Valorização de imóveis: o que é avaliado ao definir o preço?

Março 2017

4 minutos de leitura

Compartilhe
Compartilhe pelo Facebook Compartilhe pelo WhatsApp

Quando é tomada a decisão de venda ou compra de um imóvel, a primeira pergunta é: quanto vale esse patrimônio? Para responder a essa questão devemos fazer um levantamento aproximado para entender quais são os fatores que influenciam a valorização de imóveis.

A seguir, vamos mostrar quais são os principais aspectos que impactam no valor desse tipo de bem. Confira!

Localização

A cidade, o estado, o bairro e a rua em que seu imóvel está e até mesmo a vista que ele proporciona impactam na precificação final. Em geral, as unidades de alto padrão e luxo se encontram nos bairros nobres, enquanto os de acabamento mais básico ficam na periferia.

Mas também é necessário avaliar alguns aspectos da região do imóvel, como a proximidade de serviços, como supermercados, bancos e farmácias, acesso facilitado a serviços públicos ou grandes vias e mesmo áreas verdes, como praças e parques. A localização ainda influencia em outros fatores de infraestrutura externa, como qualidade de asfaltamento, acesso à água, energia elétrica, rede de internet e tratamento de esgoto adequado.

Segurança

A segurança em imóveis é considerada um dos fatores mais determinantes para a sua precificação. Facilidades como porteiro 24 horas, portão automático de abertura rápida, chaves com segredo e elevadores codificados devem incidir diretamente no valor final do imóvel negociado.

Por fim, a localização também influencia no aspecto da segurança. Portanto, verifique os índices de criminalidade da região, identificando números e tipos de ocorrências frequentes no bairro. Assim, é possível confirmar se a segurança deve ser um fator a ser considerado na valorização do imóvel.

Espaço disponível

A metragem total do apartamento ou da casa é um dos fatores-chave na hora da venda, sendo uma informação presente em todos os anúncios que você vai ler ou fazer. Em geral, imóveis mais amplos, com grande área construída são mais caros do que os menores.

No entanto, é preciso levar em conta fatores como a distribuição de espaço entre os cômodos. Por exemplo, casas com quartos e banheiros amplos podem ser mais atrativas que aquelas com salas enormes e quartos minúsculos.

Área de lazer

As áreas de lazer são muitos valorizadas por certos tipos de público, mas não são tão levadas em conta por outros. Por isso, o impacto da área de lazer no preço de negociação pode variar dependendo do comprador em questão.

Uma área não construída muito extensa, como um quintal, pode ser um fator desfavorável se o seu público comprador quer optar por uma unidade com mais praticidades, por outro lado, pode ser o que famílias com crianças procuram.

Já no caso de condomínios que investem em áreas de lazer compartilhadas com piscina, sauna, salão de jogos, etc., existe o custo disso que vai incidir diretamente no preço final de negociação.

Vagas de garagem

Em todos os tipos de construção, o número de vagas de garagem disponíveis é um fator que entra diretamente na conta e mais influencia no preço de negociação. Isso se dá por algumas razões simples.

Primeiramente pelo conforto e segurança de ter vagas de garagem à disposição, o que pode ser um diferencial, seja para uma família convencional, uma casa com muitas pessoas que dependem do automóvel ou para alguém que more sozinho.

Em segundo, mesmo que o comprador não tenha mais de um veículo ou não use a garagem, uma vaga sempre pode ser alugada para outro morador das proximidades que precise de um espaço seguro para guardar o carro.

Tempo de construção

A idade também pesa na valorização de imóveis, e a regra, a princípio, é simples: quanto mais antiga a unidade, menor o seu valor final. Todavia, essa não é uma lei universal ou imutável: unidades bem conservadas, localizadas em edifícios com peso histórico ou em bairros tradicionais podem utilizar sua longevidade como um diferencial.

Prédios ou casas construídos há pouco tempo em bairros novos, por sua vez, podem sofrer uma desvalorização justamente por estarem em áreas que, provavelmente, não possuem toda a infraestrutura de um bairro tradicional.

Documentação

Embora muitos negociadores não deem a devida atenção a esse aspecto da transação, a documentação de um imóvel pode ser diferencial para a precificação. Isso se deve ao fato de que, em muitos casos, compradores desistem da negociação ao se depararem com propostas de imóveis cheios de documentos atrasados e irregulares.

É responsabilidade de que negocia o bem imóvel regularizar toda a documentação necessária para legalizar a transação imobiliária, incluindo o pagamento de impostos e taxas municipais. Caso contrário, os gastos com a regularização e documentação devem ser abatidos do preço de negociação, assim, não se prejudica o comprador.

Qualidade da estrutura e acabamentos

Por fim, lembre-se de que a qualidade interna de imóveis conta bastante na hora da precificação. Isso vale desde as condições de instalações elétricas e hidráulicas, passando por materiais utilizados em construções e reformas, bem como a presença de facilidades como armários embutidos ou gás encanado.

O acabamento de toda a unidade também é um fator decisivo de compra e precificação: pisos, pinturas, pias, porcelanas e torneiras de boa qualidade e bem conservados são detalhes que podem sim aumentar ou diminuir o valor de um imóvel de forma considerável.

Ajuda especializada

Ao avaliar e vistoriar um imóvel, é sempre recomendado contar com profissionais de confiança que possam fornecer informações que por vezes são ocultadas ou negligenciadas.

O primeiro deles é um bom corretor de imóveis: o profissional que tem conhecimento na avaliação de imóveis em geral, e pode facilmente apontar os aspectos positivos e negativos de cada casa ou apartamento. Além, é claro, de facilitar os processos documentais de transação.

Se o corretor pode apontar em geral os aspectos positivos e negativos, um arquiteto ou um engenheiro podem fornecer informações mais específicas sobre a estrutura e a qualidade da construção. Contar com um profissional de confiança desse ramo é indicado especialmente se o comprador tem interesse na possibilidade de realizar reformas.

Mencionamos aqui também que consultar um advogado para analisar toda a documentação e investigar possíveis pendências legais e administrativas relacionadas aos imóveis e ao condomínio é uma prática preventiva altamente recomendada para evitar prejuízos na aquisição de bens dessa natureza.

Antes de terminarmos, fica a dica: procure imóveis similares ao que você pretende vender ou comprar para ter uma referência na hora de precificar o bem ou investimento. E, claro, sempre conte com a ajuda de um especialista em mercado imobiliário para realizar a transação.

Gostou das nossas dicas? Então curta nossa página no Facebook para receber mais informações preciosas sobre mercado imobiliário direto na sua timeline!

 

Comentários