Preparar-se para o futuro é uma decisão inteligente que todo mundo deve tomar. Em vez de gastar todo o salário, é melhor reservar uma parte dele para investir. Mas, para que seus planos funcionem, você deve saber como definir metas financeiras do jeito certo.

    Primeiro, observe seu orçamento. Se você começar separando mais do que poderia, em pouco tempo vai fugir do planejado. Além disso, para aproveitar o dinheiro da melhor forma possível, é preciso saber para onde direcioná-lo.

    Veja, de forma simples e prática, como definir suas metas financeiras, se organizar direitinho e conquistar todos os seus sonhos!

    Defina o quanto pode separar para investir

    Independentemente de quanto você ganha, sempre dá para separar um dinheirinho pensando no futuro. Para descobrir o valor ideal, faça as contas, priorizando o pagamento das dívidas e dos compromissos mensais. Se está com contas atrasadas, quite todas elas primeiro. Os juros sempre são muito altos e boicotam seus planos.

    Com todas as contas pagas, defina uma parcela para guardar. O ideal é algo entre 10% e 30% do salário, dependendo da folga que tiver no orçamento. Quanto mais, melhor! Isso vai acelerar a conquista dos objetivos.

    Caso receba um extra — do décimo terceiro, férias ou Imposto de Renda — não pense em gastá-lo de imediato: aproveite para guardá-lo também!

    Construa uma reserva de emergência

    O primeiro passo com o dinheiro economizado é construir uma reserva de segurança. Ela não deve ser usada, a não ser em casos extremos. Guarde o equivalente a três ou seis vezes sua renda. Assim, se ficar desempregado ou tiver um problema de saúde mais sério, você tem como se manter até as coisas voltarem ao normal.

    Conserve esse dinheiro em uma aplicação segura e acessível (sem bloqueios bancários ou prazo de carência para resgate), mesmo que não renda muito. Em um momento de urgência, você pode recorrer a ele sem demora.

    Tenha objetivos de médio, curto e longo prazo

    Quando estiver economizando, surgirão sempre novas necessidades — desde um remédio para gripe até o conserto de um eletrodoméstico. Para evitar que essas demandas atrapalhem seus planos, separe o dinheiro reservado em três partes.

    Objetivos de curto prazo

    Sabe aqueles mais simples, como passar um fim de semana na praia, comprar um notebook ou trocar de celular? Devem estar aqui. São coisas que você pode conquistar com cerca de seis meses a um ano de economia, dependendo do quanto vai guardar. Direcione entre 10% a 20% da quantia para planos de curto prazo. 

    Mas se surgirem necessidades imediatas, use esse dinheiro para atendê-las, combinado? Assim, fica mais fácil retomar seus planos depois.

    Objetivos de médio prazo

    Entra aqui tudo que for levar dois anos ou um pouco mais para conquistar. Os objetivos de médio prazo tomam cerca de 30% da sua reserva. Um intercâmbio, procedimento cirúrgico estético ou uma viagem ao exterior são alguns exemplos. Não é algo que se conquiste da noite para o dia, exigindo um pouco de planejamento.

    Objetivos de longo prazo

    São aqueles que você vai demorar mais tempo para conquistar, como um carro ou a casa própria. Separe a maior parte da sua reserva para esses planos — cerca de 50% a 60% — pois aqui está tudo o que é importante para seu futuro.

    Revise suas metas e o uso do dinheiro

    De tempos em tempo, reveja as metas. Terminou de pagar um crediário? Vai sobrar mais dinheiro. De preferência, converta isso em economia. Faça o mesmo se receber uma promoção no trabalho, com aumento de salário.

    Também analise se está usando seu dinheiro da melhor forma. Pare para pensar se não está gastando demais com saídas no fim de semana ou comendo com muita frequência em restaurantes. Esses custos tiram você do foco, portanto devem ser bem controlados.

    Agora você já sabe exatamente como definir metas financeiras de forma inteligente! Aproveite as dicas e tome as rédeas da sua vida financeira. 

    Quais são seus planos para o futuro? Deixe um comentário e compartilhe seus objetivos com a gente!