Um bom controle sobre a frota é essencial para qualquer empresa que depende de serviços logísticos mantenha seu funcionamento os bons resultados. E, na prática, uma boa gestão de frota passa pelo acompanhamento dos chamados KPIs, sigla em inglês para Key Performance Indicators — indicadores-chave de performance, em português.

    Para demonstrar a importância dos KPIs e apontar quais devem ser acompanhados de perto nesse setor é que preparamos este conteúdo. Leia até o final para saber como eles podem ajudá-lo no dia a dia!

    Afinal, o que são esses tais KPIs?

    Apesar do nome um pouco complicado, não é difícil entender o que são os KPIs. Podemos defini-los como índices que permitem fazer um acompanhamento preciso do desempenho de sistemas e processos. 

    Utilizado por diversos ramos de negócio, esse definitivamente não é um conceito restrito à gestão de frotas, ok? Logo, cada empresa precisa encontrar quais indicadores são realmente úteis para a administração correta das atividades que desenvolve.

    Qual a importância de acompanhá-los?

    Um dos princípios básicos de uma boa gestão em qualquer área é descrito em uma frase simples: não é possível melhorar aquilo que não pode ser medido. Tal conceito também resume bem a importância dos KPIs, inclusive na gestão de frotas. 

    Os indicadores permitem a observação dos resultados reais da introdução de novas estratégias, bem como promovem a identificação de problemas que costumam prejudicar a eficiência ou mesmo a elaboração de projeções.

    Quais são os principais KPIs da gestão de frota?

    Na gestão de frotas, os KPIs podem ser obtidos de diversas fontes, o que demanda bastante organização e planejamento. As principais fontes são planilhas e relatórios, além dos rastreadores e tacógrafos dos veículos. Listamos aqui os principais indicadores e como acompanhá-los da maneira correta. Veja!

    Consumo de combustível

    Responsável por boa parte dos custos de uma frota, o consumo de combustível deve ser analisado de perto. Esse KPI ajuda a entender o desempenho dos veículos e dos condutores, identificando o que pode ser feito para reduzir os gastos.

    As principais variáveis que entram nesse cálculo são o consumo por quilômetro rodado, tanto por veículo quanto por motorista, além do preço médio do combustível. Os veículos que consomem demais devem passar por manutenção. Já os motoristas precisam passar por treinamentos.

    Despesas com manutenção

    As despesas com manutenção são calculadas com base no custo médio necessário para manter cada veículo em ordem. Os preços das peças e da mão de obra são analisados, bem como a ocorrência de quebras recorrentes, normalmente resultantes de mau uso ou da falta de qualidade dos insumos utilizados.

    Incidência de multas

    Mesmo que muitos cuidados sejam tomados, as multas surgirão. É essencial, portanto, mapear quais motoristas cometem mais infrações e qual o valor médio das autuações. Com isso, fica mais fácil direcionar esforços para programas de treinamento que diminuam tais incidentes.

    Frequência de sinistros

    Os sinistros dizem respeito a batidas, acidentes, roubos e furtos que danifiquem os veículos. Por mais que sejam ocorrências difíceis de serem previstas, uma mensuração correta ajuda a identificar padrões que mostrem as situações nas quais os veículos e motoristas estão expostos a riscos maiores.

    Para tanto, o cálculo envolve o número de sinistros em determinado período, bem como os horários e locais em que eles mais acontecem, além até das cargas levadas nessas ocasiões.

    Com a análise correta dos KPIs torna-se possível otimizar a gestão da frota, definir metas e aplicar recursos em busca de melhorias de desempenho para que tudo funcione da maneira adequada.

    Por fim, se gostou das nossas dicas, não deixe de compartilhar o post em suas redes sociais para que elas ajudem também seus amigos!