O consórcio é sempre lembrado como uma das opções mais acessíveis do mercado financeiro para adquirir bens de grande valor. A ausência de juros torna as parcelas mais interessantes que as de um financiamento, fazendo com que o negócio caiba no bolso de pessoas dos mais variados perfis.

    Mesmo assim, sabemos que existem situações capazes de afetar o planejamento de um consorciado, como a necessidade de cobrir uma emergência ou mesmo de se adaptar a uma nova condição financeira. Nesses casos, muitos optam por deixar de pagar o consórcio na tentativa de reequilibrar as contas.

    Se você teve o consórcio cancelado por falta de pagamento, continue lendo este post. Vamos mostrar o que deve ser feito para regularizar sua cota e não cair mais na inadimplência!

    Saiba o que acontece quando você atrasa os pagamentos

    Ao contrário do que pode parecer, não é só o próprio participante que se prejudica quando deixa de pagar as parcelas do consórcio. Considerando que o negócio funciona como um financiamento coletivo, o bom andamento do grupo depende diretamente do pagamento regular dos participantes.

    As consequências individuais dependem do número de parcelas e do período de atraso. Além de não ter a chance de ser contemplado por não participar dos sorteios, as penalidades para o consorciado podem ir da incidência de juros até o cancelamento da cota.

    Para piorar, o nome do consorciado inadimplente pode acabar incluído em cadastros de maus pagadores, o que compromete seriamente as possibilidades de crédito na praça, dificultando ainda mais a situação financeira de quem atrasa a parcela do consórcio.

    Solicite uma renegociação junto à administradora

    A boa notícia é que a própria administradora pode ajudar o consorciado inadimplente a resolver sua situação. E o ideal é que esse contato seja feito o quanto antes. Afinal de contas, quanto menor for o tempo de atraso, mais fácil será a negociação.

    Uma das opções oferecidas pela empresa pode ser o rateamento dos valores em atraso nas parcelas restantes. Mas essa opção deve ser analisada com muita cautela, já que o consorciado precisará arcar com uma parcela maior do que era quando atrasou o pagamento inicialmente.

    Outra possibilidade é a troca da carta de crédito contratada por uma de menor valor. Assim, o inadimplente retoma o pagamento das parcelas com valor igual ou inferior, diminuindo as chances de ter problemas com o novo compromisso.

    Se a renegociação não for suficiente para encontrar uma solução, a saída pode ser a transferência da cota para outro titular que possa continuar com os pagamentos.

    De toda forma, tomar a iniciativa de contatar a administradora assim que sentir dificuldades para pagar as parcelas do consórcio é fundamental.

    Reavalie seu planejamento financeiro

    Em conjunto com a renegociação, é fundamental rever o planejamento financeiro para que os atrasos não se repitam. Nesse processo, é preciso equilibrar bem os ganhos com as despesas, avaliando gastos que podem ser contidos para conseguir uma folga no orçamento.

    De acordo com suas condições, defina um percentual dos seus rendimentos para ser destinado ao pagamento de despesas fixas, como é o caso da parcela do consórcio. Procure destinar também parte da sua renda à formação de um fundo de reserva, que será de grande ajuda caso enfrente algum imprevisto.

    Essas simples medidas já o ajudarão a manter um controle mais apurado sobre suas finanças, evitando que você tenha que deixar de pagar, adiando a conquista do seu objetivo.

    Ainda tem dúvidas sobre o que fazer se você tiver o consórcio cancelado por falta de pagamento? Aproveite nosso espaço de comentários e deixe sua pergunta!