Como limpar o nome: conheça as 7 melhores estratégias

junho 2019

5 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Muita gente não sabe como limpar o nome de forma definitiva e se livrar de vez da dor de cabeça que essa situação traz. Pense bem: pessoas com nome sujo não podem ter crédito. Logo, não conseguem sequer tomar empréstimos ou usar cartões de crédito.

E vai dizer que, de vez em quando, não costuma aparecer alguém prometendo limpar seus dados de SPC e SERASA sem você precisar pagar as dívidas que causaram o problema? Acredite: não existe uma forma de fazer isso. Então, corra dessa tentativa de fraude! A melhor saída é mesmo se organizar e pensar na forma mais fácil de quitar as dívidas em aberto.

Quer saber como ser bem-sucedido nessa missão? Fique de olho nas 7 dicas que preparamos para este post!

1. Conheça o tamanho das suas dívidas

O primeiro passo para quitar seus débitos e com isso ver o nome excluído das listas dos serviços de proteção ao crédito é conhecer a real dimensão das suas dívidas. Por isso, liste todas as contas em atraso, incluindo os valores atuais, as multas e os juros. Não se esqueça de verificar também qual é o tempo de atraso de cada conta.

Além das dívidas das quais você está ciente que estão em atraso, é preciso verificar se não há nenhuma conta pendente por puro esquecimento. É comum que, após uma mudança de casa, a pessoa esqueça de contas, como as de luz, água e telefone do endereço antigo, e as deixe sem pagar. Isso também gera débitos que fazem com que o nome da pessoa seja incluído nos serviços de proteção ao crédito.

Algumas das empresas que mantêm os cadastros de devedores disponibilizam formas de consulta gratuitas para que o consumidor saiba se está devendo e que é o credor da dívida. Um dos exemplos desses serviços é o da SERASA, acessado mediante cadastro.

E é sempre bom lembrar que a inclusão na lista de devedores nunca é feita sem a comunicação prévia por parte da empresa. Todavia, após receber a notificação, o nome do consumidor é inserido no banco de dados em apenas 5 dias úteis se o débito continuar sem quitação.

2. Faça um planejamento mensal

Com as dívidas e o nome dos seus credores, é essencial começar um planejamento mensal das suas finanças. Você pode até pensar: mas como manter um planejamento mensal ajuda a limpar meu nome? A verdade é que você só vai conseguir renegociar seus débitos se tiver dinheiro sobrando.

Portanto, analise suas contas e veja o que pode estar desequilibrando seu orçamento. Se for preciso, reduza planos de telefonia, internet ou TV a cabo. Também confira quanto gasta com supermercado e todas as despesas do dia a dia para ver em que pontos pode economizar.

Portanto, se quiser pensar em limpar seu nome, não tem jeito: você deve conseguir fazer com que sobre um dinheirinho a cada mês. Procure reservar cerca de 10% do seu salário para negociar suas dívidas — se for possível guardar mais, melhor ainda!

3. Troque as dívidas

No jargão de quem lida com finanças, efetuar a troca de débitos é um processo chamado de consolidação de dívidas. Embora não pareça fazer muito sentido contrair uma nova dívida para quitar a anterior, essa estratégia é muito útil para quem tem dívidas com juros altos em aberto. Podemos mencionar os cartões de crédito e o cheque especial, apenas para citar as modalidades de crédito com as taxas mais altas no mercado.

Mas como fazer essa troca de dívidas? Para começar, é preciso ver se ainda existem linhas de crédito à sua disposição. Com o nome incluído nos serviços de proteção ao crédito, nem sempre será possível conseguir novos empréstimos em condições favoráveis. No entanto, em algumas condições, isso é possível. É o caso, por exemplo, de quem tem acesso ao crédito consignado.

De todo modo, para cumprir seu propósito, a nova linha de crédito deve ter juros menores que a da dívida. Pense que, em média, os juros do cartão chegam perto de 300% ao ano. Assim, é possível pagar os valores em atraso com o dinheiro emprestado, ter o seu nome limpo e ficar apenas com a responsabilidade do pagamento das parcelas do empréstimo.

4. Entre em contato com os credores

Se você tiver várias restrições ou alguma de valor mais alto, o melhor a fazer é parcelar essa conta. Para isso, entre em contato com as empresas às quais você deve e pergunte sobre:

  • o valor atualizado da dívida;

  • o total para pagamento à vista;

  • as opções de parcelamento;

  • os possíveis descontos para negociação.

Anote todas essas informações. A ordem de prioridade é você quem escolhe, mas é válido pensar em se livrar primeiro das contas:

  • menores, que já possam ser pagas de imediato;

  • mais atrativas, que ofereçam maior desconto para negociação;

  • mais adequadas a seu orçamento, com parcelas menores, por exemplo.

Lembre-se de que é importante não só conseguir novas condições de pagamento, como manter as conciliações de dívidas em dia.

5. Negocie suas dívidas

Quando você chega a um acordo com o credor, já no pagamento da primeira parcela, seu nome sai dos cadastros restritivos. Portanto, se você deve a, por exemplo, três empresas e consegue negociações com parcelas pequenas, pode fazer três acordos ao mesmo tempo! Se isso não for possível, faça como dissemos: quite de imediato o que for menor e vá fazendo novos acordos na sequência.

Caso seu nome esteja sujo graças a uma dívida mais alta, espere entrar um dinheiro extra, como o décimo terceiro salário ou o pagamento das férias, por exemplo. Junte essa receita a mais ao que já possui guardado para dar uma boa entrada e dividir o restante em parcelas.

6. Cumpra com o combinado

Sempre que fizer uma proposta durante a renegociação, não se esqueça de simular como vai ficar seu orçamento mensal e só aceite acordos quando tiver certeza de que não vai voltar a atrasar nos pagamentos.  Aceitar qualquer proposta apenas para se ver livre da dívida e ter seu nome limpo nunca é uma boa estratégia.

Sabe por quê? Se você perder a oportunidade, poderá não ter condições iguais para um novo parcelamento e talvez tenha que pagar mais juros. Além disso, seu nome vai voltar aos cadastros restritivos e passará a ter novamente todos os prejuízos causados por essa situação, como dificuldades para contratar crédito e abrir crediários no comércio. Ainda, você terá de ter que lidar com as dores de cabeça de estar com dívidas.

7. Passe a investir dinheiro

À medida que você consegue eliminar os débitos, o dinheiro que estava sendo usado para parcelas ficará livre, correto? Pois não o inclua nos seus gastos! Já que você sabe que pode separar esse valor sem prejudicar demais sua rotina, o melhor a fazer é começar a investir.

Ter um investimento seguro, que ajude a formar um patrimônio, vai ajudá-lo a evitar uma situação futura de endividamento. Assim, mesmo que, em alguma ocasião, haja uma emergência ou demissão na família, você poderá contar com o dinheiro que tem guardado, o que diminui (bastante) a dor de cabeça.

Agora que você sabe como limpar o nome na praça e que isso envolve planejamento financeiro e disciplina, que tal compartilhar o que achou das nossas dicas? Queremos saber! Deixe seu comentário e participe

Comentários