• taxa selic
    Março 2020

    Taxa Selic: entenda como afeta o consumo, a economia e os investimentos

    Não é preciso conhecer muito de economia nem acompanhar tão de perto o noticiário sobre o assunto para em algum momento se deparar com notícias sobre o sobe e desce da taxa Selic, principal parâmetro para definir os juros do país.

    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp
  • Dezembro 2019

    Objetivo de investimento: entenda como definir e alinhar com sua metas pessoais

    Investir. Parece que nunca ouvimos tanto falar nessa palavra quanto nos últimos tempos, não é mesmo? Os motivos são vários, mas o principal deles, sem dúvida, é que as pessoas estão cada vez mais preocupadas em garantir um futuro melhor para si mesmas e para suas famílias. Mas e você, qual o seu objetivo de investimento?

    2 minutos de leitura
    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp
  • Abril 2019

    7 formas de investir em imóveis

    A aquisição de um imóvel próprio está entre os principais objetivos financeiros de muitas pessoas. Se você é uma delas, provavelmente busca nesse negócio a segurança de colocar o seu dinheiro em algo sólido e com riscos bastante baixos, além de proteger seu patrimônio contra os efeitos da inflação.

    6 minutos de leitura
    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp
  • Abril 2019

    Investimento em casal: 5 dicas para o sucesso

    Ter um relacionamento estável e saudável é muito bom, não é mesmo? Imagina então vocês crescendo juntos pessoal e financeiramente? Você já pensou alguma vez em fazer investimento em casal?

    2 minutos de leitura
    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp
  • Abril 2019

    Consórcio ou financiamento: o que é melhor e mais fácil para você?

     

    3 minutos de leitura
    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp
  • Abril 2019

    Qual é o melhor investimento para o futuro do meu filho?

    Você se pergunta qual o melhor investimento para o futuro do seu filho? Se sua preocupação é garantir o conforto e a tranquilidade da sua família, qual seria o primeiro passo? A primeira providência é pensar para qual objetivo você vai guardar dinheiro. Pode ser uma casa, uma faculdade, um intercâmbio ou uma previdência, por exemplo.

    2 minutos de leitura
    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp
  • Fevereiro 2019

    Poupar ou investir: saiba a diferença e qual é o melhor pra você

    Nosso vocabulário muitas vezes faz com que usemos algumas palavras como sinônimos, quando elas na verdade não são. E isso atrapalha algumas definições importantes. É o que acontece, por exemplo, quando falamos de poupar ou investir. Embora, sejam conceitos ligados, cada um descreve uma situação específica.

    Compreender as distinções entre esses termos é simples e ajuda a saber o que fazer com o dinheiro, de acordo com a sua condição financeira e os seus objetivos. Pensando nisso, detalhamos no post a diferença entre poupar e investir e qual dessas opções costuma ser melhor. Acompanhe!

    O que é poupar?

    Poupar é a palavra que define o ato de separar uma parte da renda com o intuito de reunir uma quantia suficiente para a realização de um objetivo. Tal objetivo pode ser a compra de um bem (como um carro ou uma casa) ou somente a manutenção de uma reserva financeira para imprevistos, como uma demissão ou emergência médica. O dinheiro destinado à formação de uma poupança vem, sobretudo, de economias feitas no orçamento doméstico. 

    Quem poupa dinheiro geralmente faz isso depositando os recursos em uma caderneta de poupança. Ainda que o rendimento seja bem baixo, isso ajuda a proteger os valores da inflação, que compromete o poder de compra ao longo do tempo. De todo modo, mesmo quem mantém o montante acumulado em uma conta-corrente ou em casa está fazendo uma poupança.

    O que é investir?

    Investir é fazer qualquer dispêndio com o intuito de obter um retorno futuro. Ou seja, quem investe espera que o montante aplicado resulte em mais dinheiro depois de determinado período.

    Assim, enquanto a poupança é resultado de uma economia de recursos e tem como objetivo a compra de um bem ou a proteção contra imprevistos, o investimento busca uma rentabilização da quantia disponível. E isso pode ser feito de várias formas, com diferentes graus de risco e rentabilidade.

    O mercado financeiro dispõe de diversas alternativas para quem quer fazer o seu dinheiro render, desde as mais conservadoras (como o Tesouro Direito, o CDB, as Letras de Crédito e os fundos de renda fixa) até as mais ousadas (como a bolsa de valores). Outras opções são a negociação de imóveis ou os consórcios, por exemplo.

    Seja qual for a sua escolha, o investidor acredita que o retorno obtido com aquela aplicação tende a ser maior que o risco, fazendo com ele confie e coloque seu dinheiro ali com a perspectiva de ganhos.

    Poupar ou investir? O que é melhor?

    Diante da diferenciação dos termos, responder qual é melhor depende de uma análise cuidadosa de cada caso. Quem tem como meta apenas manter uma reserva de emergência deve focar em poupar. Muitos investimentos têm prazos que restringem saques a qualquer momento, o que pode ser complicado na hora em que for preciso utilizar o dinheiro.

