por-onde-comecar-o-corte-de-gastos-pessoais

Por onde começar o corte de gastos pessoais?

Junho 2019

5 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Qualquer que seja o cenário econômico do país, encontrar maneiras de economizar sempre é uma medida sensata. Afinal, é importante ter uma reserva financeira para lidar com possíveis imprevistos ou para o caso de você se deparar com oportunidades imperdíveis. E não tem jeito: para alcançar esse objetivo, o corte de gastos é fundamental.

No entanto, a educação financeira só vira um hábito se praticada diariamente, com muita determinação. Nesse sentido, planejar metas futuras é crucial para manter o foco. Mas sabia que algumas práticas simples podem ajudar (e muito) nessa hora? Confira nossas dicas para começar o corte de gastos pessoais o quanto antes!

CTA_Rodobens_Manual passo a passo para reduzir gastos supérfluos_final

Anote seu orçamento diário

Para ter uma noção precisa de suas receitas e despesas, registrar diariamente todos os seus gastos é uma ótima pedida. Anote todas as compras que fizer, inclusive aquelas menores, que acabam passando despercebidas no dia a dia. Essa é uma maneira eficiente de visualizar com clareza para onde vai seu dinheiro e, assim, identificar o que pode ser eliminado.

Além do mais, a construção de um histórico financeiro é importante para mensurar o quanto pode ser economizado ao deixar de adquirir certos itens ou contratar determinados serviços com tanta frequência. Dessa forma, é possível estipular um valor atingível para reservar todo mês, aplicando no investimento que achar melhor.

Economize um pouco na alimentação

A elaboração de uma lista com os itens que realmente precisam ser comprados é uma maneira inteligente de não adquirir produtos desnecessários, acabando por gastar demais no supermercado. Acredite: nessa situação, o planejamento é a alternativa mais eficiente para manter o foco, não se perdendo na imensidão de opções disponíveis nas prateleiras.

Outra forma de economizar é cortar (ou pelo menos diminuir) a frequência de idas em restaurantes, bares e cafés. Isso porque a somatória de refeições fora de casa costuma pesar bastante no final do mês. Que tal tentar mudar um pouco seus hábitos, buscando privilegiar ao máximo comer em casa?

Além de representar uma economia considerável, essa atitude ainda pode deixar sua alimentação mais saudável, melhorando o seu estilo de vida.

Corte os gastos mais supérfluos

Alguns gastos são realmente necessários e importantes, correto? Outros, no entanto, são completamente dispensáveis. Aquele cafezinho depois do almoço, o sorvete comprado por impulso no shopping ou ainda uma peça que nem cabe no guarda-roupa, por exemplo, são itens que podem ser facilmente eliminados da sua rotina. Por mais baratos que esses gastos sejam individualmente, representam uma quantia significativa quando somados.

Mas, atenção: não estamos dizendo que você precisa deixar o lazer e os prazeres completamente de lado, ok? Na verdade, a proposta aqui é só mudar um pouco a perspectiva, passando a praticar um consumo consciente, mais saudável principalmente para seu bolso.

Evite o cartão de crédito

Se não souber usá-lo de forma inteligente, o cartão de crédito pode se transformar em um grande vilão da sua vida financeira. Gastar mais que o permitido, não pagar as faturas no dia do vencimento e usar o rotativo, por exemplo, são erros graves, que podem comprometer significativamente suas finanças.

Vale lembrar que as parcelas vão se acumulando e pode chegar o momento em que você fica com pouco limite à disposição e, mesmo assim, recebe uma fatura pesada para pagar. Você não tem tanto controle sobre essa ferramenta?

Então, evite seu uso, procurando pagar suas compras à vista! Além disso, evite direcionar o pagamento de suas contas básicas, como água, luz e telefone, para o cartão de crédito.

A partir de hoje, faça um teste: tente concentrar a utilidade desse recurso em compras eventuais e não recorrentes, combinado?

