Quer saber como limpar o seu nome? Veja um passo a passo!

Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Muita gente não sabe como limpar o nome e se livrar de vez da dor de cabeça que essa situação traz. E faz todo sentido querer resolvê-la o quanto antes, já que pessoas com nome sujo não podem ter crédito. Logo, não conseguem sequer tomar empréstimos ou usar cartões de crédito. Já pensou no quanto isso atrasa a vida de uma pessoa hoje em dia?

De vez em quando, aparece alguém prometendo limpar seus dados do SPC e SERASA sem você precisar pagar as dívidas que causaram o problema? Acredite: não existe uma forma de fazer isso. Então, corra dessa tentativa de fraude! A melhor saída é mesmo se organizar e pensar na maneira mais fácil de quitar as dívidas em aberto.

Pode parecer praticamente impossível em um primeiro momento, mas não é. Confira as dicas que preparamos neste post e descubra um jeito seguro e confiável de limpar o nome sem problemas!

1. Conheça o tamanho das suas dívidas

O primeiro passo para quitar os seus débitos e, com isso, ver o nome excluído das listas dos serviços de proteção ao crédito é conhecer a real dimensão das suas dívidas. Por isso, liste todas as contas em atraso, incluindo os valores atuais, as multas e os juros. Não se esqueça de verificar, também, qual é o tempo de atraso de cada conta.

Além das dívidas de cujo atraso você está ciente, é preciso verificar se não há nenhuma conta pendente por puro esquecimento. É comum que, após uma mudança de casa, a pessoa se esqueça de contas do endereço antigo, como as de luz, água e telefone, e as deixe sem pagar.

Isso também gera débitos que fazem com que o nome seja incluído nos serviços de proteção ao crédito. Algumas das empresas que mantêm os cadastros de devedores disponibilizam formas de consulta gratuitas para que o consumidor saiba se está devendo e que é o credor da dívida. Um dos exemplos desses serviços é o da Serasa, acessado mediante cadastro.

E é sempre bom lembrar que a inclusão na lista de devedores nunca é feita sem a comunicação prévia por parte da empresa. Todavia, após receber a notificação, se o débito continuar sem quitação, o nome do consumidor é inserido no banco de dados em apenas cinco dias úteis.

2. Faça um planejamento mensal

Com as dívidas e o nome dos seus credores, é essencial começar um planejamento mensal das suas finanças. Você pode até pensar: mas como manter um planejamento mensal ajuda a limpar o nome? A verdade é que você só vai conseguir renegociar os seus débitos se tiver dinheiro sobrando.

Portanto, analise as contas e veja o que pode estar desequilibrando o seu orçamento. Se for preciso, reduza planos de telefonia, internet ou TV a cabo, por exemplo. Também confira quanto gasta com supermercado e todas as despesas do dia a dia, para ver em que pontos pode economizar.

Se quiser pensar em limpar o nome, não tem jeito: você deve conseguir fazer com que sobre um dinheirinho a cada mês. Procure reservar cerca de 10% do seu salário para negociar as suas dívidas — se for possível guardar mais, melhor ainda!

3. Troque as dívidas

No jargão de quem lida com finanças, efetuar a troca de débitos é um processo chamado de consolidação de dívidas. Embora não pareça fazer muito sentido contrair uma nova dívida para quitar a anterior, essa estratégia é muito útil para quem tem dívidas com juros altos em aberto.

Podemos mencionar os cartões de crédito e o cheque especial, que são as modalidades de crédito com as taxas mais altas no mercado. Mas como fazer essa troca de dívidas? Para começar, é preciso ver se ainda existem linhas de crédito à sua disposição.

Com o nome incluído nos serviços de proteção ao crédito, nem sempre será possível conseguir novos empréstimos em condições favoráveis. Em algumas situações, no entanto, isso é possível. É o caso, por exemplo, de quem tem acesso ao crédito consignado.

De todo modo, para cumprir seu propósito, a nova linha de crédito deve ter juros menores que os da dívida. Pense que, em média, os juros do cartão chegam perto de 300% ao ano. Assim, é possível pagar os valores em atraso com o dinheiro emprestado, limpar o nome e ficar apenas com a responsabilidade do pagamento das parcelas do empréstimo.

4. Entre em contato com os credores

Se você tiver várias restrições ou alguma de valor mais alto, o melhor a fazer é parcelar essa conta. Para isso, entre em contato com as empresas às quais deve e pergunte sobre:

  • o valor atualizado da dívida;
  • o total para pagamento à vista;
  • as opções de parcelamento;
  • os possíveis descontos para uma negociação.

Anote todas essas informações. A ordem de prioridade é você quem escolhe, mas é válido pensar em se livrar primeiro das contas:

  • menores, que já possam ser pagas de imediato;
  • mais atrativas, ou seja, que ofereçam maior desconto de negociação;
  • mais adequadas ao seu orçamento, com parcelas menores, por exemplo.

Lembre-se de que é importante não só conseguir novas condições de pagamento, mas manter as conciliações de dívidas em dia. Isso significa levar adiante o processo de negociação — e não iniciar o contato com o credor e, depois, sumir de novo.

