Seguro para carros mais velhos: vale a pena?

Novembro 2017

2 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

 É sempre necessário considerar um seguro automotivo para evitar que imprevistos. Mas vale a pena investir em um seguro para carros mais velhos? Confira já!

 

Tudo bem que ter um carro traz qualidade de vida e mobilidade para toda a família, mas é preciso lembrar que essa comodidade implica em custos. E se engana quem pensa que as despesas se encerram com o fim do financiamento ou do consórcio, viu?

Além dos gastos com manutenção, ainda é preciso considerar a importância de um seguro automotivo para evitar que imprevistos acabem com sua conquista e sua tranquilidade.

Mas será que isso serve para veículos antigos, que não têm mais o mesmo valor de mercado? No post de hoje, vamos mostrar se vale ou não a pena investir em um seguro para carros mais velhos. Confira!

O seguro auto

Antes de mais nada, precisamos explicar como o seguro auto funciona. Basicamente, o cliente contrata o serviço e começa a pagar mensalmente determinado valor.

Caso ocorra algum sinistro previsto em contrato (como acidente, roubo ou furto), as despesas são total ou parcialmente cobertas pela seguradora.

São vários os fatores levados em conta na hora da cotação de um seguro, como o modelo do carro, o perfil dos motoristas e o valor de mercado dos veículos. E é justamente esse último ponto que merece uma atenção especial para decidir se é ou não vantajoso fazer um seguro para carros mais velhos.

O caso dos carros mais velhos

O seguro para carros mais velhos leva em conta a dinâmica do valor de mercado de qualquer veículo: depreciação nos primeiros anos para se estabilizar após 5 ou 10 anos de uso, dependendo do modelo. Isso significa que não há muitas mudanças no valor de uma apólice de um carro de 10 ou 12 anos.

No entanto, existem outros fatores que podem pesar a conta. Carros mais velhos exigem mais manutenção e troca de peças, por exemplo. Caso seu seguro ofereça esses serviços, você pagará um valor maior por eles.

Por outro lado, carros mais velhos são menos visados em roubos e assaltos, seja para uso direto ou para a revenda de peças. Esse é, portanto, um fator de desconto.

A diferença para carros antigos

Há ainda uma outra categoria de carros que segue uma lógica diferente no mercado.

Estamos falando das antiguidades, carros de colecionador que são verdadeiras relíquias para seus donos. E já podemos adiantar: a maioria das seguradoras não oferece serviços para automóveis com mais de 20 anos. Quando essa opção existe, ele pode ter um valor pouco convidativo, em alguns casos sendo cotado em até 30% do valor do veículo!

Uma boa opção para amantes de automóveis antigos é o chamado seguro não compreensivo, que cobre basicamente furtos e roubos, mas não protege o proprietário contra colisões ou incêndios. A vantagem dessa opção é que ela não demanda a avaliação de perfil dos condutores e oferece assistência 24 horas.

Antes de decidir se vale ou não investir em um seguro para carros mais velhos, leve em conta outros fatores além do preço, como o valor afetivo do bem ou o uso do carro para seu dia a dia profissional. Caso tenha optado por contratar uma cobertura, não hesite em procurar a melhor seguradora!

Por fim, se quer saber mais sobre seguro auto e fazer uma cotação sem compromisso, entre em contato conosco!

Comentários