Como juntar dinheiro para fazer um consórcio de carro

agosto 2019

11 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

O consórcio de carro é uma excelente opção para quem busca parcelas mais baratas e não quer arcar com os juros altos cobrados nos financiamentos. Pode acreditar: com sabedoria e paciência, quem se planeja antecipadamente consegue conquistar o carro desejado gastando menos e com muito mais controle sobre as finanças!

E foi para ajudá-lo a seguir esse caminho que decidimos preparar este post! Nos próximos tópicos, vamos explicar melhor como fazer um consórcio, aproveitando para dar dicas de como juntar dinheiro para comprar seu carro. Confira!

O que é exatamente um consórcio?

Um consórcio consiste na formação de um grupo de pessoas que se une para juntar dinheiro e alcançar um objetivo em comum. Com todos pagando uma parcela mensal, ao menos um membro do grupo é contemplado a cada mês com a carta de crédito, documento que dá direito a comprar o bem desejado.

Como funciona um consórcio de carro?

Para organizar o grupo e escolher uma aplicação para rentabilizar o dinheiro, é preciso contar com a imparcialidade. É a administradora do consórcio que cumpre esse papel, providenciando as assembleias — reuniões mensais com os consorciados. Nas assembleias, acontecem os sorteios, que determinam quem vai receber a carta de crédito naquele mês.

Como você pode ver, quem participa de um grupo de consórcio não sabe quando vai receber a carta. Pode ser a qualquer momento, entre o primeiro e o último mês. Por isso, é importante se planejar para:

  • esperar sua contemplação;

  • oferecer lances, caso queira;

  • pagar as parcelas em dia;

  • arcar com as despesas da documentação do bem.

Então, saiba desde já: é excelente comprar um carro por meio de um consórcio, mas, se você não deixar seu orçamento redondinho, pode não conseguir conquistar seu sonho!

Como funcionam os lances?

Outra forma de ser contemplado no consórcio é dando lances. Nesse caso, quem faz a maior oferta sai vitorioso. Assim, todos os participantes têm as mesmas chances de conseguir sua carta de crédito. Existem 4 tipos de lances:

  1. lances livres: os consorciados ficam livres para escolher qualquer valor de lance, mas acima de 1% do total a ser pago, vencendo aquele que der o maior lance percentual, independentemente do valor bruto;

  2. lances fixos: nesse tipo, as administradoras já estabelecem o percentual necessário para participar (geralmente entre 20% e 50%), e já que todos oferecem o mesmo percentual, há um sorteio para o desempate;

  3. lance embutido ou facilitado: aqui, é possível usar sua própria carta de crédito para efetuar lances, aumentando suas chances de ganhar por percentual ofertado, sendo o valor abatido no momento do recebimento da carta de crédito;

  4. lance automático: ocorre quando você adianta o pagamento de parcelas, sendo considerado um tipo de lance. O percentual do valor adiantado é calculado com base no montante restante.

A vantagem é que, ao oferecer um lance, você só é obrigado a pagá-lo se ganhar e quiser retirar sua carta de crédito. Caso você ganhe e ache que ainda não tem condições de dar andamento ao processo, pode desistir do lance. Nesse caso, a carta vai para o segundo lugar.

Como dar um bom lance?

Para se sair bem nessa estratégia, você primeiramente deve ir às assembleias para descobrir qual é a média dos valores oferecidos — principalmente por quem ganha, claro. Conversar com ganhadores também pode ser uma opção para descobrir e entender a estratégia que usaram.

Lembre-se de que o período também impacta os valores praticados. No fim do ano, por exemplo, é normal que a competição fique mais acirrada, afinal, é a época em que os participantes ganham o décimo terceiro. Meses festivos ou aqueles em que há muitos impostos, como janeiro, fevereiro e março, são geralmente os mais fracos.

O que você tem que entender, desde já, é que nada vai garantir que seu lance saia vencedor. No entanto, conhecer as regras do jogo e insistir a cada mês é um bom começo para obter sucesso.

Como juntar dinheiro para o consórcio?