Reveja planos e tarifas

Outra ótima dica para promover economia é rever todos os serviços já contratados, como planos de TV a cabo, telefonia e internet. Se for o caso, procure por opções mais baratas! Valores gastos com o seguro do carro e até as tarifas cobradas pelo banco também devem ser revistas.

Faça orçamentos com outras empresas e compare os preços cobrados pelos serviços. Você logo vai ver que, em muitos casos, uma mudança contratual pode ser extremamente vantajosa, representando uma economia significativa ao longo dos meses.

Nesse sentido, é essencial traçar esse plano evitando um dos principais vilões do orçamento familiar: o empréstimo (veja mais detalhes a seguir).

Evite ao máximo pegar empréstimos

Mesmo que pareça uma estratégia interessante em curto prazo ou um meio para fugir de situações de emergência, os empréstimos tendem a comprometer o planejamento financeiro. O motivo é simples: não se trata apenas de abraçar um pagamento de juros altos, mas de interditar parte da sua renda por algum tempo.

O empréstimo deve ser um recurso de último caso. Ao solicitar um, você se compromete a pagar parcelas ao longo de um determinado tempo, reduzindo o seu orçamento real. Além disso, há sempre o risco de surgir um novo imprevisto e causar um atraso, acarretando ainda mais juros.

Por isso, o corte de gastos pessoais exige disciplina, para que sua reserva econômica possa realmente crescer. É claro que, em alguns casos, um empréstimo (ou outra dívida já em andamento) precisa ser resolvido.

Se for essa a situação, há outra dica importante que você deve lembrar. Falamos sobre ela a seguir.

Renegocie suas dívidas

Todo pagamento, seja de dívida ou de financiamento, compromete uma parcela do seu salário. No entanto, após alguns meses, as medidas indicadas aqui podem fazer você liberar um espaço no orçamento. Então, é esse o momento ideal para liquidar pendências e diminuir o possível estrago dos juros.

Avaliar periodicamente suas dívidas e renegociá-las com a instituição responsável é um verdadeiro investimento, se você se encontra nessa situação. Ao reduzir aquela pequena despesa com supérfluos, você destina o pagamento de parcelas que, quando renegociadas, geram descontos interessantes.

Assim, na prática, você remaneja suas contas para transformar gastos não essenciais em um encurtamento de dívidas, ficando cada vez mais próximo de quitá-las.

Enxugue as contas domésticas

As despesas básicas de uma casa ou apartamento (água, luz, telefone etc.) costumam tomar uma parte considerável do orçamento. Muitas vezes, uma simples mudança de hábito pode trazer benefícios que parecem pequenos, mas geram grande impacto no final do ano. Um bom exemplo disso é a iluminação.

Vale a pena investir em lâmpadas de LED, apesar de custarem um pouco mais. O consumo é significativamente mais baixo, enquanto a qualidade é maior: boa luminosidade e vida útil bem mais longa. Além disso, ficar atento para não deixar luzes acesas à noite ou a TV ligada quando não há ninguém assistindo são mudanças valiosas.

O próprio plano de internet costuma ser um ponto que pode ser reavaliado. Muitas vezes, ele inclui ainda telefone e TV a cabo, dois serviços que não são mais tão essenciais, graças aos smartphones e os serviços de streaming (filmes online).

Avaliar com cuidado o que é realmente importante é o primeiro passo para um comportamento mais adequado ao orçamento que você espera ter. Vale destacar ainda que famílias com crianças devem conscientizá-las sobre essas questões, para que todos sejam educados desde cedo a poupar, consumindo o que é necessário (sem excessos).

Como você pode ver, mudar alguns hábitos simples na sua rotina para diminuir os gastos pessoais não só é perfeitamente possível, como é recomendável. Assim, você consegue economizar valores que podem se transformar na realização de seus sonhos!

E então, pronto para dar início ao corte de gastos? Se este conteúdo foi útil para você, não deixe de compartilhá-lo em suas redes sociais! Quem sabe seus amigos não estão precisando de dicas sobre o assunto?

 

Comentários