    Ademais, um investimento visa sempre o médio e o longo prazo, e presume que a quantia utilizada não será necessária por esse período. Antes de investir, a pessoa precisa conhecer bem as regras da aplicação escolhida e estar cientes dos riscos — que, por menores que sejam, sempre existem. A partir disso, o tempo e o dinheiro passam a trabalhar a seu favor.

    Com isso, quase sempre fazer um investimento é melhor que manter a simples poupança. Contudo, como já mencionamos neste texto, decidir entre poupar ou investir passa pela avaliação da condição de momento. Do mesmo modo que não faz sentido manter dinheiro debaixo do colchão, quem tem dívidas deve priorizá-las antes de dar o próximo passo.

    Você deseja investir mas não quer correr tantos riscos? Sabia que o consórcio é uma ótima alternativa de investimento? Entre em contato com a Rodobens e conheça as melhores opções do mercado! 

    2 minutos de leitura
    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp
  • Fevereiro 2019

    Você sabe o que é investimento sustentável?

    Existem muitos tipos de investimento disponíveis no mercado, mas pouco se fala do investimento sustentável. Você sabe do que se trata esse tipo de aplicação? Para explicar um pouco mais sobre o assunto e dar dicas imperdíveis, criamos este post.

    Continue a leitura e descubra como ganhar dinheiro investindo em empresas que contribuem com as necessidades do mundo para o futuro!

    O que é um investimento sustentável?

    Apesar de o nome diferente causar estranheza para muitas pessoas, o investimento sustentável não difere tanto dos tradicionais. O objetivo é o mesmo: conseguir um bom retorno. No entanto, o que torna um investimento sustentável é o lugar onde o montante é aplicado.

    Instituições que se preocupam com o meio ambiente e têm responsabilidade social são exemplos de negócios sustentáveis. Dessa forma, aplicar nelas é fazer um investimento sustentável.

    Que empresas podem oferecer esse tipo de investimento?

    Como dissemos no tópico anterior, toda empresa que investe na preservação ambiental e tem responsabilidade social se enquadra na categoria de negócio sustentável.

    Para você saber com segurança quais companhais podem ser consideradas realmente sustentáveis, existe o Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa. Por meio dele, você descobre as instituições que estão de acordo com as tendências ambientais e sociais do planeta.

    Por outro lado, também é possível realizar investimentos sustentáveis fora da Bolsa de Valores. Participar do desenvolvimento de ações e startups que promovam a conscientização ambiental, por exemplo, é uma ótima maneira de ganhar dinheiro ao mesmo tempo em que ajuda a melhorar o futuro do mundo.

    Por que é importante buscar investimentos sustentáveis?

    Nas últimas décadas, as pessoas têm se conscientizado cada vez mais sobre a importância de cuidar do meio ambiente, de ter responsabilidade social e de agir de maneira a alcançar esses objetivos.

    Afinal, vivemos em um planeta com recursos escassos, que, fatalmente, vão se esgotar algum dia. Fora isso, em muitos lugares a desigualdade social é enorme e gera problemas sérios, como fome, desnutrição e violência.

    Entre os motivos para fazer investimentos sustentáveis, podemos citar três principais. Veja!

    Cobre responsabilidade socioambiental

    Buscar investimentos sustentáveis é uma maneira de dizer para as empresas que práticas elas devem tomar para que o mundo se transforme em um lugar melhor no futuro. Ou seja, é estimular aqueles negócios que já atuam no mercado em convergência com as necessidades do planeta, para que eles se tornem exemplos para os demais.

    Incentive quem atua em prol da sustentabilidade

    Investimento sustentável não significa exatamente "investimento verde", como muitas pessoas costumam pensar. Mas é um tipo de aplicação como qualquer outra, mas que tem um objetivo secundário (além do retorno financeiro): incentivar empresas com responsabilidade socioambiental.

    Pense em vários aspectos do futuro

    Quem investe busca segurança financeira e conforto para sua família no futuro, concorda? De nada adianta almejar o lucro dos investimentos sem pensar no que o seu dinheiro está fomentando.

    Veja um exemplo hipotético: investir em ações de empresas que promovem o desmatamento. Por um lado, você pode obter retorno financeiro mas, por outro, está contribuindo para problemas que devem se agravar com o tempo, como o aquecimento global.

    Como encontrar investimentos sustentáveis?

    Além de acompanhar o índice da Bovespa que citamos no início do artigo, uma boa maneira de descobrir se você aplica com sustentabilidade é questionar se o seu dinheiro está alocado em ações que condizem com os seus ideais. Por exemplo, um vegetariano não investiria em empresas alimentícias que comercializam carne, correto?

    Além disso, lembre-se de focar em aplicações que sejam autossustentáveis. São aquelas que permitem que você acumule patrimônio, negociando-as ou reinvestindo o dinheiro e benefício obtidos. Em outras palavras, você multiplica seu patrimônio, de forma equilibrada e segura. Esse é um conceito diferente, mas nada impede que também promova a sustentabilidade. 

