cot

O que é levado em conta em uma cotação de seguro?

Maio 2019

5 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Um seguro é essencial para quem possui bens de valor mais elevado, como imóveis e veículos. Na hora de contratar esse serviço, porém, é normal se deparar com uma grande variedade de preços, coberturas e condições de uso. São, portanto, muitos os aspectos a analisar para que o seguro cumpra adequadamente sua função de proteger o segurado contra imprevistos.

Por essas e outras, é fundamental fazer uma cotação de seguro. Pensando nisso, resolvemos explicar neste post como o processo funciona, qual a importância da cotação e o que precisa ser observado. Continue acompanhando e confira!

CTA_Tudo-que-você-precisa-saber-sobre-seguro-em-um-só-lugar_final (1)

O que é uma cotação de seguro?

De maneira resumida, podemos dizer que a cotação de seguro consiste em uma espécie de orçamento. Ao procurar corretores, fica fácil perceber que cada um oferece serviços e preços diversos. O papel desse processo é, portanto, comparar tais condições em busca da melhor oferta, que combine um preço que caiba no seu bolso e ofereça a segurança de que você precisa.

O caminho para cotar um seguro costuma ser bem simples, e é possível fazer isso pela internet ou pelo telefone em alguns casos. São solicitados dados pessoais básicos e informações do bem a ser segurado. Em caso de dúvidas, o cliente conta com corretores à disposição.

Por que fazer a cotação de seguro?

A cotação é essencial para que a pessoa que pretende contratar um seguro saiba pelo que está pagando e quais serão as condições para acionamento da cobertura em caso de sinistro.

Dessa forma, você evita contratar um seguro caro demais ou com serviços que nunca serão aproveitados. Do mesmo modo, consegue se prevenir contra surpresas desagradáveis, como a ausência de uma cobertura essencial, descobrindo isso apenas no momento em que ela for necessária. Sem falar que ainda permite negociar com a corretora em busca de vantagens ou descontos.

O que deve ser observado?

Para ajudar na hora da cotação, listamos alguns pontos que merecem destaque, uma vez que o conhecimento sobre eles ajuda na comparação entre as opções disponíveis no mercado.

O que está coberto?

É preciso saber direito quais incidentes são passíveis de cobertura, bem como quais não são. A partir disso, você conseguirá definir as proteções pertinentes ao seu dia a dia — incluindo aquelas consideradas indispensáveis e excluindo outras que dificilmente serão utilizadas.

Isso ajuda a equilibrar o preço da apólice e permite ao segurado pagar um valor de acordo com o orçamento disponível e cujos recursos poderão efetivamente ser usados.

Existe franquia?

Franquia é o valor que o segurado deve pagar no caso de acionamento do seguro. Ela pode ser reduzida, normal ou ampliada. Nas franquias reduzidas, paga-se menos em caso de sinistro, mas será necessário arcar com um seguro de valor maior. Nas ampliadas, a lógica é o contrário: o valor a ser pago em caso de sinistro nessas apólices é maior, mas, com isso, o preço do seguro costuma ser menor.

São oferecidos serviços adicionais?

Seguros com serviços adicionais representam um custo extra, mas costumam ser interessantes. Em seguros auto, por exemplo, é normal serem oferecidos benefícios como guincho 24 horas ou carro reserva. Já nos residenciais, é comum serem incluídos como serviços adicionais equipes de reparo de sistemas elétricos ou hidráulicos a qualquer hora do dia.

Que pontos a seguradora leva em conta?

As seguradoras têm critérios próprios para estimar o valor dos seguros. Nesse cálculo, são levados em conta uma série de variáveis, que podem fazer com o preço suba ou caia.

Além disso, a seguradora pode recusar a contratação do seguro se avaliar que os riscos de sinistro para determinado perfil de cliente são muito altos. De qualquer forma, alguns dos fatores listados abaixo estão entre os principais aspectos que afetam a cotação do seguro. Veja só!

Valor e características do bem

O bem a ser segurado geralmente é o primeiro quesito analisado. Mas essa análise vai além do valor de mercado. Pegando como exemplo novamente os seguros auto, é comum que veículos com histórico de problemas de manutenção ou muito visados pelos criminosos tenham um seguro mais caro. Veículos importados, cuja reposição de peças costuma ser complicada, entram na mesma categoria.

Perfil do segurado

O perfil do segurado abrange idade, sexo, histórico, entre outras características. Ele é mais comum nos seguros auto, fazendo com que condutores muito jovens ou com registros de multas desembolsem mais pela proteção.

Tais perfis consideram a possibilidade de determinado grupo se envolver em acidentes ou expor o bem a certos comportamentos de risco. Por isso, pessoas mais velhas e, por consequência, mais experientes pagam menos, já que estatisticamente elas estão menos suscetíveis a acidentes.

Fatores de risco

Os riscos são considerados com relação ao local, à proteção prévia existente e à incidência de eventos que possam provocar sinistros. Em um seguro residencial, por exemplo, imóveis localizados em áreas onde chuvas fortes são frequentes acabam impactados por esse fator de risco.

Voltando ao exemplo do seguro auto, alguns fatores de risco elencados são as taxas de criminalidade de determinada região na qual o proprietário mais circula com seu carro ou a inexistência de uma garagem fechada para estacionar o automóvel.

Quais outros cuidados devem ser tomados?

Por mais que as regras que estabelecem o valor a ser pago pelo seguro sejam estabelecidas por seguradora, alguns cuidados por parte do segurado podem ajudar a obter melhores condições na hora da cotação. Confira o que deve ser feito e o que evitar nesse momento.

Forneça os dados corretos

Na hora da cotação, já tenha em mãos os documentos pessoais e os do bem a ser segurado. Esses dados, quando informados de maneira correta, facilitam o cálculo do valor a ser pago pelo seguro e permitem que a cotação feita seja mais realista. Se o seu intuito for renovar a cobertura, leve a apólice anterior para tentar negociar descontos.

Verifique a situação da seguradora

Tão importante quanto seus dados em dia é a situação da seguradora, já que ela prestará a assistência necessária em caso de sinistros. Além de conferir a reputação da empresa, observando a opinião de outros clientes sobre ela, verifique a situação dela junto à Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), órgão que fiscaliza e regula o setor de seguros no país.

Pesquise sempre em mais de uma empresa

Nunca aceite a primeira oferta de seguro. Quanto mais empresas você procurar, maiores as chances de encontrar a melhor condição de acordo com a sua necessidade. Além disso, com diversas propostas em mãos, fica mais simples negociar descontos e benefícios adicionais.

Não minta

Por fim, jamais minta sobre as situações em que o bem é utilizado. No caso de um seguro auto, inclua todos que efetivamente fazem uso do carro e em quais locais ele fica estacionado, por exemplo. Caso contrário, a seguradora pode recusar a cobertura se houver um sinistro.

Viu como uma cotação de seguro cuidadosa é importante? Portanto, quando for contratar ou renovar sua apólice, não se esqueça das dicas deste post!

Quer deixar seus amigos por dentro quando o assunto for seguros? Que tal compartilhar este conteúdo nas suas redes sociais?

Comentários