231092-minimalismo-saiba-o-que-e-e-como-economizar-com-a-tendencia

Minimalismo: saiba o que é e como economizar com a tendência

Agosto 2018

5 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

O minimalismo é uma forma de agir em que tudo aquilo que é irrelevante é jogado fora e apenas o essencial permanece. Mais do que isso, ele é um estilo de vida que seus adeptos adotam em todas as esferas das suas rotinas.

Dessa maneira, os processos da vida são simplificados e o indivíduo passa a priorizar a qualidade, em detrimento da quantidade. Já faz um tempo que a palavra minimalismo é discutida em diversos sites e blogs, a ponto de tornar-se uma tendência entre as pessoas.

Pensando nisso, preparamos este conteúdo para que você possa mergulhar no conceito, descobrir como aplicá-lo na sua própria vida e quais lições é possível aprender com essa forma de viver, se relacionar com os bens materiais e desenvolver inteligência financeira. Continue a leitura!

Como economizar com o minimalismo?

O minimalismo tornou-se uma tendência porque, além de incentivar o foco, consegue afetar outras áreas da vida de seus adeptos — financeiramente falando, por exemplo, ele estimula a economia, ajudando até mesmo a lidar com imprevistos financeiros.

Um dos grandes pontos dessa prática é que, ao focar o essencial, o praticante acaba escolhendo cuidadosamente não só as coisas que vai largar, mas também as que vai adquirir. O importante é manter com você apenas o que é prioritário.

Assim, um dos critérios para a escolha é que a qualidade deve ser mais importante do que a quantidade. Nesse contexto, a economia acontece quase que sem querer. Um minimalista vai economizar ao escolher dois shorts de R$ 60 feitos com materiais duradouros, por exemplo, no lugar de quatro shorts de R$ 30 que são de baixa qualidade.

Como incorporar esse estilo de vida ao seu dia a dia?

Não há exatamente um número certo de coisas que um minimalista precisa manter em sua vida. Isso, é claro, vai depender do que é essencial para cada um. Contudo, existem alguns princípios que podem tornar esse processo mais fácil. Para ajudá-lo nessa tarefa, separamos a seguir alguns passos importantes para adotar o minimalismo!

Revise o que você possui

Para incorporar o minimalismo em sua vida, é preciso saber o que realmente é prioridade nela. Isso significa que realizar uma revisão das suas coisas é primordial.

Não pense que será um processo rápido! Dependendo do número de itens, pode levar meses. Seja paciente, pois o minimalismo é uma prática constante. Para ajudar, aplique a regra 90/90, na qual você analisa o que não foi utilizado em 90 dias e que, nos próximos três meses, tem certeza de que não utilizará.

Pense no que faz você feliz

É muito importante que você conserve apenas aquelas coisas que realmente lhe trazem felicidade, pois trata-se de uma boa maneira de determinar o que é, de fato, importante.

Considere o espaço da sua casa

Mais do que a quantidade de itens, o minimalismo se preocupa muito em manter o espaço organizado. Por isso, ao avaliar o que você possui em casa, é fundamental levar isso em consideração. Se não há local para aquilo, talvez não seja necessário.

Entenda que o minimalismo vai além dos pertences

O último passo é entender que a prática do minimalismo não se limita apenas às coisas materiais, mas também a diversas outras áreas da vida.

Como você quer focar apenas o que é essencial, isso pode mudar seu comportamento perante compromissos, por exemplo, e até mesmo amizades. Se você trabalha como autônomo e costuma aceitar todos os trabalhos que aparecem, talvez comece a selecionar melhor, visto que a sua qualidade de vida será o mais importante.

O que é possível aprender com o minimalismo?

Além de mudar sua forma de viver e até mesmo ajudá-lo a poupar recursos, reduzindo seu consumo, o minimalismo afeta a forma como vemos o mundo e tudo o que acontece ao nosso redor. Pensando nisso, veja lições incríveis transmitidas por essa maneira de viver.

Estamos condicionados à insatisfação 

Você desembolsou milhares de reais no lançamento de um smartphone e, poucos meses depois, um novo modelo é lançado. Ele não traz muitas melhorias em relação ao que foi comprado pouco antes, mas algo parece empurrá-lo para uma nova aquisição que, na ponta do lápis, não faz muito sentido.

Esse desejo aparentemente irresistível não tem nada a ver com consumismo, na maioria dos casos. Ele parte mais de um condicionamento imposto pela mídia e pela sociedade que nos obriga a mirar sempre em melhorar nosso padrão de vida, mesmo quando isso não é necessário.

Com isso, as pessoas precisam de cada vez mais dinheiro na tentativa de alcançar o novo padrão, que, quase sempre, é inatingível.  Não é simples romper esse ciclo, mas fazê-lo significa obter a liberdade para dedicar recursos para investir na sua própria vida e no seu futuro.

Nem sempre priorizamos a qualidade

Optar pela qualidade significa também consumir menos e melhor. Quem segue o estilo minimalista passa a priorizar sempre itens mais duráveis, de procedência garantida, e que cumpram suas funções por um longo período sem que seja necessário descartá-los rapidamente.

Além de reduzir as compras desnecessárias, ter poucas e boas coisas facilita na hora em que precisamos tomar decisões, o que também gera uma economia de tempo. Pense, por exemplo, em ter que escolher entre 15 camisas não tão boas, e como seria mais simples se elas fossem apenas cinco, mas de ótima qualidade.

Esquecemos a importância da desconexão

Como mencionamos acima, o minimalismo vai além dos pertences que possuímos. Às vezes, o excesso vem do constante fluxo de informações e estímulos aos quais estamos expostos desde o momento em que acordamos até antes de fecharmos os olhos.

Logo, tente redescobrir o prazer de estar desconectado, sem notificações interrompendo atividades prazerosas. Comece fazendo isso não tocando no telefone assim que acordar e prolongue essa prática para períodos maiores aos poucos. Esse hábito reduzirá seu estresse e diminuirá a sensação de sempre estar ocupado com algo e sem tempo para si mesmo.

Conseguimos ser felizes com menos

Essa talvez seja a lição essencial do minimalismo: a felicidade não está no acúmulo de coisas, já que nenhum objeto tem a capacidade garantir que uma pessoa seja feliz. Por isso é tão importante vasculhar armários, caixas e gavetas em busca daquilo que não é mais utilizado.

Durante esse processo, compreenda que é possível substituir a satisfação proporcionada por objetos pelas experiências que acrescentem sentido à sua vida. Elas podem ser tanto seu emprego e uma viagem internacional quanto o trabalho voluntário em uma instituição que precisa de ajuda.

Viu só? O minimalismo pode proporcionar uma rotina mais organizada e bem planejada, na qual você tem tempo e espaço para tudo o que mais importa.

Agora que você já descobriu que é o minimalismo e como pode aplicá-lo em sua vida, compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais e mostre o conceito para seus amigos. Eles certamente adorarão!


 

Comentários