Saúde financeira: 7 dicas para mantê-la saudável!

Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Um dos primeiros marqueteiros políticos dos Estados Unidos, John L. Beckley, disse uma vez que a maioria das pessoas não planeja fracassar, mas fracassa por não planejar. É por isso que, mesmo em momentos de crise, alguns ainda conseguem manter suas contas no azul e a saúde financeira positiva.

Mesmo que a pandemia tenha afetado 8 em cada 10 brasileiros em 2020, houve quem se manteve de pé. Mas nem todo mundo consegue ficar assim. Se você está aí, por exemplo, pensando em formas de lidar com as suas finanças, de certo, quer superar as dificuldades e fazer parte do grupo financeiramente saudável.

Então, saiba que está no lugar certo. Por aqui, vamos explicar o que, de fato, é essa saúde financeira e como alcançá-la. Confira!

O que é saúde financeira?

De maneira simplificada, esse tipo de saúde é quando uma pessoa vive com sua organização financeira em dia. Também podemos falar de alguém que é independente financeiramente, ou seja, que não é refém dos hábitos negativos ligados ao dinheiro.

Ao contrário, esse sujeito inclui práticas saudáveis de lidar com as finanças em suas rotinas, o que permite realizar todos os seus objetivos. E a saúde financeira vai além de possuir dinheiro ou bens. Ela está muito mais ligada à educação financeira, sobretudo na sua esfera comportamental.

Quais são os benefícios de estar em dia com a saúde financeira?

O maior dos benefícios, claro, é a conquista da independência financeira, sobre a qual falamos ali em cima. Afinal, essa vantagem desencadeia várias outras, que vão além da organização das finanças. Por mais que seja incrível ter as contas no azul, você acaba melhorando outras áreas da sua vida, como sua relação com o consumo.

A sensação mais nítida da saúde financeira é quando a pessoa começa a consumir de uma forma mais racional. O consumismo aqui se transforma em um consumo consciente, de qualidade. O dinheiro é direcionado ao que importa, e sua vida fica mais leve em todos os sentidos — porque aprendemos a viver mais com menos.

Não para por aí, pois, com organização financeira, também conseguimos tirar do papel diversos objetivos, dos mais antigos e robustos aos mais simples. A pessoa pode tanto voltar a praticar atividades físicas (porque sobra dinheiro para a academia) quanto investir em seu primeiro veículo.

Isso sem falar do estresse que some do dia a dia, porque não é mais necessário se preocupar com os boletos atrasados ou com as dívidas que só crescem, por exemplo. A saúde financeira é sinônimo de maturidade, responsabilidade e tranquilidade, algo que aumenta o bem-estar e a qualidade de vida de qualquer um.

Como posso manter minha saúde financeira em dia?

Se você estava lendo até aqui e conseguiu sentir o prazer ao se imaginar vivendo essa realidade, está na hora de aprender na prática a criar e a manter a saúde financeira. Preparamos algumas dicas pontuais, que vão além das clássicas metas financeiras. Que tal dar uma olhada?

1. Faça controle de suas receitas e despesas

Chega de confiar só na sua memória. A melhor maneira de se organizar para alcançar uma vida financeira saudável é por meio do controle pontual de receitas e despesas. Basicamente, contabilize tudo o que entra e sai do seu bolso. Você pode usar papel e caneta, mas os aplicativos de gerenciamento financeiro são ótimos nesse sentido.

Quando anotamos detalhadamente todas as variáveis da nossa situação financeira, conseguimos visualizar a realidade de um jeito muito mais nítido e realista. Os números todos juntos, somados e subtraídos, podem até assustar em um primeiro momento, mas são os raios X perfeitos dos seus hábitos de consumo.

2. Busque saber mais sobre finanças

Para ter ânimo nessa missão, vale a pena entender de verdade como as coisas funcionam. É aqui que entra a importância da educação financeira. Com esse tipo de conhecimento, é possível ter a autonomia necessária para lidar com o dinheiro sem que ele domine sua vida.