5. Negocie as suas dívidas

Quando você chega a um acordo com o credor, já no pagamento da primeira parcela, seu nome sai dos cadastros restritivos. Portanto, se você deve a, por exemplo, três empresas e consegue negociações com parcelas pequenas, pode fazer três acordos ao mesmo tempo!

Se isso não for possível, faça como dissemos: quite de imediato o que for menor e vá realizando novos acordos na sequência. Caso seu nome esteja sujo graças a uma dívida mais alta, espere entrar um dinheiro extra, como o décimo terceiro salário ou o pagamento das férias. Junte essa receita a mais ao que já possui guardado para dar uma boa entrada e dividir o restante em parcelas.

6. Cumpra com o combinado

Sempre que fizer uma proposta durante a renegociação, não se esqueça de simular como vai ficar o seu orçamento mensal e só aceite acordos quando tiver certeza de que não vai voltar a atrasar os pagamentos.

Aceitar qualquer proposta apenas para se ver livre da dívida e ter como limpar o nome nunca é uma boa estratégia. Sabe por quê? Se você não cumprir com o acordado, poderá não ter condições iguais para um novo parcelamento e, talvez, tenha que pagar mais juros — sem contar que vai se indispor com a empresa credora.

Além disso, seu nome vai voltar aos cadastros restritivos e passará a ter novamente todos os prejuízos causados por essa situação, como dificuldades para contratar crédito e abrir crediários no comércio. Ainda, você vai ter que lidar com as dores de cabeça de estar com dívidas.

7. Passe a investir dinheiro

À medida que consegue eliminar os débitos, o dinheiro que estava sendo usado para as parcelas ficará livre, correto? Pois não o inclua nos seus novos gastos! Já que você sabe que pode separar esse valor sem prejudicar demais a sua rotina, o melhor a fazer é começar a investir.

Ter um investimento seguro, que ajude a formar um patrimônio, vai evitar uma situação futura de endividamento. Assim, mesmo que, em alguma ocasião, haja uma emergência ou demissão na família, você poderá contar com o dinheiro que tem guardado, o que diminui (bastante) a dor de cabeça.

Chamamos isso de reserva de emergência, que costuma ser no valor de, pelo menos, seis meses do seu custo de vida. Para saber o ideal a ter guardado, é só você multiplicar por seis a quantia que gasta por mês para se manter. 

Depois de montada a reserva, você pode investir seu dinheiro em outras opções, com rendimentos que ajudem a aumentar seu patrimônio no médio e longo prazos.

8. Conheça os passos certos para limpar o nome

Depois de passar por todas as dicas anteriores, você já pode encarar o problema sem medo e, claro, conferir junto aos órgãos a real situação da sua dívida. A SERASA, por exemplo, realiza uma campanha online de negociação, conhecida por “Semana dos Bancos e Financeiras”.

Essa ação pode ser feita de forma gratuita, na plataforma de renegociação Feirão Limpa Nome. É só conferir suas dívidas negativadas e contas atrasadas, escolher as opções de acordo e pagar o boleto com o valor devido.

Isso ajuda a aumentar o seu score — aquela pontuação de risco de crédito que todos nós temos diante do mercado. Para você ter uma ideia, em 2020, foram mais de 1,3 milhão de acordos mediados, e os descontos chegaram a 98%, com parcelamentos de até 48 vezes sem juros.

É importante saber que as melhores condições ocorrem nos chamados feirões, mas o site da Serasa para negociação funciona durante o ano inteiro. A diferença é que, às vezes, os números não vão ser tão surpreendentes quanto os que falamos acima. 

Ainda assim, vale muito a pena! Afinal de contas, o processo é 100% online, e você só vai precisar seguir um passo a passo bem simples:

  • acesse o serviço pelo site da Serasa;
  • faça seu cadastro e, depois, efetue o login com sua senha criada;
  • veja quais são as dívidas existentes no seu nome;
  • analise as propostas das empresas credoras e os planos de pagamento;
  • escolha o acordo que mais se encaixa na sua realidade e necessidade atual;
  • gere o boleto com o valor devido e efetue o pagamento.

Assim que o seu pagamento for reconhecido, seu nome fica limpo. Vale lembrar que também é possível limpar o nome no SPC, por meio da parceria do órgão com a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL).

A plataforma é bem intuitiva e leva o nome de “Negociar Dívida Online”. Por lá, você também consegue organizar suas pendências financeiras e recuperar o crédito no mercado. É só consultar seu CPF e ver se existem dívidas no seu nome. Depois, veja as opções de negociação e faça um acordo. Então, é só pagar e voltar a ter seu nome limpo.

Se, antes de chegar até aqui, você não sabia como limpar o nome, agora já pode se tranquilizar, porque viu que é totalmente possível, certo? Não confie em promessas milagrosas e siga pelo caminho seguro do planejamento e da educação financeira — isso resolve o problema e mantém seu nome limpo por tempo indeterminado!

Agora que você sabe como limpar o nome na praça e que isso envolve planejamento financeiro e disciplina, que tal nos contar o que achou das nossas dicas? Deixe seu comentário!

Quer receber mais conteúdos como esses por email?

Cadastre-se para receber nossos conteúdos por email e tenha informações em primeira mão:

Use seu imóvel para tirar seus planos da gaveta

Comentários