    Para saber mais sobre investimento sustentável e descobrir as melhores maneiras de fazer o seu dinheiro render, não deixe de assinar nossa newsletter para receber todas as nossas notícias em primeira mão!

    2 minutos de leitura
    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp
  • Fevereiro 2019

    É possível fazer investimento com pouco dinheiro? Conheça 4 maneiras

    Quando falamos em investimentos, quase sempre nos vem à cabeça a ideia de movimentações envolvendo grandes quantias de dinheiro, restritas a poucas pessoas. No entanto, essa ideia é, de certa forma, equivocada.

    O mercado oferece opções de investimento com pouco dinheiro, que podem ser bem interessantes para quem está começando, por unirem segurança e rentabilidade. Para conhecer mais sobre essas alternativas, acompanhe o texto. Boa leitura!

    1. Tesouro Direto

    Quem conhece pelo menos um pouco sobre o universo dos investimentos já deve ter ouvido falar do Tesouro Direto. Ele é cada vez mais popular e quase sempre indicado como uma alternativa à caderneta de poupança.

    Que investe nessa opção está, na prática, emprestando dinheiro ao governo, que o remunera por isso, de acordo com o estabelecido no momento do investimento. É possível começar com a partir de R$30.

    Entre os diversos tipos de títulos disponíveis no Tesouro Direto, o mais indicado para quem vai investir pequenas quantias são aqueles vinculado à SELIC, que pagam de acordo com a taxa de juros da economia nacional.

    Para investir no Tesouro Direto, basta procurar um banco ou corretora, que fará o cadastro do cliente na plataforma. Depois disso, ele estará livre para fazer a aplicação. É importante consultar a empresa escolhida, para saber se existe alguma cobrança, embora a maioria delas tenha zerado taxas nesse investimento.

    2. CDB

    O valor mínimo para investir em Certificados de Depósito Bancário (CDB) varia de acordo com a instituição financeira, mas a maioria oferece opções com valores iniciais de menos de R$ 1.000.

    Os CDB são utilizados pelos bancos para captar recursos no mercado. Com isso, eles emprestam dinheiro a outros clientes e remuneram o investidor com uma fração do lucro. A rentabilidade varia de acordo com a instituição, o valor investido e o prazo.

    Geralmente, não há cobrança de taxas para investimentos em CDB por partes dos bancos. Todavia, existe a incidência de Imposto de Renda (IR).

    3. Fundos DI

    Embora pareçam opções mais complexas de investimento, os fundos DI também são alternativas para investidores com menos dinheiro disponível. A maioria dos bancos dispõe de opções que demandam aportes reduzidos, de aproximadamente R$50. Contudo, por causa da cobrança de taxas de administração, em muitos casos não faz sentido escolher investimentos de valor muito baixo nessa categoria de aplicação.

    A taxa de administração remunera o gestor do fundo, responsável por decidir onde os recursos investidos serão aplicados. No caso de um fundo DI, praticamente todo o dinheiro é investido em títulos de renda fixa, que seguem a varição do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), índice quase sempre muito próximo à SELIC.

    Além da taxa de administração, a incidência do IR pode comprometer ainda mais a rentabilidade, principalmente em pequenos aportes. Por isso, calcule tudo isso antes de escolher essa opção.

    4. Consórcio

    Os consórcios são outro exemplo de investimento receptivo para quem não tem tanto dinheiro disponível. Por meio dessa forma de compra programada, o investidor paga parcelas mensais e, depois de determinado período, recebe uma carta de crédito, que permite a compra do bem desejado. Tudo isso sem a cobrança de juros.

    Para se ter uma ideia e mostrar como é possível investir em um consórcio com pouco, a Rodobens tem cotas de consórcio de imóveis a partir de R$ 200,89 e cotas de consórcio de motos a partir de R$ 126,14 por mês. Ou seja, com uma pequena fatia do orçamento, é possível investir em algo que incrementará seu patrimônio.

    Como você viu, existem sim opções para quem quer investir com pouco dinheiro. Mas antes de qualquer aplicação, é importante avaliar a sua condição financeira, eliminar dívidas, reduzir desperdícios e identificar quais são seus objetivos. Dessa forma, fica mais simples identificar qual aplicação é mais indicada para o seu perfil e assim alcançar melhores resultados.

    Quer saber mais sobre os consórcios? Entre em contato com a Rodobens agora mesmo! Estamos prontos para atendê-lo!

    3 minutos de leitura
    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp
  • Fevereiro 2019

    Consórcio é investimento? Saiba aqui!

    Na procura por um investimento, muitos recorrem sempre às mesmas opções, seja por considerá-las seguras, seja por não conhecer outras que possam fazer seu dinheiro render. Por isso, o intuito deste post é — já respondendo a questão do título — explicar por que consórcio é investimento.

    2 minutos de leitura
    Compartilhe
    Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

ASSUNTOS MAIS ACESSADOS

Confira os assuntos mais acessados do nosso blog, acesse já um de nossos tópicos.