Investimento de baixo risco: veja como eles funcionam!

Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Uma das maiores inseguranças de investidores iniciantes no mercado é em relação ao perigo de perder dinheiro em uma aplicação ruim. Por isso, a melhor alternativa para quem está começando ou mesmo para quem quer diversificar sua carteira é o investimento de baixo risco.

Mas, afinal, o que caracteriza um investimento de baixo risco e como encontrar esses títulos para investir com tranquilidade? Isso é o que você vai descobrir ao longo de todo este post. Então, nossa recomendação é que você fique ligado para não perder nenhum detalhe, beleza? Aproveite a leitura!

O que é um investimento de baixo risco?

Antes de começar a investir, precisamos entender o que é uma aplicação de baixo risco e qual é o seu papel em qualquer carteira. Então, para começar, é importante entender que absolutamente qualquer investimento vai apresentar algum grau de risco. Até mesmo a poupança!

Além disso, os riscos podem variar de caso para caso. Um dos mais frequentes, por exemplo, é o risco de liquidez, que diz respeito à facilidade com que um investidor consegue recuperar o seu dinheiro assim que resolver se desfazer do investimento.

Vamos supor que você decida investir comprando um imóvel, uma casa. Esse certamente é um investimento atrativo, o mercado é aquecido e a valorização dos imóveis está em alta. No entanto, você recebeu uma proposta de emprego fora do estado e quer vender a casa para cobrir as despesas da mudança e comprar uma nova residência no novo endereço.

Provavelmente, você vai precisar de tempo e paciência para conseguir encontrar um comprador interessado no seu imóvel e que esteja disposto a pagar por ele o preço que você está pedindo. Isso pode levar meses, literalmente, o que configura esse tipo de investimento como uma aplicação de alto risco e baixa liquidez.

Além disso, existem outros fatores como:

  • o risco de mercado, em que o preço do investimento oscila de acordo com a economia;
  • o risco de crédito, que é quando a empresa ou a instituição financeira não cumprem com o acordo.

Portanto, um investimento de baixo risco é aquele em que a probabilidade do não recebimento dos rendimentos pela aplicação é verdadeiramente muito remota, seja pelo poder econômico da companhia na qual você está investindo, seja pela cobertura do FGC — ou por qualquer outra razão.

Quais são os principais investimentos de baixo risco?

Agora que você já entendeu a dinâmica do risco nos investimentos, que tal conhecer algumas alternativas conhecidamente seguras no mercado? Olha só!

Poupança

A poupança é amplamente conhecida por grande parte, se não por todos os brasileiros. Bastante tradicional na hora de ajudar a população a guardar dinheiro, ela ainda garante um pequeno rendimento, que já se configura como melhor do que deixar as economias debaixo do colchão.

Sua segurança se deve justamente ao fato de que a liquidez da poupança é muito alta. Isso significa que você pode sacar o dinheiro a qualquer momento e até fazer pagamentos no débito com ele. No entanto, isso pode atrapalhar um pouco a frear os hábitos consumistas.

Além disso, é importante considerar que a poupança tem um rendimento baixíssimo, sendo menor do que a taxa Selic. Portanto, qualquer outra alternativa de investimento acaba sendo mais rentável que ela. Desse modo, a alta liquidez se torna o único atrativo.

CDBs

Os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) também têm baixo risco e uma opção bem mais atrativa de retorno em comparação com a poupança. Nessa modalidade, você empresta o seu dinheiro para o banco, que financia suas operações com esse capital. Em troca, você é remunerado pelo empréstimo. Legal, né?

É com esse investimento que os bancos cobrem seus custos e, em troca, utilizam a taxa de CDI como referência para remunerar você. A liquidez, nesse caso, também é alta, o que significa que seu dinheiro pode ser resgatado a qualquer momento, todos os dias.

E, caso você se pergunte: e o que acontece com o meu dinheiro, se o banco fechar? Pode ficar bem tranquilo, porque esse tipo de aplicação é coberta pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Esse fundo cobre até R$250 mil em caso de falência ou impossibilidade do banco pagar pelos empréstimos tomados.

Letras de Crédito

As Letras de Crédito são outra opção de investimento ofertada pelas instituições financeiras para capitalizar suas aplicações enquanto você fomenta alguns mercados, como acontece no setor imobiliário e de agronegócio, por exemplo. As alternativas mais comuns nessa categoria são as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA).

A rentabilidade dessas aplicações é determinada pelo índice CDI. Dessa maneira, você compra a letra e deixa o valor rendendo pelo prazo preestabelecido. Ao final do período, pode resgatar seu dinheiro acrescido dos rendimentos. As letras de crédito também são garantidas pelo FGC.

Fundos de Renda Fixa

Você ainda pode recorrer a outra opção de investimento de baixo risco com um direcionamento um pouco mais variado. Trata-se dos fundos de renda fixa que, por si só, são um mercado com menor variação e menos riscos para o investidor.

Nessa modalidade, um gestor assume a administração do fundo. Essa pessoa é experiente e capacitada para operar esse tipo de investimento. Assim, ele elege os melhores títulos de renda fixa (na sua opinião) para aplicar e você ganha um percentual sobre os ganhos totais do fundo.

Essa é uma maneira de ampliar a diversidade da sua carteira sem necessariamente precisar assumir riscos altos. Ao mesmo tempo, você amplia suas possibilidades de retorno e ainda conta com a expertise de um especialista no assunto.

Consórcio

O consórcio também é uma ótima opção de investimento de baixo risco. Com ele, você aumenta o seu patrimônio em médio e longo prazo e ainda consegue planejar suas aplicações, sem perder o controle sobre o orçamento mensal.

Você pode escolher entre um bem como um carro, uma moto, um apartamento ou até mesmo um sítio e fazer suas aplicações mês a mês. Assim, quanto mais o tempo passa, maiores são as suas chances de ser contemplado para comprar o bem desejado.

Essa é uma maneira inteligente e desafiadora de fazer uma reserva financeira. Ao mesmo tempo, seu dinheiro será confiado a uma equipe especializada, o que vai garantir que você receba o seu bem dentro das condições contratadas.

Quais são as boas práticas para selecionar investimentos?

É claro que, para garantir uma boa rentabilidade e minimizar os riscos, você precisa adotar algumas boas práticas ao escolher suas aplicações. Veja só!

Liquidez

A liquidez é a disponibilidade de saque dos seus investimentos. Investimentos de alta liquidez podem ser sacados diariamente, enquanto os de baixa podem levar dias, semanas e até meses para compensar, como é o caso do imóvel, lembra? Para não errar na escolha, faça um bom planejamento financeiro.

Rendimento

Quanto mais alta for a liquidez dos seus investimentos, menos eles tendem a render. Por isso, é preciso ficar atento ao percentual de rendimento ao qual seu dinheiro está submetido. Se você quer um rendimento mais alto, precisará assumir riscos maiores.

Prazo de investimento

O prazo do investimento é a data até a qual ele ficará rendendo. Quando você deixa seu dinheiro na poupança, por exemplo, esse limite não existe. Mas quando você opta por qualquer outra modalidade, esse prazo precisa ser muito bem planejado, pois, se você tirar o seu dinheiro antes, você pode perder dinheiro.

E aí, curtiu saber mais sobre investimento de baixo risco? Então, que tal ficar por dentro de outras novidades? Assine nossa newsletter e receba tudo no seu e-mail!

Quer receber mais conteúdos como esses por email?

Cadastre-se para receber nossos conteúdos por email e tenha informações em primeira mão:

Use seu imóvel para tirar seus planos da gaveta

Comentários