Vamos agora a algumas dicas para que você consiga organizar melhor seu orçamento, eventualmente comprando seu carro por meio de um consórcio!

Registre todas as suas despesas

Antes de mais nada, anote todos os seus gastos, por menores que sejam. Nesse caso, o que menos importa é como você vai fazer isso. Prefere uma planilha eletrônica? Sente-se bem anotando tudo em um caderninho? A decisão é sua! O que é realmente fundamental é registrar absolutamente todas as suas despesas para analisá-las com cuidado. Esse registro financeiro é necessário porque você precisa:

  • entender para onde está indo seu dinheiro;

  • decidir quais hábitos estão causando desperdício;

  • elencar as mudanças necessárias para economizar.

Para facilitar a organização desse controle das suas despesas, separe todos os seus gastos em duas categorias: os fixos e os variáveis. Isso ajuda a não faltar dinheiro para aquelas despesas indispensáveis e a reduzir os valores dos gastos que mudam de tamanho a cada mês.

Entre os gastos fixos mais comuns, estão o aluguel (para quem não mora em imóvel próprio) e as despesas com alimentação, saúde, contas de água, luz, telefone, transporte e educação. Nos gastos variáveis, podem ser incluídas as despesas com vestuário, lazer, entretenimento e eventuais imprevistos.

Todavia, antes de começar a pensar em juntar dinheiro, porém, vem um ponto importante: você tem contas a pagar? Encare-as como prioridade!

Quite todas as suas dívidas

As dívidas pesam no orçamento, fazendo com que uma renda que poderia manter as finanças equilibradas seja insuficiente para cobrir os gastos mensais. Além disso, quando for contemplado no consórcio, seja por sorteio ou por lance, você precisará estar com o nome limpo para receber a carta de crédito e partir para a conquista do seu carro novo.

Essa é uma medida que vale para todos os consorciados, já que apenas mantendo seu compromisso de pagamento (mesmo depois da contemplação) é que os outros participantes também poderão receber sua parte.

Então comece a quitar contas, principalmente aquelas que estiverem em atraso e as que tiverem juros maiores, como cartão de crédito e cheque especial. Depois dessa fase, é hora de começar a reunir o dinheiro extra que vai permitir a aquisição do consórcio de carro.

Uma estratégia factível para lidar com as contas em atraso envolve o processo de trocar as dívidas caras por outras mais baratas, o que é muito útil para quem deve no cheque especial ou no cartão de crédito. 

Para que isso funcione, procure linhas de crédito com juros mais em conta e, com o dinheiro emprestado, quite os débitos em aberto. A partir de então, basta assumir a responsabilidade pelo crédito contratado para, assim, ficar livre das dívidas.

Prepare seu orçamento mensal

Sabe qual é a melhor forma de controlar seus gastos? Preparar um planejamento com base no seu orçamento do mês. Avalie as contas que você precisa pagar (água, energia, aluguel, compras no supermercado, entre outras) e o quanto de dinheiro deve sobrar.

É importante definir o montante que você vai guardar mensalmente, incluindo esse valor no rol de obrigações. Dessa forma, você consegue manter o objetivo de juntar dinheiro e ainda se prepara para o compromisso com a parcela do consórcio. Depois desse passo, é hora de pensar: onde vou guardar esse saldo?

Abra uma conta para suas economias

Pode ser uma poupança, um fundo de investimento ou outra aplicação financeira. Nesse momento, a rentabilidade não é o fator primordial. Lembre-se de que você não vai deixar o dinheiro aplicado por muito tempo e que, em prazos curtos, só é possível ter rentabilidade maior em investimentos de alto risco.

Tenha em mente: para quem está começando a guardar dinheiro, o mais importante é escolher uma opção que ofereça:

  • segurança, com rentabilidade garantida;

  • liquidez, com possibilidade de resgate do investimento a qualquer momento.

A parcela mensal que você se comprometeu a guardar vai para essa aplicação. E se você receber algum valor extra, como férias, restituição do imposto de renda ou bonificação, por exemplo, não pense duas vezes: mande-o diretamente para a poupança, antes de cair na tentação de gastá-lo!

