prestação de consórcio

Você sabe como a prestação do consórcio é calculada?

Abril 2019

2 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

O consórcio é uma forma segura e confiável de adquirir diversos bens e serviços. Com o pagamento de parcelas mensais, o consorciado acumula os recursos que lhe darão direito a uma carta de crédito. Ela permite a aquisição do imóvel, veículo ou qualquer outro item que esteja previsto pelo grupo.

Mas, antes de fechar negócio, é preciso levar em consideração a prestação de consórcio, compreendendo quais valores a compõem. Esse é objetivo deste texto. Acompanhe!

Como é feito o cálculo da prestação do consórcio?

Ao contrário do que possa parecer, o cálculo do preço a ser pago todo mês pelo consórcio não é simplesmente dividir o valor da carta de crédito pelo número de meses previsto no plano.

Nas parcelas, estão incluídos os valores para honrar o pagamento de algumas taxas, que servem para remunerar o serviço da administradora e oferecer proteção ao consorciado contra alguns tipos de imprevistos.

Quais são as taxas incluídas?

Entender como essas taxas são calculadas e qual é a importância delas ajuda a escolher a parcela do consórcio mais adequada ao seu orçamento. Listamos as principais abaixo!

Fundo comum

O dinheiro para a formação do fundo comum é a maior parte da parcela de um consórcio, já que ele se refere aos valores pagos para a aquisição do bem. Para chegar a esse número, basta dividir o preço total do bem pelo número de meses.

Taxa de administração

A função da taxa de administração é remunerar os serviços prestados pela administradora. A empresa é responsável por organizar os grupos, gerir os recursos acumulados e realizar as assembleias, entre outros procedimentos necessários para o bom andamento do consórcio.

O valor da taxa de administração é obtido a partir de uma porcentagem da carta de crédito. Depois disso, ele é diluído entre todas as parcelas. Com isso, o peso sobre cada prestação é pequeno e bastante competitivo, principalmente quando comparamos com os juros cobrados em um financiamento.

Fundo de reserva

A função do fundo de reserva é resguardar o grupo do consórcio de problemas com a inadimplência ou os atrasos nos pagamentos de outros consorciados. O contrato precisa especificar a maneira como os recursos depositados podem ou não ser usados.

O cálculo segue os moldes da taxa de administração: uma porcentagem sobre a carta de crédito diluída de forma igual entre todas as prestações. Mas, enquanto a taxa de administração pode atingir 10%, o fundo de reserva geralmente não ultrapassa 3%, na maioria dos casos.

Além disso, se ele não for utilizado até o encerramento do grupo, os valores acumulados devem ser ressarcidos entre todos os consorciados que fizerem jus aos depósitos.

Seguro

Por fim, temos o seguro, que não está presente em todos os consórcios, mas oferece cobertura para a morte ou invalidez do consorciado. Isso assegura o pagamento das parcelas restantes e protege da inadimplência, funcionando como uma espécie de garantia.

Os valores variam de acordo com a seguradora contratada, com a cobertura e com o bem do consórcio. Por isso é importante estar atento a essa cobrança.

Agora que você sabe tudo o que está incluso na prestação de consórcio, faça as contas, planeje seu orçamento e escolha a alternativa mais adequada ao seu bolso.

Vale lembrar que algumas instituições não cobram fundo de reserva e fundo comum, sabia? Se quiser conhecer as melhores opções em consórcio, entre em contato com a Rodobens agora mesmo! 

Comentários