Principais problemas na gestão de frotas e como enfrentá-los

Principais problemas na gestão de frotas e como enfrentá-los

Janeiro 2019

3 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

O sucesso de qualquer negócio passa sempre por uma boa gestão. É preciso analisar todos os setores da empresa, para que eles atuem com eficiência e otimizem os recursos disponíveis, incrementando os lucros.

Essa lógica se aplica também ao transporte de cargas. Este é um setor estratégico e faz com que os produtos cheguem aos clientes de forma rápida e segura.

Para fugir de problemas na gestão de frotas, é importante identificar quais são os erros mais comuns e as formas de contorná-los. Listamos os principais e suas respectivas soluções ao longo deste texto. Boa leitura!

CTA_Manual-completo-do-gestor-de-frotas_final

Ignorar a tecnologia

Pode parecer que planilhas e ferramentas atualizadas manualmente são mais confiáveis e seguras. No entanto, elas estão suscetíveis a erros e demandam muito tempo de trabalho, prejudicando a gestão. Por isso, conheça os benefícios da implementação da tecnologia e evite boa parte dos equívocos ocasionados por processos manuais. 

Tão importante quanto adotar essas ferramentas é saber utilizá-las, extraindo o máximo das funcionalidades disponíveis. Dê preferência a sistemas integrados, e não a softwares ou equipamentos específicos. 

Esquecer da importância da manutenção 

manutenção não deve ser lembrada apenas na hora em que os veículos vão para a oficina. Qualquer caminhão parado representa atrasos que colocam em risco a competitividade do negócio.

Um plano de manutenção eficiente inclui uma lista de checagem que avalia de forma periódica os itens essenciais para o bom funcionamento dos equipamentos (como pneus, freios e o motor). Tal hábito evita que você conte apenas com a sorte para que os veículos não quebrem.

Não qualificar a mão de obra

A gestão em dia e os veículos em perfeito estado não resistem a funcionários sem a capacitação necessária para entregar bons resultados.

Motoristas que não foram devidamente treinados estão mais propensos a se envolverem em acidentes ou a não adotarem condutas que preservem o equipamento enquanto trafegam.

Investir em capacitação faz com que os profissionais rendam mais e abandonem práticas prejudiciais para o desempenho e a segurança. Paralelamente aos treinamentos, procure oferecer boas remunerações e benefícios. Assim, você garante a permanência dos melhores colaboradores e diminui a rotatividade.

Descuidar dos custos 

Na gestão de frotas, cada centavo importa. Os custos com insumos (como combustíveis e pneus) são os que mais impactam na hora de colocar os caminhões para rodar. Mas também é preciso considerar a mão de obra e a manutenção.

Outro aspecto que pressiona os custos é a defasagem do frete e o tempo de demora para o recebimento dos valores. De acordo com pesquisa de fevereiro de 2018, a defasagem média do preço do frete foi de 16,95% em 2017, e o período para pagamento atingiu quase 26 dias.

Nesse cenário, o gestor deve procurar alternativas para diversificar a prestação de serviços e, assim, melhorar os resultados.

Não pensar na segurança

Em 2017, o roubo de cargas custou R$ 57,6 bilhões somente às indústrias do Sudeste. Por isso, não vale a pena ignorar os riscos aos quais os caminhões estão expostos durante seu trajeto, concorda?

Para proteger a vida dos colaboradores, o patrimônio e a carga transportada, é essencial contratar um seguro para o veículo, para o motorista e para a carga.

Com essas dicas, esperamos que fique mais fácil identificar e contornar eventuais problemas na gestão de frotas. Aos poucos, a produtividade da sua empresa crescerá, melhorando os resultados e fazendo o negócio prosperar.

Para saber como criar uma política de frotas inteligente, veja as recomendações deste post!

 

Comentários