Evite comprar por impulso

Compras planejadas são grandes aliadas da disciplina financeira. Afinal, resistindo ao impulso de comprar sem pensar, você não corre riscos de cair em falsas promoções, que não oferecem nenhuma vantagem real, ou de se arrepender por adquirir algo que não era necessário ou mesmo útil para você naquele momento.

Além disso, comprar só de forma planejada nos leva a uma avaliação importante: isso realmente vai fazer diferença na minha vida? Procure sempre pensar com cuidado sobre suas compras. Pesquise preços, busque descontos e adquira somente o que for necessário. Acredite: isso pode transformar sua vida financeira!

Planeje suas idas ao supermercado

Os gastos com alimentação estão entre os principais de qualquer família. Logo, planejar as idas ao supermercado pode gerar uma economia considerável. Para isso, siga alguns passos simples. 

O primeiro deles envolve decidir qual será o cardápio da semana e, a partir disso, montar uma lista de compras. Com isso em mãos, fica mais fácil manter o foco do que é realmente necessário colocar no carrinho.

Outra dica envolve procurar pelos dias em que os mercados realizam promoções. É normal que, em alguns dias da semana, sejam praticados preços menores em frutas, legumes e hortaliças e, em outros, carnes. Aproveitar os produtos da estação também ajuda a gastar menos na hora de encher a sacola. No entanto, tome cuidado com esses descontos, para não levar para casa mais produtos do que a sua capacidade de consumo, o que evita desperdícios. 

Procure comprar à vista e com dinheiro

Evite usar o cartão de crédito. Esse recurso faz você pensar que ainda pode comprar, quando, na verdade, o orçamento já estourou faz tempo. Se tiver que usá-lo, não se esqueça de fazer um controle do que anda comprando, a fim de garantir que vai conseguir pagar a fatura integralmente no próximo mês.

O cheque especial pede atenção redobrada. Com aquele saldo extra na conta, você acaba tendo a ideia de que ele faz parte da sua renda. Mas esse é um engano gravíssimo! Lembre-se de que você paga taxas de juros e tarifas exorbitantes sempre que usa esse crédito.

Por fim, vem o cartão de débito, que traz comodidade, mas também pode ser perigoso, se você não controlar seus gastos. Por isso, o ideal mesmo é dar preferência ao dinheiro vivo. Por achar que dói mais quando as notinhas saem do bolso, fica mais fácil controlar a vontade de gastar.

Evite parcelamentos

Essa dica tem relação com a anterior. Os parcelamentos, ainda mais quando são feitos, em tese, sem a cobrança de juros, são muito tentadores, já que permitem a aquisição de diversos produtos pagando bem pouco por mês. Contudo, o que aparenta ser uma comodidade pode se transformar numa armadilha se não forem tomados os devidos cuidados.

Antes de fazer um parcelamento, avalie a necessidade de adquirir aquele produto. Caso ele seja indispensável e não haja possibilidade de efetuar o pagamento à vista, opte pelo menor número de parcelas possível, calculando o peso delas em seu orçamento e analisando os juros cobrados, se houverem.

Não tenha vergonha de pedir descontos

Com o pagamento à vista, além de evitar os problemas envolvendo os parcelamentos, você ganha o poder de barganha junto ao comerciante e pode pedir descontos, barateando o custo do produto desejado.

Para a sua pechincha obter sucesso, além de sempre pagar em dinheiro vivo, ajuda se você fizer uma boa pesquisa de preços nos concorrentes, já que esse pode ser um ótimo argumento junto ao vendedor. Além disso, deixe a vergonha de lado e lembre-se sempre de ser gentil.

Faça suas refeições em casa

Via de regra, comer fora é bem mais caro que fazer compras no supermercado. Se você come um pouco mais ou bebe algo para acompanhar, o total acaba pesando bastante no bolso. Prefira, então, fazer suas refeições em casa, deixando para comer na rua somente em datas especiais.

