O que é IOF? Entenda o conceito e a aplicação do imposto

Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Direta ou indiretamente, o Imposto sobre Operações Financeiras acaba fazendo parte da vida da maioria dos brasileiros. Mas o que é IOF, exatamente? Como ele influencia as suas transações do dia a dia e a economia como um todo?

Para ajudar você a conhecer melhor esse imposto tão importante no cenário brasileiro, preparamos este artigo especial com tudo sobre IOF. Acompanhe!

O que é IOF?

O Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários foi previsto ainda na Constituição de 1988. No entanto, entrou em vigor apenas em 1994, com seu nome abreviado para Imposto sobre Operações Financeiras, ou IOF.

A ideia era criar uma taxação sobre transações que não envolviam diretamente a troca de bens ou serviços, como compra de moeda estrangeira, operações de crédito, negociação de seguros e outros títulos. Porém, essa não é a única finalidade do IOF. Como é diretamente aplicado a negociações financeiras, desde seu surgimento o imposto vem sendo utilizado também enquanto uma maneira de regular o mercado.

Assim, o IOF funciona como um indicador econômico. O aumento ou a diminuição da arrecadação pode apontar setores da economia que estão acelerados ou em um período de retração. A partir desse acompanhamento, o Governo pode utilizar a própria taxa do IOF como maneira de incentivar ou frear essas transações, buscando sempre um equilíbrio entre oferta e demanda de crédito.

Quando o IOF é cobrado?

Existem algumas exceções, mas podemos dizer que praticamente todas as transações financeiras estão sujeitas à aplicação de taxas específicas de IOF. Veja os exemplos mais comuns na rotina do brasileiro.

Câmbio

Transações de câmbio sempre estão sujeitas ao IOF. Os exemplos mais comuns são a compra/venda de moeda internacional e as compras feitas em moeda estrangeira — visitando outro país ou mesmo em compras online.

Crédito

As transações que envolvem crédito também geram uma cobrança de IOF. Alguns exemplos são o uso de cheque especial e cartão de crédito, bem como o resgate de investimentos feitos dentro e fora do país.

Serviços financeiros

Além de operações bancárias e transações financeiras, o imposto IOF incide sobre o crédito oferecido como serviço. Os mais comuns para nossas rotinas são empréstimos, financiamentos e todos os tipos de seguros.

A forma e o período como o imposto será cobrado depende da natureza da operação financeira. Em casos de transações únicas e diretas, como compras internacionais ou venda de moeda, ele é acrescido diretamente na transação realizada.

Já em serviços de crédito, não é preciso pagar o imposto todos os dias. O recolhimento geralmente ocorre em periodicidade mensal. Dessa forma, mesmo que a taxa em si possa variar diariamente, a cobrança do IOF em seguros, financiamentos e afins é mais estável.

Qual é o valor do IOF?

Como citamos, o IOF é utilizado para equilibrar transações financeiras no mercado. Portanto, é natural que cada setor e tipo de operação tenha suas alíquotas próprias para objetivos econômicos específicos.

Ou seja, o impacto do imposto na sua vida depende do tipo de transação de crédito que você planeja ou precisa utilizar no dia a dia. Vamos apresentar os exemplos mais comuns e mostrar como o IOF incide em cada um desses casos.

Cartão de crédito e cheque especial

Quando o brasileiro precisa usar o rotativo do cartão ou o cheque especial, sabe que terá que contar com um bom planejamento financeiro para lidar com os juros altos dessa modalidade. Infelizmente, ainda há a incidência do IOF para aumentar ainda mais os encargos.

Nesse caso, a alíquota é pequena, porém existe: 0,38% sobre o valor atrasado e o período de atraso. Assim como os juros, esse valor sobre o qual a porcentagem incide cresce ao longo do tempo, exigindo cuidado e prontidão para quem utiliza o serviço.

Compra e venda de moeda estrangeira

A taxa de IOF para operações de câmbio é um pouco maior, de 1,1% sobre o valor pago. Aqui, a cobrança é imediata e acrescida ao valor da transação, geralmente calculada de maneira automática pelo serviço de câmbio.

Compras internacionais

A internet facilitou muito a vida de brasileiros que desejam comprar produtos de outros países. Basta um cartão de crédito que aceite transação em moeda estrangeira para encomendar um produto ou contratar um serviço de fora.

Mas, exatamente para proteger o mercado interno, a alíquota do IOF é mais alta: você paga 6,38% do valor da compra. Essa cobrança vem identificada e discriminada na fatura do seu cartão.

Financiamento e empréstimo

Se você está pensando em pegar um empréstimo, financiar uma casa ou um veículo, saiba que esse tipo de serviço implica a cobrança de 0,38% sobre o valor total do contrato, além de 0,0082% ao dia durante sua vigência.

Nesse contexto, a taxa do IOF costuma ficar embutida nas parcelas. Por isso, é sempre importante analisar bem as opções do mercado para encontrar as melhores condições.

Investimentos

Nos investimentos mais comuns para os brasileiros, o IOF está presente apenas em aplicações de renda fixa, como Certificado de Depósito Bancário (CDB) e Tesouro Direto. E isso acontece apenas se você resgatar antes de o depósito completar um mês. Outras modalidades, como poupança e Letra de Crédito Imobiliário (LCI), não têm cobrança do imposto.

Seguros

O imposto IOF é cobrado em seguros no valor pago na hora da contratação — o popular "prêmio". Assim como em empréstimos, a taxa costuma ficar embutida no pagamento à vista ou nas parcelas, variando de acordo com o tipo de seguro. Para carros, por exemplo, ela é de 7,38%.

Como o IOF é calculado?

A forma de calcular quanto será pago de imposto é a mesma: basta dividir a porcentagem por 100 e, em seguida, multiplicar esse resultado pelo valor da transação.

Imagine que você comprou R$ 500,00 em moeda estrangeira. A primeira conta a ser feita é 1,1 ÷ 100 = 0,011. Então, devemos multiplicar 500 × 0,011 = 5,5. Portanto, ao pagar R$ 500,00 com uma alíquota de 1,1%, você desembolsa R$ 5,50 adicionais de IOF.

A conta é simples, mas cada tipo de transação, serviço e contrato terá suas particularidades no cálculo. Por isso é tão importante entender o que é IOF. Afinal, como você viu, é um imposto que influencia em boas decisões na hora de pegar empréstimos, fazer financiamentos e investir no seu futuro.

E aí, gostou de aprender mais sobre o IOF? Se quiser continuar informado e se preparar para fazer escolhas financeiras acertadas, assine a nossa newsletter!

Quer receber mais conteúdos como esses por email?

Cadastre-se para receber nossos conteúdos por email e tenha informações em primeira mão:

Use seu imóvel para tirar seus planos da gaveta

Comentários