Glossário do mercado imobiliário: 16 termos que você precisa conhecer

Maio 2016

4 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Glossario do mercado imobiliario 16 termos que voce precisa conhecer.jpg

Todo ramo de atividade tem um vocabulário próprio, com o qual os profissionais daquele segmento estão bastante familiarizados. Porém, para quem está de fora e tem contato esporádico com a atividade podem surgir dúvidas sobre o significado de determinadas palavras ou expressões, o que certamente dificulta a comunicação.

Com o mercado imobiliário não é diferente. Ele está repleto de termos que a gente ouve falar, mas que nem sempre compreende, situação que pode gerar alguma insegurança por parte de quem está comprando um imóvel.

Pensando nisso, preparamos esse glossário, com 16 termos que são utilizados corriqueiramente pelos corretores de imóveis, mas que podem não ser tão claros para quem não tem contato frequente com o mercado imobiliário. Confira!

Alienação fiduciária

Quando alguém compra um bem móvel (veículos) ou imóvel (casa, terreno, apartamento), contando com recursos de financiamento ou consórcio, aquele bem permanece como garantia de pagamento da dívida até que ela seja liquidada. Assim, dizemos que o imóvel está “alienado”, ou seja, está impedido de ser vendido para outra pessoa, até que a dívida seja totalmente paga. Então, quando a quitação da dívida acontece, o comprador adquire a posse definitiva do bem.

Contrato de gaveta

Um contrato de gaveta é uma forma de registrar no papel o que duas pessoas combinam verbalmente sem que isso represente um documento oficial. Por exemplo, alguém pode comprar um imóvel e prometer que pagará a dívida em quatro parcelas. Para não ficar apenas na palavra, o comprador ou o vendedor redige um contrato especificando as condições de pagamento. Como esse contrato não será registrado em cartório dizemos que ele ficará guardado na gaveta e servirá apenas para confirmar a combinação, em caso de necessidade.

Em outra situação, uma pessoa que ainda está pagando um financiamento vende o imóvel para outra pessoa que se compromete a continuar pagando as prestações restantes, sem que as transferências do imóvel e da dívida sejam feitas oficialmente. Para registrar o combinado elas também podem assinar um contrato de gaveta.

É importante ressaltar que negociações do gênero envolvem bastante risco, o que exige que elas sejam feitas entre pessoas que tenha plena confiança mútua.

Contrato de promessa de compra e venda

É um tipo de contrato prévio por meio do qual as partes se comprometem, por um lado, a comprar um imóvel, e por outro, a vendê-lo, mediante as condições de pagamento especificadas no contrato. O documento é utilizado, por exemplo, quando alguém compra um imóvel em construção e é finalizado quando o promitente comprador liquida a dívida e o promitente vendedor faz a entrega definitiva do imóvel.

Crédito imobiliário

O crédito imobiliário é uma linha de empréstimos concedida pelas instituições financeiras com a finalidade específica de financiar a compra de imóveis.

DCE

É muito comum encontrarmos em anúncios de imobiliárias a sigla “DCE”, que significa “dependência completa de empregada”, o que quer dizer que o imóvel dispõe de um quarto e de um banheiro para uso da empregada doméstica.

Escritura de imóvel

A escritura é um documento que deve ser elaborado em Cartório, representando o ato jurídico de transmissão da posse e do domínio de um imóvel que, por determinado preço, o vendedor faz para o comprador. Para que ela tenha valor é preciso que seja registrada no Cartório de Registros de Imóveis onde o bem que está sendo negociado é registrado. Em outras palavras, a escritura é o documento que torna a transação imobiliária oficial.

Flat

O flat, também conhecido como “apart-hotel”, é um edifício residencial, com unidades autônomas, que oferece serviços semelhantes aos dos hotéis, como lavanderia, restaurante, entre outros. Um flat podem servir tanto para a moradia permanente quanto para a locação para hóspedes eventuais. No último caso, os apartamentos que são destinados à hospedagem fazem parte de um pool de locação, que recebe os hóspedes da mesma forma que acontece em um hotel convencional.

Formal de partilha

Quando um casal se divorcia é preciso que seja feita a divisão dos bens, inclusive dos imóveis. Da mesma forma, quando alguém morre também é feita a divisão dos imóveis entre os herdeiros. Nos dois casos, o formal de partilha é o documento emitido por um juiz que sacramenta essa divisão.

Um imóvel de um casal separado ou que tenha origem em uma herança só pode ser legalmente vendido quando há o formal de partilha, que redefine os direitos de propriedade que recaem sobre ele.

Habite-se

Quando uma construção é finalizada ela deve passar pela análise de vistoriadores da prefeitura do município que atestarão que ela está em condições de ser habitada. Após o parecer favorável dos avaliadores o órgão municipal responsável pelas vistorias emite um documento denominado “Habite-se”.

Hipoteca

Quando alguém vai a uma instituição financeira tomar dinheiro emprestado é exigido que se apresente garantias de pagamento. A hipoteca é uma forma que coloca um imóvel como garantia de pagamento de uma dívida. Se a dívida não é paga o credor pode executar a hipoteca, ou seja, pode tomar o imóvel do devedor para liquidar a quantia devida.

ITBI

Toda transação imobiliária gera uma tributação que é cobrada pelo município onde o imóvel está localizado. Esta tributação é chamada “Imposto de Transmissão de Bens Imóveis”, ITBI.

Loft

Os lofts adotam soluções arquitetônicas típicas dos Estados Unidos, onde galpões e pavimentos corridos passaram a ser utilizados como moradias. Como estas construções têm poucas divisões, elas oferecem espaços amplos onde vários ambientes são integrados, sem que sejam divididos por paredes. Novas construções residenciais têm sido planejadas para serem dessa forma — com poucas paredes e visando a integração dos vários cômodos.

Pé direito

É chamada “pé direito” a medida entre o piso e o teto de um imóvel. Normalmente, uma construção nos padrões brasileiros possui pé direito de 2,7 metros em quartos, banheiros e cozinhas e 3 metros em corredores e salas. Quando falamos que o imóvel tem pé direito duplo queremos dizer que essa medida é o dobro da normal. Ou seja, pode chegar a 6 metros.

Pé esquerdo

Esta é uma expressão mais comum entre arquitetos, mas você pode ouvi-la, caso o imóvel que você está comprando seja um apartamento que precise passar por alguma reforma. Ela diz respeito à soma do pé direito com a espessura da laje. Ou seja, é a distância entre o piso do apartamento inferior e o piso do apartamento superior.

Usucapião

Se uma pessoa ocupa um imóvel por muito tempo, como se fosse a real proprietária dele, ela pode receber o direito de domínio sobre aquele bem. Ou seja, o usucapião é uma forma de aquisição do imóvel pelo uso.

Zoneamento urbano

De acordo com a Lei Federal nº 10257/2001, conhecida como “Estatuto da Cidade”, todo município brasileiro com mais de 20 mil habitantes deve ter um plano diretor, que definirá as forma de desenvolvimento da cidade. O plano diretor estabelece as normas de uso e de ocupação do solo do município, que é divido em regiões, ou zonas, que serão destinadas a finalidades específicas — residencial, industrial, comercial ou de serviços. Esta divisão recebe o nome de “zoneamento urbano”.

Se você quer saber o significado de algum outro termo do mercado imobiliário, deixe o seu comentário. Teremos prazer em ajudá-lo!

Nova chamada à ação

Comentários