E o melhor é que, tomando essa decisão, você ainda ganha de presente uma alimentação mais saudável, pois garante a qualidade dos ingredientes e do modo de preparo. O resultado? Conta mais rechonchuda e corpo mais esbelto!

Opte por atividades de lazer mais em conta

Não é porque você está economizando que deve abrir mão do lazer. Ter momentos de diversão é fundamental para uma vida saudável. Entretanto, dá para gastar menos com esse quesito.

Procure opções de lazer gratuitas, como visitas a parques, museus e exposições. Na hora de confraternizar com os amigos, prefira sempre a casa de alguém, em vez de bares restaurantes. Na hora de ver um filme, prefira serviços de streaming, geralmente mais baratos que os planos de TV a cabo.

Procure por fontes de renda extra

Que tal transformar aquele talento incrível ou habilidade especial em uma fonte de renda a mais para ajudar a juntar o dinheiro necessário? Identifique quais são seus horários livres, avalie o que você pode oferecer em troca de dinheiro e coloque a mão na massa para atrair os potenciais clientes.

Mas o que pode gerar um dinheiro extra para seu objetivo? Nessa hora, use e abuse da sua criatividade e do que você sabe fazer de melhor: aulas de reforço escolar, de idiomas, de música, cozinhar e vender quitutes estão entre as opções mais populares.

Quanto do orçamento deve ser reservado para um consórcio?

Seu sonho do carro novo pode ser grande, mas o preço pago por isso precisa caber no seu bolso. Portanto, é importante entender quanto do seu orçamento deve ser dedicado a um consórcio de carro.

Procure um consórcio com prestações menores, que envolva produtos e serviços mais baratos e com prazos mais longos. Lembre-se também de que não é somente o valor do bem que entra na conta das parcelas. Normalmente, a prestação é composta por:

  • fundo comum: é o montante usado para a compra do bem;

  • seguro: cobre situações de inadimplência ou falecimento de consorciados;

  • taxa de administração: remunera a empresa organizadora do consórcio;

  • fundo de reserva: valor usado em casos de emergência, que geralmente gira em torno de 5% do valor do bem. Esse valor não é cobrado por todas as administradoras.

Confira o cálculo na seguinte situação hipotética, considerando que o consórcio tenha sido feito em uma administradora que pratique a cobrança do fundo de reserva.

  • valor do bem: 25 mil reais

  • duração do grupo: 50 meses

  • destinado ao fundo comum: 100% / 50 meses = 2% ao mês = 500 reais

  • taxa de administração: 10% / 50 meses = 0,2% ao mês = 50 reais

  • fundo de reserva: 5% / 50 meses = 0,1% ao mês = 25 reais

  • valor da prestação = 2,3% ao mês = 575 reais mensais

É preciso verificar também se é necessário pagar uma taxa de adesão, permitida por lei. Não são todas as administradoras que cobram, mas é melhor se certificar.

E se você for contemplado?

Por fim, é preciso estar preparado para o momento em que for contemplado. Afinal, ao conquistar sua carta de crédito e comprar o tão sonhado veículo, ele vai exigir de você alguns cuidados.

A partir desse momento, você deve reservar no seu orçamento um espaço para pagar o seguro do carro, por exemplo, que se somará ao valor das prestações do consórcio que você terá que continuar pagando. Além disso, é preciso contabilizar aquelas despesas normais que todo carro demanda, como impostos e combustível.

Não se esqueça desses detalhes para não ficar no vermelho ao ser contemplado, conseguindo assim aproveitar seu carrinho sem dores de cabeça!

Agora você sabe como fazer um consórcio e percebeu que poupar dinheiro não é uma tarefa impossível se repensar seus gastos com cuidado. É essa economia que vai trazer a oportunidade de adquirir seu consórcio de carro e pagar menos do que gastaria em um financiamento pelo seu veículo tão desejado.

Agora é partir para a conquista do carro novo! Faça uma simulação de consórcio e descubra como seu sonho em 4 rodas está mais próximo do que você imagina!

Faça aqui sua simulação de consórcio da Rodobens!

 

Nova chamada à ação

Comentários