contemplação é o instante mais esperado por quem decide participar de um consórcio. É após esse momento que o consorciado recebe a desejada carta de crédito, que permite a aquisição do bem ou serviço estipulado em contrato.

    Mesmo depois da contemplação, o contemplado deve continuar honrando as parcelas. No entanto, existe a opção de pagar o saldo devedor antes do prazo. Neste texto, explicamos todos os detalhes sobre como quitar consórcio. Boa leitura!

    Quando é possível quitar o consórcio?

    Uma das principais características de um consórcio é que todos os integrantes do grupo que mantiverem o pagamento em dia receberão sua carta de crédito em algum momento, mesmo que seja apenas no encerramento do grupo. Já quem é contemplado, seja nos sorteios das assembleias ou por meio de lances, tem acesso antecipado ao documento que viabiliza a aquisição.

    De qualquer maneira, o bom funcionamento de um consórcio depende que todos os consorciados honrem seus pagamentos até o fim, para que o dinheiro reunido seja suficiente para a compra do bem de todos os integrantes do grupo.

    Por isso os contemplados precisam continuar pagando as parcelas. Contudo, como ressaltamos na introdução, há a opção de fazer a quitação do consórcio de forma antecipada e eliminar todas as pendências existentes.

    As regras para fazer isso variam de acordo com a administradora e com o que foi estabelecido em contrato, mas geralmente são três: de maneira direta, indireta ou diluída nas parcelas.

    Na forma direta, as parcelas serão quitadas a partir daquela com vencimento mais próximo. Na indireta, é o contrário: a quitação começa pelas parcelas com último vencimento. Já na quitação diluída, a quantia abatida diminuirá o valor a ser pago pelas prestações restantes.

    Quais são as vantagens de quitar o consórcio?

    Agora que você conhece as possibilidades para quitar o consórcio após a contemplação, confira as vantagens de tomar essa atitude.

    Ficar livre das parcelas

    O pagamento das parcelas mensais do consórcio compromete uma parte do orçamento. Por isso, a quitação libera essa fatia da renda, que pode ser utilizada para outros fins — inclusive para a contratação de um novo consórcio visando a compra de outro bem.

    Reduzir gastos com a correção de crédito

    Todo consórcio passa por reajustes periódicos, quase sempre de acordo com a inflação. Isso é necessário para evitar que a carta de crédito dos que ainda não foram contemplados perca poder de compra. Quem antecipa a quitação consegue fugir desses reajustes.

    Deixar o bem livre de alienação

    Durante o período que segue a contemplação e vai até a quitação, o bem fica alienado junto à administradora, o que impede que ele seja vendido pelo consorciado. Com o consórcio quitado, essa obrigação é desfeita.

    Utilizar recursos do FGTS

    Quem faz parte de um consórcio de imóveis pode lançar mão dos recursos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para abater o saldo devedor, de acordo com as regras estabelecidas pela Caixa Econômica Federal.

    Em qualquer um dos casos, é importante sempre consultar o contrato e saber quais são as políticas da administradora. Assim, você analisa sua situação financeira antes de decidir se vale a pena quitar consórcio já contemplado.

    Quer saber tudo sobre consórcios? Siga-nos no Instagram, no Twitter, no LinkedIn e curta nossa página no Facebook!