Saiba quais são os 7 melhores investimentos atualmente

Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

A cada ano que passa muitas pessoas querem ter uma condição financeira melhor. Além de garantir tranquilidade, ter mais dinheiro vai ajudar você a realizar projetos pessoais, como comprar uma casa própria, um carro novo ou mesmo fazer aquela viagem tão esperada.

Para alcançar tudo isso, é importante manter um planejamento financeiro e, com as contas em ordem, procurar os melhores investimentos para fazer o dinheiro render.

Pensando nisso, selecionamos as 7 formas mais interessantes para aplicar seu dinheiro atualmente, considerando a rentabilidade e os riscos de cada uma das modalidades. Vamos conferir? É só acompanhar a leitura!

Um panorama da economia nos últimos tempos

O mercado brasileiro vive, mais uma vez, um período de alta inflação. Ela já ultrapassa os 8% ao ano e vem em uma tendência de alta que não se sabe ao certo até que ponto chegará. Além disso, a projeção do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) foi de 9,77% para o ano de 2021.

Dessa forma, para tentar conter esse aumento generalizado nos preços, o Comitê de Política Monetária do Banco Central vem sendo obrigado a adotar medidas para equilibrar a situação, como a elevação da taxa básica de juros da economia: a Selic.

Essas medidas são necessárias para que o Banco Central consiga acompanhar o ritmo do mercado e manter a Selic estável. Os resultados obtidos nos últimos meses têm gerado certa pressão. Isso afeta especialmente quem opera utilizando taxas de juros, gestores de patrimônio e especialistas em investimentos.

O que levar em conta ao investir

Quando você começa a investir, é importante ter em mente que esse tipo de operação envolve uma relação básica entre risco e retorno. De forma bem resumida, isso significa que, para ter ganhos, será preciso assumir riscos.

O risco é aquela incerteza que você tem sobre o retorno de um ativo. Por mais que estude e analise o mercado, não tem como garantir que aquele título ou papel dará um retorno positivo daqui a alguns anos. É claro que você pode fazer uma aplicação com juros pré-fixados, diminuindo o risco, mas ainda assim é possível que a taxa seja inferior à inflação.

Considerando a lógica de mercado, quanto mais riscos você assumir em um investimento, mais alta será a sua possibilidade de retorno (e a de perda também). É por isso que aplicações como as ações, em algumas situações, rendem mais do que no Tesouro Direto, por exemplo.

Por outro lado, olhando a partir da perspectiva do investidor, ele só pagará o risco de um determinado ativo se acreditar que aquele papel realmente vai se valorizar (e se o seu perfil de investimento permitir, é claro).

Mas, atenção: esse tipo de risco só vale a pena se você tiver um conhecimento compatível com a aplicação realizada. Se não for o seu caso, procure investir com o suporte de um especialista ou, então, opte por alternativas menos arriscadas.

A melhor maneira de decidir onde pôr seus recursos é analisando seu perfil de investidor: pense em quais riscos você pode suportar, por quanto tempo o dinheiro poderá ficar investido e qual será seu uso. Dessa forma, fica mais fácil escolher os melhores investimentos para você.

Como há diversos investidores bastante experientes no mercado, hoje já existem muitas estratégias que foram desenvolvidas com a finalidade de diminuir e mitigar esses riscos (ainda que eles nunca venham a ser nulos). Em outras palavras: não tem como investir sem correr riscos, mas você pode reduzi-los.

A diversificação da carteira de investimentos é uma dessas estratégias. Ela permite que, mesmo que haja uma perda expressiva em relação a algum ativo que você comprou, os demais amenizarão seus prejuízos.

É por isso que, em vez de colocar todo o seu aporte em ações, por exemplo, os especialistas recomendam que você tenha uma parcela no Tesouro Direto, outra em fundos imobiliários, outra em letras de crédito e assim por diante. Dificilmente todos esses mercados entrarão em declínio ao mesmo tempo. Assim, você reduz a probabilidade de perder tudo. Compreendeu?

Os 7 melhores investimentos

Agora é chegado o momento de você conhecer os 7 melhores investimentos que pode escolher para compor a sua carteira. Quer saber quais são? Veja a seguir!

