Como não cair em golpes contra o consumidor? Confira as principais dicas

Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

A revolução digital deixou a nossa vida mais prática e dinâmica, mas favoreceu o surgimento de uma diversidade de golpes contra o consumidor. Por meio da internet, o acesso às informações ficou facilitado, e os recursos financeiros das pessoas, mais vulneráveis.

Na maioria das vezes, as fraudes ocorrem por ingenuidade, falta de atenção ou exposição imprudente por parte das vítimas. Sem falar que fraudadores podem acompanhar a movimentação de alguns desavisados a fim de descobrir a melhor forma de fisgá-los.

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para você. Nele, selecionamos as principais artimanhas dos criminosos e como evitar todas elas. Confira.

Boleto adulterado

Nessa situação, indivíduos que se passam por representantes de bancos ou instituições financeiras enviam mensagens por e-mail, SMS ou WhatsApp cobrando uma suposta dívida, de cartão ou consórcio, por exemplo. Após receber as ofertas de descontos para quitar o que é devido, o criminoso envia um boleto falso que aparenta ser realmente da empresa oficial.

Em geral, os fraudadores dão um prazo mínimo para pagamento, a fim de pressionar a pessoa a fazer a transação o mais rápido possível.

Como evitar?

O primeiro conselho é desconfiar de mensagens repentinas e descontos muito altos. Caso você receba uma notificação desse tipo, entre em contato com os canais de atendimento oficiais da instituição mencionada nas mensagens.

É preciso citar aqui que muitos hackers criam páginas falsas e as posicionam nos buscadores do Google. Logo, refine sua pesquisa e observe o endereço do site para ver se está correto.

Além disso, sempre que for pagar boletos recebidos, analise as informações do favorecido antes de finalizar a transação. Não pague nada com nomes de empresas terceiras ou com nomes de pessoas físicas para não comprometer o seu controle financeiro pessoal.

Fui vítima desse golpe! O que faço agora?

Se você foi ludibriado, fale com o banco no qual você pagou o boleto. Relate toda a história, envie cópias da conversa, a imagem do comprovante de pagamento e uma foto do boleto para confirmar o golpe. Por fim, registre um boletim de ocorrência na delegacia mais próxima.

Nesse caso, a devolução do dinheiro não é garantida, pois os golpistas podem sacar o dinheiro antes de a instituição bancária avaliar a situação e bloquear a conta.

Golpe do WhatsApp

Essa fraude pode ocorrer de diversas maneiras. Geralmente, o criminoso pede o código de verificação do WhatsApp da vítima para ter acesso. Depois, ele escolhe os primeiros contatos da lista para mandar mensagens pedindo transferências de dinheiro com urgência. Nesse caso, os amigos da vítima têm grandes chances de se sentirem comovidos e podem sair lesados por acharem que estão ajudando você.

Os roubos são facilitados pela agilidade com que as transferências são feitas. Ou seja, antes de a vítima perceber o problema, os criminosos já podem ter retirado o dinheiro do banco sem deixar rastros.

Como evitar?

Abra seu WhatsApp e acione a verificação em duas fases. Ela complica ainda mais a vida dos invasores, pois inclui mais uma etapa de identificação do usuário. Você cadastra uma senha de 6 dígitos, e o criminoso simplesmente não conseguirá acessar a sua conta.

Fui vítima desse golpe! O que faço agora?

Se seu número de contato foi roubado, fale com sua operadora e solicite o cancelamento temporário da linha. Em seguida, envie um e-mail para o endereço support@whatsapp.com com o título “roubo de conta” e relate a situação no corpo da mensagem e informe seu número de telefone oficial com DDD.

Após alguns instantes, o WhatsApp fará um bloqueio temporário de acesso, e você poderá solicitar a recuperação da sua conta.

Cartão clonado

A clonagem de cartão de crédito é uma ocorrência tradicional. Era mais frequente no passado, pois o plástico não tinha chip embutido. Contudo, ainda hoje existe esse tipo de fraude.

Na clonagem, os criminosos copiam os dados da pessoa (nome impresso, numeração e código de segurança) e registram em outro cartão. Depois, utilizam o cartão falso para comprar no nome da vítima.

Isso pode ocorrer tanto pela internet, por meio de sites falsos ou invasão de contas em lojas virtuais, quanto fisicamente, por meio de um dispositivo instalado em caixas eletrônicos ou máquinas de cartões. Assim, os registros são roubados sem que o comprador perceba.

Como evitar?

Tome as seguintes precauções:

  • atualize a senha das suas contas em lojas virtuais periodicamente, e escolha combinações difíceis;
  • quando for desfazer do cartão, destrua o chip com uma tesoura;
  • priorize o pagamento online ou contactless (aproximando o cartão da maquininha).

Fui vítima desse golpe! O que faço agora?

Para contornar o problema:

  • bloqueie imediatamente seu cartão;
  • descubra quais compras não foram feitas por você;
  • fale com o banco para informar a situação e apontar quais transações foram realizadas de forma indevida.

Depois, aguarde a instituição fazer a contestação para devolver seu dinheiro e gerar outro cartão.

Roubo de dados pessoais

O roubo de dados pessoais e bancários é chamado de phishing (pescaria, em inglês), pois trata-se de fisgar dados sensíveis, como número de cartão de crédito e senhas de acesso.

Essa é uma das fraudes mais frequentes da internet, pois utiliza a engenharia social para pressionar as vítimas a fornecer tais informações. O golpista costuma se passar por funcionário de alguma marca famosa e envia mensagens ou faz ligações criando situações que levam ao fornecimento de dados sigilosos.

Podem também encaminhar links e pedir que você faça login em sites de fachada para ter acesso às informações pessoais que constam no seu celular ou computador.

Como evitar?

Para fugir disso, basta criar senhas fortes (com números e letras maiúsculas e minúsculas) e ter um bom antivírus instalado no seu dispositivo. Além disso, verifique com cuidado os links antes de abri-los. Olhe os caracteres (um por um), pois a letra “o” pode ser substituída por zero “0” e a letra “I”, pelo número “1”.

Se estiver usando um computador, passe o mouse sobre o link e veja se a página que você será encaminhado é igual à mostrada no endereço do link. Por fim, não forneça nenhuma informação sem antes perceber que está interagindo com um contato oficial.

Fui vítima desse golpe! O que faço agora?

As informações do seu CPF ou cartão de crédito foram roubadas? Aqui, você só notará o crime quando receber um comunicado de negativação do seu CPF ou fatura de cartão com compras que não realizou. Nesses casos, você terá de abrir um boletim de ocorrência, bloquear seu cartão e procurar órgãos de proteção ao cidadão para esclarecer o problema e retirar seu nome do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).

Ao colocar em prática essas dicas sobre como não cair em golpes contra o consumidor, você poderá fazer compras e solicitar serviços com segurança. O segredo está em ligar seu “desconfiômetro” a todo instante para escapar das ciladas dos golpistas, que vivem se reinventando.

Agora que você já está por dentro das melhores maneiras de se proteger, aproveite para conferir também nosso conteúdo sobre fraude em consórcio. Assim, também poderá se resguardar caso venha a contratar essa modalidade de crédito!

Use seu imóvel para tirar seus planos da gaveta

Comentários