tem-duvidas-sobre-emplacamento-de-carros-entenda-como-funciona

Tem dúvidas sobre emplacamento de carros? Entenda como funciona!

Maio 2018

4 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Sair da concessionária com um carro novo é uma sensação indescritível, como a realização de um sonho. O que muita gente acaba esquecendo é que os gastos com o novo veículo não terminam assim que ele sai da loja. A partir daí, é preciso resolver todas as pendências de documentação para poder desfilar pela cidade seguindo a lei direitinho.

E um desses requisitos é o emplacamento do veículo, medida que garante sua identificação e permite que ele trafegue em vias públicas. Apesar de muitos recorrerem ao serviço de um despachante nessa hora, é possível realizar essa tarefa por conta própria.

Por isso, vamos mostrar no post de hoje como fazer o emplacamento de carros da forma certa, já levando em conta o novo modelo de placas para os países do Mercosul. Acompanhe!

Conheça a importância do emplacamento

Assim como nós possuímos diversos documentos que nos identificam, uma das maneiras de identificar os veículos em circulação é o emplacamento. Formadas por uma combinação única de letras e números, as placas começaram a ser utilizadas no Brasil ainda na década de 40.

Obrigatórias em todos os veículos automotores, como carros, ônibus, caminhões e motocicletas, elas permitem a identificação daqueles que cometem infrações de trânsito. Nas cidades que realizam rodízio de veículos em seus perímetros, a numeração do emplacamento também é referência para definir aqueles que poderão trafegar a cada dia.

Além disso, os prazos para pagamento do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e do licenciamento também são definidos por meio do último número das placas.

Entenda o novo padrão de placas do Mercosul

Você já deve saber que o Brasil está adotando um novo padrão de emplacamento e até mesmo ter visto algumas já rodando por aí, não é mesmo? As novas placas foram desenvolvidas para unificar a fiscalização nos países do Mercosul, sendo que Argentina e Uruguai foram os primeiros a implementar a medida.

São muitas as diferenças entre o novo padrão e as placas que conhecemos hoje, em vigor desde 1990. Elas se tornaram predominantemente brancas, com uma faixa azul na parte superior, onde é escrito o nome do país em que o veículo está registrado. A sequência alfanumérica deixa de ser formada por três letras e quatro números (ABC-1234) e passa a ser formada por quatro letras e três números alternados (ABC1D23).

Também existem diversos recursos que ajudam a evitar fraudes, como pintura especial dos caracteres, QR code, marca d'água, número de série e um chip que armazena informações importantes sobre o veículo.

As novas placas já podem ser vistas em veículos que foram recém-emplacados, seja por terem acabado de sair da concessionária ou pela necessidade de troca das placas. Vale lembrar que elas não são obrigatórias para os veículos que estão com o emplacamento regular.

Conforme cronograma divulgado pelo governo federal, a partir de 2019, todos os estados brasileiros passarão a emplacar seus veículos no padrão Mercosul sem custos adicionais aos motoristas.

Veja o passo a passo para emplacar seu veículo

Como vimos, o emplacamento é uma espécie de registro do veículo junto aos órgãos responsáveis pela fiscalização de trânsito. Por isso, é proibido por lei trafegar sem placa — a única exceção é quando o carro está sendo levado ao local de emplacamento, dentro de um período de 15 dias após a compra.

Não tem como: é preciso dar entrada no processo de regularização o quanto antes. Para te ajudar, preparamos um passo a passo com tudo o que você tem que fazer para poder rodar tranquilo.

1. Separe os documentos necessários

O primeiro passo é reunir a documentação solicitada, que inclui:

  • identidade, CPF e CNH do proprietário;

  • comprovante de residência;

  • nota fiscal do veículo emitida há menos de 30 dias;

  • decalque do número do chassi;

  • contrato de financiamento, caso o veículo tenha sido adquirido dessa forma.

Com a papelada em mãos, é hora de se dirigir ao DETRAN de sua cidade.

2. Pague as taxas solicitadas

Após apresentar os documentos no DETRAN, você receberá um boleto referente à taxa de emplacamento, que precisa ser paga para dar continuidade ao procedimento. Os valores podem variar de acordo com a localidade, mas podemos tomar como base o custo para os motoristas do Rio de Janeiro, primeiro estado a adotar o novo modelo: R$ 64,61 para motocicletas e R$ 193,84 para os demais veículos.

Depois, no setor de placas, o número da chapa será disponibilizado. Em certas localidades, é possível escolher a combinação alfanumérica. Vale lembrar que o DETRAN de algumas cidades exige que seja feito um agendamento prévio para atendimento. Então fique atento!

Em seguida, compareça ao setor de DPVAT e IPVA, para que seja feito o cálculo dos valores desses impostos e, claro, o devido pagamento. Além disso, é preciso solicitar o formulário de registro no RENAVAM.

3. Compareça ao local de emplacamento e vistoria

Com os documentos em ordem e todas as taxas e tributos pagos, encaminhe-se para saber quando será possível realizar a vistoria e o emplacamento. Em algumas partes do Brasil, dá para agendar esse serviço, enquanto em outras, não. Acontece também de o próprio DETRAN determinar o horário e o local em que a placa e o lacre serão colocados.

Na vistoria, são avaliadas as condições de circulação do veículo, o funcionamento de dispositivos obrigatórios e a autenticidade do chassi e da documentação.

4. Avalie se vale a pena contratar um despachante

Emplacar o carro por conta própria pode render uma economia de até 600 reais! Apesar disso, como você viu, é um processo burocrático, que envolve idas e vindas. Além do mais, é comum encontrar relatos de pessoas reclamando que a estrutura do DETRAN não está adequadamente preparada para receber quem prefere fazer tudo sozinho, tendo sido pensada para os despachantes.

No fim das contas, para quem não tem muito tempo ou tem alguma dificuldade em lidar com a documentação e os processos, o emplacamento de carros pode não parecer tão simples assim. Nessas horas, talvez seja melhor deixar a economia de lado e contratar um despachante de confiança, que tomará conta de tudo isso por você.

E agora que você já sabe praticamente tudo sobre emplacamento de carros, que tal ficar ainda mais perto da Rodobens, acompanhando dicas como essas em primeira mão? Então não perca tempo: curta nossa página no Facebook e nos siga no Instagram e no Twitter!

 

Comentários