1. Tesouro Direto

Cada vez mais popular entre os brasileiros, mesmo entre aqueles que investem pequenos valores e ainda estão começando, o Tesouro Direto é uma excelente opção.

De maneira bem simples, o Tesouro Direto é uma forma do Governo “pegar dinheiro emprestado” por meio da emissão de títulos. Quem compra um título desse tipo de investimento está cedendo um determinado valor ao Governo, que será devolvido após um tempo preestabelecido, acrescido de juros.

No momento, para tirar o maior proveito, a dica é escolher títulos atrelados à inflação ou à Selic, que oferecem proteção contra variações nessas taxas.

2. CDBs

Assim como o Governo, os bancos precisam de dinheiro emprestado para financiar suas operações de crédito. Eles fazem isso emitindo os Certificados de Depósito Bancário, conhecidos como CDBs. Disponíveis em diversos valores, são também uma boa opção mesmo para quem não tem muito dinheiro disponível para investir.

A rentabilidade desses títulos é baseada na taxa CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que varia de maneira similar à Selic. O conselho para buscar ganhos maiores nessa modalidade é procurar bancos que ofereçam taxas mais atrativas.

3. LCIs e LCAs

As Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) são títulos emitidos para o financiamento do mercado imobiliário e do agronegócio, respectivamente. Para quem investe, não há muita diferença entre as duas opções.

Os rendimentos brutos dessas aplicações costumam ser menores que os do Tesouro Direito. Contudo, as LCIs e LCAs são isentas de Imposto de Renda, o que as torna ainda mais interessantes.

4. Ações

Quem tem mais experiência, conhecimento e tempo pode considerar as ações na bolsa de valores. Elas são frações do capital de uma empresa e, ao comprá-las, você adquire o direito de receber uma parte dos lucros daquela companhia.

As ações são altamente voláteis, o que significa que os rendimentos podem subir e descer em um período muito curto, fazendo com que os donos das ações precisem ficar sempre atentos às oscilações do mercado.

Para investir em ações, é preciso se cadastrar em uma corretora. Além disso, é importante ficar de olho naquelas companhias que conseguem se manter consistentes, mesmo após os momentos de crise. Nesse caso, você deve pensar a longo prazo em como pode ter uma boa rentabilidade com os resultados do negócio, por meio dos dividendos que são distribuídos, e não apenas com a venda dos ativos.

Investir em ações envolve riscos. Mas, isso não significa que você deve deixa-las de lado. Na verdade, é fundamental inserir alguns desses papéis em sua carteira de investimentos. Nos tópicos abaixo, apresentaremos algumas opções interessantes para você considerar. Confira!

Vale S.A.

A Vale S.A. é uma mineradora genuinamente brasileira. Estatal durante muitos anos, foi privatizada na década de 1990. Desde então, passou a ter suas ações comercializadas na Bolsa de Valores com o código VALE3.

Essa empresa se torna uma boa opção para investir em ações graças aos seus números realmente impressionantes. Por exemplo, no terceiro trimestre de 2021 ela teve um lucro de aproximadamente US$ 3,8 bilhões. Assim, é fácil perceber que estamos tratando de uma empresa sólida e lucrativa. Ao focar o longo prazo, você pode ter resultados interessantes investindo nessa companhia.

Banco Itaú S.A.

O Banco Itaú também tem suas ações comercializadas na Bolsa de Valores. Trata-se de uma empresa consolidada no mercado, que vem tendo bons resultados ao longo dos anos. Em 2021, ela apresentou um aumento de 18,9% em suas receitas recorrentes; ou seja, aquelas que são pagas mensalmente pelos clientes do banco.

Também foi registrado um crescimento de 23% nas contas abertas ao longo do ano. A digitalização do Banco Itaú vem tornando essa companhia ainda mais sólida e confiável no mercado. Assim, é uma excelente opção para investir.

Para encontrar as ações do Itaú na Bolsa de Valores, você deve procurar o código ITUB4 em sua plataforma de investimentos.

Itaúsa

A Itaúsa é uma holding de investimentos. Ou seja, o foco da atividade dela é investir no mercado financeiro, mantendo uma quantidade grande das ações de determinadas empresas a ponto de ter participação no controle delas. Por exemplo, a Itaúsa tem aproximadamente 37% das ações do Banco Itaú, 28% das ações da Alpagartas e 48,5% da COPAGAZ.