Você já está fazendo isso aqui, lendo este conteúdo no nosso blog! A dica é: continue, pesquise, estude e aprenda cada vez mais. Isso ajuda até mesmo praticar o autoconhecimento para seus hábitos, cortar gastos desnecessários e usar sua renda de um jeito mais inteligente.

3. Planeje sua aposentadoria

Quem tem saúde financeira, pensa também na saúde física e mental de uma vida sem preocupações futuras. Mas isso não quer dizer que você não deva empenhar esforços em planos de longo prazo — como é o caso da aposentadoria.

No Brasil, infelizmente, as pessoas só se lembram desse fator quando a idade chega. E esse é o maior erro, afinal, o momento de se planejar é hoje. Aproveite seu tempo usado na educação financeira e estude formas de investir em previdência privada, por exemplo, ou em alternativas de ter seu dinheiro à sua espera lá no futuro.

4. Tenha uma reserva de emergência e diversifique seus investimentos

Já que você vai planejar sua aposentadoria, também vale a pena pensar em outras formas de investimento e em objetivos de médio e curto prazos. Aqui, entra até sua reserva de emergência, para ser usada em momentos realmente necessários. Aliás, essa foi a maior lição financeira durante a pandemia.

Com dedicação não só para poupar, mas para aprender, você vai ver que é totalmente possível separar um valor para esse fundo emergencial e outro para diversificar seus investimentos. Assim, o seu dinheiro não fica 100% comprometido em um único lugar.

5. Quite suas dívidas

Todas as dicas que demos até aqui são valiosas, mas elas não vão vingar se você não resolver sua vida financeira primeiro. Então, se tem dívidas em aberto, faça o máximo de esforço para quitar todas elas. Nesse sentido, é preciso ter inteligência estratégica para não cair em empréstimos com juros altos e só aumentar a bola de neve.

Mas, por outro lado, pode ser interessante contrair uma dívida menor para pagar a maior. Afinal, ela é sua prioridade. É só analisar com calma os juros e as taxas mais atrativos do mercado, colocando tudo na ponta do lápis. Negocie com os credores e as instituições financeiras e encontre a melhor saída.

6. Procure fontes extras de renda

Uma saída para facilitar o gerenciamento das contas do mês — e até de quitar dívidas mais rápido — é com o aumento da renda. Mas, se a tão sonhada promoção não chega, é possível fazer um dinheiro extra com outras atividades.

Hoje a internet é um campo vasto nesse sentido. Sem sair de casa, você pode encontrar fontes adicionais de renda com trabalhos freelance, com vendas online e até marketing de afiliados. Também é válido dividir seu conhecimento com cursos, aulas e outros infoprodutos, que garantem uma renda recorrente interessante.

7. Considere fazer um consórcio e contratar seguros

Fazemos a reserva de emergência, mas não podemos contar somente com ela nem com a sorte. Por isso, vale muito a pena investir em seguros — de vida, de saúde, veicular etc. Esse é um custo mensal que, na verdade, é revertido em tranquilidade, proteção e conforto para você e sua família em momentos difíceis.

Isso também vale para a decisão de fazer um consórcio, porque consórcio é sinal de segurança. Ao participar de um grupo de consorciados, você paga parcelas justas do valor total, pode ser contemplado antes da quitação e só custeia a taxa administrativa. E ela não chega nem perto dos juros altos dos bancos tradicionais.

Deu para perceber que a saúde financeira se encontra nas decisões mais simples do dia a dia? São de pequenas atitudes que sua vida decola, principalmente quando se trata de finanças. Então, agora é só aproveitar nossas dicas, mirar nos seus objetivos e desfrutar dos resultados!

Se gostou do que viu até aqui, não pode ir embora sem antes descobrir também como sair da crise financeira com segurança!

Use seu imóvel para tirar seus planos da gaveta

Comentários