Você por acaso está preparado para lidar com um imprevisto que o tire do trabalho? A verdade é que, por mais que a Previdência tenha suas obrigações, a ajuda que proporciona é limitada e bastante burocrática. O ideal, portanto, é se garantir, ter certeza de que poderá contar com uma renda razoável em um momento de necessidade. Mas como?

    No post de hoje, vamos falar de um serviço criado justamente para isso: o seguro DIT — sigla para Diária de Incapacidade Temporária. Mostraremos por que todo profissional deve considerar sua contratação e como é seu funcionamento. Confira!

    Uma introdução ao modelo

    Seguro Diária de Incapacidade Temporária é apenas um dos nomes que esse serviço recebe. Na prática, pode ser atrelado a um seguro de vida individual ou, ainda, chamado de Seguro de Renda por Incapacidade Temporária (SERIT). De toda forma, o importante é que ele pague uma indenização para o trabalhador afastado de suas atividades por motivo de doença ou acidente.

    A indenização do seguro DIT

    O cálculo da indenização pode ser previsto já no contrato do seguro, geralmente seguindo uma lógica bem simples: caso o trabalhador tenha uma renda de 6 mil reais e deseja cobri-la integralmente, paga uma apólice condizente. Ao precisar acionar o seguro, a empresa faz o pagamento por dia, relativo a 1/30 da renda assegurada. Nesse caso, a cada dia parado, o segurado seria indenizado em 200 reais.

    O DIT e o INSS

    Em tese, os trabalhadores celetistas (sob regime da CLT) podem ter direito a ajudas da Previdência Socialem caso de impedimento para trabalhar — como o auxílio-doença. Os grandes problemas aí estão na lentidão e nos limites envolvidos no processo. Para você ter uma ideia, é comum que o INSS só libere o pagamento após 45 dias. Sem falar que o teto do pagamento é de pouco mais de 5 mil reais, por vezes inclusive limitado à 70% da renda do trabalhador.

    O DIT, por sua vez, não tem um limite, já que a indenização é calculada de acordo com a renda real do segurado. Vale lembrar que o recurso pode ser usado como complemento ao auxílio do INSS. Assim, você não precisa cobrir a totalidade da sua renda, mas só uma porcentagem dela, o que reduz o pagamento da apólice.

    Os prazos e a documentação

    O primeiro prazo que demanda atenção diz respeito ao início do cálculo de diárias por incapacidade temporária. Via de regra, as seguradoras começam a considerar a necessidade de indenização a partir do 16º dias após o afastamento. No entanto, é possível contar com uma cláusula para reduzir esse prazo a até 8 dias, desde que o segurado não seja empregado CLT.

    Também é preciso estar atento aos prazos de carência, que podem variar entre 30 e 180 dias. Além disso, consulte sua seguradora para conferir o tempo máximo de diárias pago a um segurado.

    Por fim, lembre-se de que a seguradora pode solicitar documentos para liberar a indenização, como atestados médicos. Portanto, leia atentamente o contrato, preencha o questionário de levantamento de perfil corretamente e esteja ciente da documentação que pode ser exigida para não ser pego de surpresa.

    Depois de conferir as vantagens e o funcionamento de um seguro DIT, que tal conhecer melhor os diversos tipos de seguro existentes? Entre em contato conosco e aproveite para fazer uma cotação!