Apesar de a empresa atuar no mercado financeiro com as ações dessas grandes companhias, ela também está listada na Bolsa de Valores. Logo, você pode adquirir suas ações. O código de negociação é o ITSA4.

Petrobras S.A.

A Petrobras é uma companhia de economia mista, o que significa que ela tem suas ações comercializadas na Bolsa de Valores, tendo como acionista majoritário o Governo do Brasil. Trata-se de uma das empresas mais buscadas nesse ambiente. Afinal, ela comercializa um dos produtos mais importantes da nossa economia, responsável por abastecer os veículos que transportam pessoas e outros itens de consumo.

Apesar de sofrer variações constantes no seu preço devido a questões políticas e econômicas, estamos falando de uma companhia tradicional e muito sólida. Portanto, se você procura um investimento para médio ou longo prazo com risco moderado, a Petrobras pode ser uma opção interessante. O código de negociação das suas ações na Bolsa de Valores é o PETR4.

5. Fundos de investimentos

Tesouro Direto, CDBs, CDIs, LCIs e LCAs são aplicações consideradas de baixo risco e oferecem muita segurança para o investidor. Por outro lado, quem tiver abertura para correr um pouco mais de risco precisa ficar de olho nos fundos de investimento.

Fundos são investimentos coletivos de pessoas que se unem para investir em determinado mercado. O patrimônio levantado por esses investidores é gerenciado por um administrador que já tem experiência nesse universo dos investimentos. Assim, ele utiliza esse capital dos cotistas para fazer aportes em ativos que fazem parte da classe em que o fundo atua.

Alguns exemplos são os fundos de renda fixa e imobiliários. Veja mais detalhes sobre eles nos tópicos abaixo.

Fundos de renda fixa

Os fundos de renda fixa precisam que as aplicações sejam feitas com pelo menos 80% do patrimônio líquido em ativos atrelados a um índice de preços. Por isso, é uma modalidade atrativa para diversificar seus investimentos, aproveitando as vantagens da renda fixa.

Fundos imobiliários

No caso dos fundos imobiliários, os investidores também aplicam seus recursos em conjunto com outras pessoas, mas dessa vez fomentando o mercado imobiliário. Em geral, o dinheiro levantado com esse tipo de investimento é empregado na construção e na aquisição de imóveis que, futuramente, serão locados.

A lei determina que 95% dos resultados dos fundos imobiliários sejam distribuídos entre os cotistas. É claro que isso abrange tanto os bons quanto os maus resultados. Mas, controlando o risco e contando com uma boa administração do fundo, essa é uma ótima forma de construir renda passiva. Afinal, os rendimentos acabam sendo distribuídos mensalmente.

Isso significa que, assim como o proprietário de uma casa recebe mensalmente pelo aluguel, os cotistas recebem a distribuição do valor pago pelo aluguel de prédios comerciais, shoppings centers, instalações universitárias e assim por diante.

6. Criptomoedas

As criptomoedas ainda se apresentam em um cenário bem instável. Nos últimos anos, elas viraram manchete, especialmente pela grande valorização, que beirou os 1.500% em 2017. É claro que isso chamou a atenção de muitos especuladores, que sofreram com uma queda de 80% logo após esse pico, mas voltaram a se valorizar e seguem em alta.

Bitcoin

Quando se fala em criptomoeda, a primeira que vem à mente das pessoas é o Bitcoin. Afinal, ela ficou muito conhecida e foi a primeira que despontou em todo o mundo. Além disso, pessoas famosas do universo do empreendedorismo mundial costumam citar essa criptomoeda em alguns momentos.

Por exemplo, Elon Musk, CEO da Tesla e um dos nomes mais influentes do mundo, já disse algumas vezes que investe em Bitcoin, o que faz o mercado aquecer bastante. Os Bitcoins surgiram em 2009 e, apesar de sua criação ser atribuída a um japonês chamado Satoshi Nakamoto, nunca foi provado que ele tenha sido o criador.

O fato concreto é que o Bitcoin é uma das mais interessantes criptomoedas do mercado. Mas é importante entender que ela não é a única. Existem outras que podem ser tão lucrativas quanto ela, que apresentamos com mais detalhes a seguir.

