grande vantagem de comprar uma carta contemplada é poder ter acesso ao bem ou serviço desejado imediatamente.

A carta de crédito também oferece um grande poder de negociação, já que funciona como uma modalidade de pagamento à vista. Por isso, pode ser uma ótima ideia para quem encontrou uma boa oportunidade de negócio e não quer correr o risco de perdê-la.

Imagine que você tem 50 mil reais em mãos. Se comprar uma carta contemplada no valor de 300 mil, já pagou pelo crédito, podendo usá-lo como quiser, desde que dentro das normas do consórcio. Encontrou um imóvel que está abaixo do preço de mercado e quer aproveitar? Ótimo! Nesse caso, você desembolsa apenas 50 mil e paga à vista! Depois, basta honrar as parcelas do consórcio, com calma e tranquilidade.

Existem desvantagens nesse negócio?

Mas nem tudo é vantagem na hora de comprar uma carta contemplada, viu? Na verdade, existem diversos riscos e pontos negativos que devem ser avaliados antes de fechar esse negócio. Acompanhe para entender!

A mudança de titularidade

O primeiro possível risco diz respeito à titularidade do consórcio. Será que você pode assumir essa titularidade? Isso porque a decisão de aceitar a alteração do responsável pela cota é da administradora e não das partes. Como ela avalia o cadastro, a capacidade de pagamento e o perfil do membro antes da concessão do crédito, você também terá que passar por essa análise. É preciso se certificar de que será aceito!

Os riscos de golpes

Além disso, não é incomum ouvir relatos de golpes aplicados na venda de cotas contempladas. Acredite: há muita gente de má-fé que oferece documentos inválidos por diversos motivos, como:

  • com a contemplação cancelada por falta de pagamento;
  • pertencente a um grupo que não existe mais;
  • sem contemplação verdadeira, mas uma cota comum;
  • falsificada, sem nenhum valor.

É preciso tomar muito cuidado antes de fechar esse tipo de negócio, a fim de garantir que o grupo realmente existe e que a carta corresponde de fato ao que está sendo oferecido. Dessa forma, você evita entrar em um negócio ruim, levando gato por lebre.

O ágio cobrado pela contemplação

Além dos riscos que acabamos de citar, o ágio pode pesar muito na hora da compra. Em geral, cobra-se cerca de 30% a mais que o valor efetivamente pago. Por isso, é preciso colocar os valores na ponta do lápis para descobrir se a compra vale mesmo a pena.

A possibilidade de um melhor investimento

Adquirir uma carta contemplada em reta final de consórcio também pode não ser um bom negócio, já que será preciso desembolsar um valor muito alto pelo crédito. Muitas vezes, vale mais a pena apostar em uma cota própria, oferecendo o montante que já está disponível como lance para aumentar suas chances de ser contemplado.

Que cuidados tomar ao comprar uma carta contemplada?

Avaliando as diversas possibilidades de cair em armadilhas, você já percebeu que esse é um negócio que exige cautela, não é mesmo? Portanto, nada de ter pressa e agir sem pensar, sem pesquisar todos os detalhes da negociação. Para ajudar, listamos uma série de cuidados que podem reduzir as chances de problemas na compra de uma carta contemplada. Tome nota para não esquecer nenhum detalhe!

Calcule o ágio

Quando receber uma oferta muito tentadora, pare para calcular quanto vai pagar de ágio. Entenda: quanto maior for o número de parcelas já quitadas, mais isso vai pesar no seu bolso. Portanto, faça as contas! Será mesmo que entrar em um grupo novo não é mais prático e vantajoso?

Se você tiver de 30% a 50% do valor do crédito, pode dar um lance vencedor, por exemplo. Talvez seja melhor investir na compra de uma cota própria para tentar ser contemplado dessa forma. Fazendo essa escolha, afinal, você economiza por não pagar ágio a nenhum vendedor.

Pesquise a administradora

Outro ponto fundamental é avaliar a administradora, pesquisando sobre sua reputação e autorização para funcionar. Saiba: o Banco Central é quem regulamenta o setor e decide quais empresas podem ou não atuar no mercado de consórcios.

Avalie também o índice de reclamações que ela tem em redes sociais, sites especializados, no Procon e em outros órgãos de defesa do consumidor. Se forem muitos registros, isso pode indicar que os consorciados têm problemas para receber seu crédito, por exemplo.

O ideal é aceitar cartas contempladas apenas de administradoras conhecidas e consolidadas no mercado. Isso sim é um investimento seguro!

Consulte o grupo e a contemplação

Mesmo que seja uma das melhores administradoras do mercado, conceituada e tradicional, você não sabe se o grupo existe e se a cota está ativa, não é mesmo? Por isso, peça informações ao vendedor e vá diretamente à empresa saber se:

  • o contrato é original;
  • o grupo está ativo;
  • a cota está mesmo contemplada;
  • o crédito oferecido e o valor pago correspondem ao informado.

Feche negócio na sede da administradora

Não pague nenhum valor (integral ou mesmo a título de sinal) sem antes consultar a administradora. O ideal é se dirigir à sede local e não a revendedores ou corretoras, já com sua documentação em mãos, garantindo assim a aprovação do cadastro para a transferência da titularidade.

Só depois de seguir todos esses passos você pode efetivamente concretizar a comprar e se considerar um consorciado contemplado! O ideal é colocar na balança prós e contras antes de tomar uma decisão. Na dúvida, procure uma administradora de consórcios de confiança e inicie sua própria cota, nas condições e nos valores que deseja.

Gostou das dicas de hoje? Assine a nossa newsletter para receber periodicamente os melhores e mais completos conteúdos sobre consórcios e outros temas que o ajudarão a construir seu patrimônio e garantir segurança financeira para toda a família!

 

Comentários