SOL

A Solana (SOL) é uma criptomoeda que tem como base uma tecnologia que não utiliza o sistema de blockchain — um sistema de codificação que garante segurança e confiabilidade às criptomoedas.

Os trabalhos iniciais para a sua criação iniciaram no ano de 2017. Contudo, ela foi lançada em março de 2020 pela Solana Fundation, que tem sede na cidade de Genebra, na Suíça.

COTI

A COTI é uma criptomoeda que surgiu em 2017 e ganhou o mundo em pouquíssimo tempo. Ela tem uma grande escalabilidade, processando mais de 100 mil transações por segundo. Além disso, o seu sistema é simples, o que torna o uso fácil e intuitivo.

O sistema de segurança é muito eficiente, protegendo os usuários contra fraudes e desvios. Um dos diferenciais da COTI é a ausência do procedimento chamado mineração.

A maioria das criptomoedas conta com pessoas e instituições ao redor do mundo que utilizam computadores superpotentes para tentar decifrar códigos de blockchain e criar novas criptomoedas para serem vendidas no mercado. Isso é um procedimento legal e perfeitamente aceito pelas administradoras.

Contudo, essas máquinas extremamente modernas consomem uma quantidade considerável de energia, o que já veio sendo criticado por muitos líderes mundiais e personalidades. No caso da COTI, não existem intermediários no processo de criação da criptomoeda. Logo, não é necessário o procedimento de mineração.

Assim, em um mundo cada vez mais preocupado com as mudanças climáticas, adquirir criptomoedas que reduzem o uso da eletricidade é um caminho interessante.

BNB

Por fim, temos o Binance Coin, ou BNB. Essa criptomoeda foi lançada, a princípio, para o uso em instituições chamadas Exchange. Basicamente, elas são corretoras desse tipo de ativo que têm por objetivo facilitar o acesso deles a pessoas comuns.

O ano de lançamento é 2017 e a corretora escolhida foi uma das maiores do mundo em criptomoedas, que é a Binance. Logo, o Binance Coin é uma alternativa para quem deseja investir de forma mais segura. Afinal, temos uma instituição gigantesca por trás dela.

Para finalizar este tópico, é importante entender que as criptomoedas seguiram oscilando bastante, dando a entender que gerariam lucros altíssimos, mas despencando em seguida. Portanto, se você quiser diversificar sua carteira com esses ativos, nossa recomendação é que sua decisão seja apoiada por um especialista no assunto.

Além disso, é importante ter uma gestão de risco muito bem elaborada. Nela, você determina um percentual — que deve ser pequeno — do seu capital que é colocado em criptoativos.

Além disso, é interessante não se limitar a uma única moeda. Assim, caso uma ou outra sofra uma desvalorização brusca, você não compromete uma quantidade tão considerável do seu patrimônio total. A diversificação é um dos principais segredos do sucesso nesse universo dos investimentos.

7. Investimento em moedas estrangeiras

Uma estratégia que pode vir a calhar neste momento de instabilidade econômica é o investimento em moedas estrangeiras. Existem, inclusive, fundos de investimento voltados para essa categoria. Dessa forma, os investidores surfam a onda da flutuação de preço das moedas e ganham dinheiro com isso. Para tanto, é preciso ter conhecimento nesse mercado e contar com um respaldo profissional.

Os chamados Fundos Cambiais permitem proteger os objetivos de médio e longo prazo contra a constante oscilação da moeda, além de garantirem um bom ganho com a variação cambial. Nessa alternativa, você pode aproveitar para investir no mercado do câmbio, sem necessariamente comprar moedas.

Agora você está por dentro das principais informações que podem impactar as suas aplicações. Além disso, conhece os melhores investimentos para realizar nos próximos anos. Portanto, sempre que for necessário, revise o conteúdo para ajudar a orientar suas escolhas!

Gostou das dicas? Então aproveite e compartilhe com seus amigos nas redes sociais!

Quer receber mais conteúdos como esses por email?

Cadastre-se para receber nossos conteúdos por email e tenha informações em primeira mão:

Use seu imóvel para tirar seus planos da gaveta

Comentários